Início / Notícias / Jogos /

PUBG Mobile vence hackers na Justiça e recebe US$ 10 milhões em danos

Grupo de hackers de PUBG Mobile é condenado por tribunais dos EUA e da Alemanha a encerrar todas as atividades relacionadas ao desenvolvimento de trapaças para jogos

Por

A Krafton e a Tencent — responsáveis por PUBG Mobile — obtiveram vitória na Justiça em um processo contra um grupo de hackers conhecido por desenvolver trapaças para o Battle Royale. Os tribunais federais dos EUA e da Alemanha condenaram os membros da organização a encerrarem todas as atividades relacionadas ao desenvolvimento de cheats. Os réus também devem pagar uma multa de US$ 10 milhões (por volta de R$ 56,8 milhões) às empresas.

PUBG Mobile no celular (Imagem: Screen Post/Unsplash)
PUBG Mobile no celular (Imagem: Screen Post/Unsplash)

A desenvolvedora e a publicadora de PUBG Mobile não divulgaram o nome do grupo hacker processado, mas disseram que a organização criava e distribuía trapaças para jogadores do mundo todo. Como a equipe lucrava com a venda dos programas ilegais, a Krafton e a Tencent puderam recorrer à Justiça com base na lei de direitos autorais.

Além de pagar os US$ 10 milhões em danos, o grupo também deve encerrar qualquer atividade ilegal envolvendo trapaças em jogos. Os hackers ainda precisam fornecer detalhes sobre a operação, como a estratégia usada para explorar os arquivos de PUBG Mobile e todos os nomes de possíveis colaboradores.

Em comunicado enviado à imprensa, as empresas responsáveis por PUBG Mobile informaram que o dinheiro da multa será usado para investir no desenvolvimento de uma tecnologia antitrapaça melhor. A ideia da Krafton e da Tencent é impedir que novas trapaças sejam criadas para o Battle Royale.

Hackers estão em quase todos os jogos grátis

Assim como em outros jogos gratuitos, PUBG Mobile sofre com uma quantidade grande de trapaceiros. Por mais que sejam banidos, as pessoas mal-intencionadas conseguem retornar ao game apenas criando uma nova conta. O mesmo acontece em Free Fire, Call of Duty: Warzone, Counter-Strike: Global Offensive, entre outros.

Recorrer à Justiça é uma estratégia válida para tentar inibir as atividades ilegais dos hackers, mas não é o suficiente para impedir o desenvolvimento de novas trapaças. Recentemente, PUBG Mobile lançou uma medida anti-cheat mais restrita: a proibição de dispositivos. Com isso, a equipe do jogo consegue identificar o celular do trapaceiro e banir o aparelho inteiro em vez de só a conta.