iPhone 13 Pro perde vários recursos após troca de placa lógica

Youtuber substitui peça do iPhone 13 Pro e descobre que Face ID, True Tone e ferramentas avançadas da câmera param de funcionar após conserto

Giovanni Santa Rosa
Por

Ontem, você leu aqui no Tecnoblog que a simples troca da tela do iPhone 13 faz o Face ID parar de funcionar. Um novo vídeo foi além e mostrou que as restrições da Apple são ainda mais rígidas. Ao trocar as placas lógicas de duas unidades do iPhone 13 Pro, vários recursos do aparelho ficaram indisponíveis.

iPhone 13 Pro aberto
iPhone 13 Pro aberto (Imagem: Hugh Jeffreys/Reprodução)

Sem Face ID, True Tone e modo retrato no iPhone 13 Pro

O link do vídeo foi compartilhado pelo leitor Mateus aqui na Comunidade do Tecnoblog. Os testes foram feitos pelo youtuber Hugh Jeffreys, que tem um canal dedicado a desmanches e testes de reparos em smartphones. Ele comprou dois iPhones 13 Pro e foi trocando peças entre eles para ver o que funcionava e o que era bloqueado a cada substituição.

O maior problema foi quando as duas placas lógicas foram colocadas uma no lugar da outra. Depois do processo, vários recursos ficaram indisponíveis:

  • Face ID;
  • True Tone;
  • checagem da saúde da bateria;
  • opção de desativar modo de alta performance para poupar bateria;
  • modo retrato e cinematográfico da câmera frontal;
  • controle automático de brilho da tela.

O aparelho também dá várias mensagens de alerta, dizendo que não é possível verificar se a câmera, a tela e a bateria são originais, e recomenda levar o produto a uma assistência autorizada da Apple.

Jeffreys ainda tentou restaurar os aparelhos e atualizar o sistema usando o iTunes. Os processos ocorrem com sucesso, mas nada muda e os problemas continuam.

YouTube video

O vídeo é bem extenso, com mais de 17 minutos, e o youtuber troca várias peças do iPhone 13 Pro, como tela, módulo de câmera frontal e até mesmo os conectores. Em nenhum caso o aparelho funciona perfeitamente.

Direito de consertar

A Apple vem sendo muito criticada pelas restrições que ela impõe ao chamado direito de consertar. EUA e União Europeia, inclusive, estão de olho nessa questão.

“Mesmo depois de pagar US$ 3.400 nesses dois aparelhos, eu sinto que eles não são totalmente meus”, comenta Jeffreys no vídeo. Afinal de contas, o usuário e até mesmo assistências técnicas independentes não conseguem reparar um produto quebrado sem a participação da Apple. O youtuber já tinha testado e criticado o iPhone 12, mas diz que a situação piorou muito no iPhone 13.

A empresa argumenta que o melhor caminho é sempre procurar uma assistência técnica autorizada para ter a garantia de qualidade, mas o valor do serviço geralmente é alto e, em muitos casos, a sugestão é levar um aparelho novo.

Isso se choca com o discurso de defesa do meio ambiente da companhia, que embasou a polêmica decisão de remover o adaptador de tomada da caixa dos iPhones. A empresa também tomou outras medidas, como retirar o plástico das embalagens e recorrer a mais materiais reciclados. Mas, como Jeffreys diz, “usar um produto por mais tempo é melhor do que reciclar [em termos de sustentabilidade]”.