Início / Notícias / Jogos /

Wildlife é acusado de assédio e discriminação no ambiente de trabalho

Estúdio brasileiro de games Wildlife acumula denúncias de assédio, discriminação e desigualdade entre gêneros, segundo investigação

Murilo Tunholi

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A cultura de assédio nas empresas de tecnologia e videogames não é exclusiva dos EUA. Uma investigação realizada pelo Rest of World revelou que o estúdio brasileiro Wildlife acumula várias denúncia de comportamentos inadequados no ambiente de trabalho, discriminação, e desigualdade entre gêneros. A maior parte das queixas foi registrada em 2020, de acordo com um relatório do próprio RH da empresa.

Escritório da Wildlife Studios (Imagem: Divulgação/Wildlife)

Responsável por games mobile de sucesso como Zooba, Sky Warriors, ‎Suspects e ‎Tennis Clash, a Wildlife começou em 2011 como um estúdio independente. Hoje, a empresa vale US$ 3 bilhões (cerca de R$ 17 bilhões) e conta com cerca de 800 funcionários espalhados pelos cinco escritórios no Brasil, EUA, Argentina e Irlanda.

Em seu site oficial, a desenvolvedora atribui o sucesso dos jogos ao cuidado que tem com os funcionários. “Criamos um ambiente onde pessoas de todas as etnias, gêneros e origens que compartilham nossos valores possam se sentir seguras, atingir seu pleno potencial e ser felizes”, diz a empresa em um dos manifestos no portal.

Porém, pelo o que parece, essas palavras não são seguidas à risca. Um relatório interno do RH da Wildlife, produzido em maio de 2020 e obtido pelo Rest of World, revelou que a empresa havia registrado diversas denúncias de disparidade salarial entre homens e mulheres de mesmos cargos, assim como casos de discriminação e assédio no trabalho.

Funcionários da Wildlife confirmaram as denúncias

Para confirmar as informações, o Rest of World ouviu oito funcionários e ex-contratados do estúdios, os quais atestaram as queixas. Ao todo, o relatório conta com 22 páginas descrevendo casos de assédio psicológico e moral, perpetuação de estereótipos sexistas e desigualdade entre gêneros.

Segundo um dos ex-funcionários entrevistados pelo Rest of World, o documento foi solicitado pela equipe de diversidade da Wildlife, criada para lidar com questões internas de diversidade racial e de gênero na empresa. Em uma parte do relatório, é falado sobre uma gerente mulher que, após ser promovida, recebeu uma oferta de salário 30% menor em relação a um homem no mesmo cargo.

Zooba é um dos jogos da Wildlife (Imagem: Divulgação/Wildlife)

Outros pontos do documento ainda mencionam personagens femininas sendo representadas de forma sexista dentro dos jogos, e líderes de equipe incentivando funcionários a “não ouvirem opiniões femininas sobre os games”. Um dos gerentes — que trabalha na empresa até hoje — teria dito que a Wildlife “não está no mercado para quebrar estereótipos, mas sim para reforça-los”.

A maior parte das denúncias relatadas partiu de mulheres que se sentiam desprezadas na empresa. Por exemplo, algumas funcionárias ouviam que precisavam “ser mais humildes” ao pedir mudanças em qualquer produto e eram desencorajadas por superiores a não falarem sobre suas ideias em reuniões.

Ainda de acordo com o relatório, os homens do estúdio mantinham grupos de WhatsApp sem mulheres para falarem não só sobre assuntos pessoais, como também sobre pautas do trabalho. Isso fazia com que as funcionárias ficassem por fora de muitos planos da Wildlife.

Wildlife Studios diz levar a sério todas as denúncias

Em um e-mail enviado ao Rest of World, um representante do estúdio explicou que “a Wildlife leva a sério toda e qualquer alegação”. Além disso, a pessoa responsável pela empresa incluiu a seguinte explicação:

“Temos um Programa de Integridade robusto, uma iniciativa de toda a empresa para aumentar nosso compromisso com um local de trabalho seguro, reforçando nossos valores e fortalecendo a cultura ética que pode ser encontrada em nosso Código de Conduta”.

Wildlife Studios.

Ao Tecnoblog, a Wildlife Studios enviou uma nota oficial de posicionamento sobre os casos de assédio reportados pelo Rest of World. No comunicado, a empresa diz o seguinte:

“A Wildlife Studios esclarece que algumas informações fornecidas ao portal Rest of the World não são verdadeiras. Há cerca de dois anos, a empresa recebeu uma denúncia vinda de três funcionárias, que disseram ter conversado com outros colaboradores para preparar um documento que foi então encaminhado para a área responsável. Tão logo tomamos conhecimento sobre os fatos descritos no material, iniciamos um processo interno para sua apuração que resultou na demissão de dois colaboradores e medidas disciplinares aplicadas a um terceiro envolvido nas denúncias”.

Wildlife Studios.

Para completar, a desenvolvedora explica que diversidade é um tema importante no dia a dia de todos os funcionários e ainda aponta que há um canal de denúncias próprio para casos que violam o código de conduta da empresa. O restante da nota você confere na íntegra a seguir:

“Diversidade é um tema de extrema importância para Wildlife e a empresa trabalha para criar um ambiente seguro e inclusivo. Como parte das nossas iniciativas temos um canal dedicado a denunciar as violações do nosso código de conduta, e todas as queixas recebidas são investigadas pelo departamento de compliance sendo que, após um rigoroso processo de apuração dos fatos, tomamos as medidas cabíveis para cada situação. Ao constatar que houve um problema nessa área, a empresa também investiu no fortalecimento das lideranças femininas, que hoje é composta majoritariamente por mulheres, desde a gerente da área, passando pela diretora e diretora sênior do departamento, que se reporta diretamente para o CEO. Além disso, a taxa de contratação de mulheres nessa área é bem acima da média da indústria.  

Somos gratos a todas as pessoas que apontam problemas na companhia e sabemos que diversidade é um tema presente na indústria de tecnologia e, especificamente, na indústria de games. Por isso a Wildlife investe em garantir um ambiente inclusivo por meio de diversas iniciativas como grupos de representação de minorias, treinamentos e sessões de diálogos com os principais líderes de diversidade do Brasil. A Wildlife monitora o progresso na carreira dos diferentes grupos e tem orgulho de dizer que homens e mulheres são promovidos na mesma proporção.  E também trouxemos para nosso time um colaborador especialista em pagamento justo e autor do livro ‘Fair Play: How to Get a Raise, Close the Wage Gap, and Build Stronger Business’, com o objetivo de continuar trabalhando para um ambiente de equidade. 

Por fim, é importante esclarecer que a Wildlife Studios possui um canal de comunicação conhecido como ‘Talk to Us’, gerido por uma empresa externa. O canal é direcionado a funcionários e ex-funcionários, que podem realizar denúncias de maneira anônima sobre ações ou atitudes que estejam em desacordo com o código de ética e as políticas internas da empresa. Desde sua criação, todas as denúncias realizadas foram investigadas e endereçadas. Além disso, todas as medidas necessárias foram adotadas para evitar que novos fatos ocorressem, o que mostra o empenho da companhia em criar um ambiente de trabalho seguro para todos”. 

Wildlife Studios.

Wildlife e Activision Blizzard estão no mesmo barco

Comportamentos inadequados no ambiente de trabalho são comuns entre empresas de videogames, infelizmente. A Activision Blizzard responde a diversos processos judiciais envolvendo casos de assédio moral e sexual dentro do ambiente de trabalho. A Ubisoft também já se envolveu em problemas parecidos em 2020.

Com informações: Rest of World.

Atualização em 18 de dezembro de 2021, às 19h35: inclusão de nota de posicionamento oficial da Wildlife Studios enviada ao Tecnoblog via e-mail.