Notícias Negócios

Nubank como operadora de celular? Fintech diz ver oportunidades em telecom

Em documentos enviados à SEC para estrear na bolsa de valores, Nubank diz que pode levar seu modelo para e-commerce, planos de saúde e telecom

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Sempre que uma empresa vai abrir seu capital em uma bolsa de valores, ela precisa enviar um monte de documentos com detalhes sobre seus negócios — e essa é uma ótima hora para descobrir planos e riscos. No caso do Nubank, que está preparando seu IPO na Bolsa de Nova York, ficamos sabendo que a companhia tem telecomunicações entre seus planos.

Nubank (Imagem: Divulgação)
Nubank (Imagem: Divulgação)

O Teletime observou que, na papelada enviada à Securities and Exchange Commission (SEC) — órgão responsável por regulamentar o mercado financeiro nos EUA — há uma seção chamada “Setores Adjacentes”.

Nela, o Nubank diz acreditar que há “oportunidades significativas” para levar seu modelo de negócios para outros ramos e levar disrupção a mercados consolidados.

“Por exemplo, acreditamos que há oportunidades similares para simplificar o cotidiano dos nossos consumidores pela disrupção de modelos existentes em setores como e-commerce, planos de saúde e telecomunicações.”

Atualmente, a única conexão existente entre a fintech e as operadoras é a venda de recargas de celular por meio do aplicativo.

Outros bancos também apostam em telecom

Fazer um pouco de tudo e oferecer muitos serviços em um único aplicativo é uma tendência principalmente nos setores de e-commerce, delivery e financeiro, como é o caso aqui. O Nubank não seria a primeira empresa a expandir suas atividades para ter sua própria operadora.

Em todos os casos, a estratégia parece ser a mesma: lucrar com outros serviços, já que os produtos bancários dos bancos digitais quase sempre são isentos de tarifas.

O Banco Inter, por exemplo, relançou recentemente sua Inter Cel. Ela é uma operadora virtual (tecnicamente, uma MVNO, ou operadora virtual móvel de rede) que usa a rede da Vivo. Os planos são pré-pagos e oferecem cashback como atrativo.

Inter Cel é relançada pelo Banco Inter em parceria com Vivo (Imagem: Lucas Braga / Tecnoblog)
Inter Cel é relançada pelo Banco Inter em parceria com Vivo (Imagem: Lucas Braga / Tecnoblog)

O Inter também tem presença nas outras duas áreas mencionadas pelo Nubank, com um marketplace integrado ao app (com cashback) e uma parceria com a Qualicorp para vender planos de saúde.

Outro banco que vende planos de telefonia é o BMG. Ele cede a marca para a Surf Telecom vender planos de celular com pagamento mensal. A Surf, aliás, oferece planos de diversas marcas, desde times de futebol até a Laricel, da atriz Larissa Manoela. A MVNO usa a rede da TIM.

Já o C6 Bank usou uma tática diferente: a fintech não tem sua própria operadora, mas conta com uma parceria com a TIM que oferece mais internet e cashback em diferentes produtos da telecom.

Com informações: Teletime.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Responde

Relacionados

Em destaque