Golpe de R$ 100 milhões em bitcoin leva a prisão de suspeito no Pará

PRF prende no Pará suspeito de ter enganado cerca de cem clientes para roubar entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões em bitcoin (BTC) em crime de estelionato

Bruno Ignacio
Por

Mais um golpe com bitcoin (BTC) no Brasil. Na semana passada, a Polícia Rodoviária Federal (PRF) prendeu um homem acusado de ter roubado cerca de R$ 100 milhões na criptomoeda. Estima-se que aproximadamente cem pessoas foram lesadas pelo criminoso. As autoridades acusam o suspeito pela prática de estelionato.

GAS Consultoria Bitcoin movimentou R$ 38 bilhões (Imagem: Bermix Studio/ Unsplash)
Crimes com bitcoin e criptomoedas crescem no Brasil (Imagem: Bermix Studio/ Unsplash)

O homem detido faria parte de uma organização criminosa que enganou clientes que desejavam investir no popular ativo digital. O grupo era liderado pelo homem que foi detido durante a Operação Blockchain Fake da PRF em Santarém, Pará. A polícia realizou uma busca durante a noite da quarta-feira da semana passada (20) em um ônibus que trafegava pela rodovia BR-163.

O destino da viagem era Belém, a capital do estado. No entanto, as autoridades abordaram o veículo para fiscalização. Durante a checagem da documentação dos passageiros, os policiais identificaram o suspeito que já contava com um mandato de prisão emitido pela Central de Inquéritos de Manaus (Amazonas).

Em comunicado, a PRF estima que o golpe de estelionato teria gerado um lucro entre R$ 50 milhões e R$ 100 milhões para a organização. Ainda não se sabe mais detalhes sobre qual o nome da empresa que o suspeito liderava para enganar suas vítimas. No entanto, sabe-se que as promessas eram de rendimentos fixos de 10% ao mês sob a justificativa que o dinheiro aplicado estava sendo usado para operações com bitcoin.

No entanto, aparentemente nenhum bitcoin foi comprado. Na realidade, os criminosos usavam os aportes dos clientes para adquirir carros de luxo e entre outras coisas, o que chamou a atenção das autoridades para iniciar a investigação.

Crimes com bitcoin e criptomoedas crescem no Brasil

Roubo de criptomoedas (Imagem: Marco Verch/Flickr)
Roubo de criptomoedas (Imagem: Marco Verch/Flickr)

Essa nova operação reflete a atenção redobrada que a polícia está dando para crimes financeiros envolvendo criptomoedas. Em outubro, ocorreu a Operção Égide, que prendeu outro suspeito. Ao abordar um veículo, as autoridades encontraram diversas mercadorias sem nota fiscal. Eram máquinas ANTI MINER, usadas para a mineração de criptomoedas e que haviam sido adquiridas no Paraguai, sob o valor total de R$ 212.325.

Outro caso ocorreu em agosto, quando a Receita Federal realizou a Operação Mercador de Ilusões, destinada a desmontar uma organização criminosa com atuação em Elói Mendes, Minas Gerais, e diversos outros municípios no Brasil. A organização realiza crimes de estelionato e lavagem de dinheiro.

Na época, as autoridades identificaram que o líder do grupo possuía vasto conhecimento na realização de atividades financeiras no mercado de criptoativos, especialmente bitcoin. O suspeito ministrava cursos e, através deles, conseguiu atrair a atenção e interesse de diversas pessoas de vários estados. Mais de R$ 30 milhões e 400 bitcoins foram movimentados.

Com informações: Livecoins

Relacionados

Relacionados