Activision lista desvantagens de sindicato e tenta convencer funcionários

34 funcionários da Raven Software — estúdio por trás de CoD: Warzone — já votaram a favor da sindicalização, apesar de não terem recebido reconhecimento oficial da Activision Blizzard

Murilo Tunholi
Por

A Activision Blizzard está fazendo de tudo para impedir a sindicalização dos funcionários da Raven Software — estúdio responsável por Call of Duty: Warzone. Para tentar convencer os trabalhadores a desistirem da união, o vice-presidente do setor de Quality Assurance (garantia da qualidade, em português), Chris Arends, enviou uma mensagem via Slack falando sobre supostas desvantagens dos sindicatos.

Sede da Activision em Santa Monica, na Califórnia (Imagem: Divulgação/Activision Blizzard)
Sede da Activision em Santa Monica, na Califórnia (Imagem: Divulgação/Activision Blizzard)

No comunicado compartilhado na última segunda-feira (31), em um canal privado do Slack da empresa, Arends montou uma espécia de “FAQ” com seis possíveis questionamentos sobre sindicalização. O próprio vice-presidente respondeu às perguntas, sempre considerando o ponto de vista da Activision Blizzard.

Cada uma das seis questões levantadas pelo vice-presidente criticava a união dos trabalhadores de alguma forma, mas a quarta pergunta era a mais direta de todas. O texto dizia o seguinte:

Ouvimos dizer que o sindicato protegerá os funcionários e proporcionará estabilidade no emprego aos trabalhadores?

A estabilidade aqui na ABK [Activision Blizzard King] depende de nossa capacidade de produzir entretenimento épico para nossos fãs. Um sindicato não faz nada para nos ajudar a produzir jogos de impacto mundial, e o processo de negociação geralmente não é rápido, muitas vezes reduzindo a flexibilidade e podendo ser contraditório, a ponto de levar à publicidade negativa. Tudo isso pode prejudicar nossa capacidade de continuar criando grandes jogos”.

Chris Arends, vice-presidente de Quality Assurance da Activision Blizzard.

Nas respostas seguintes, Arends volta a falar sobre a demora em negociações com sindicatos: “Uma empresa sindicalizada não pode agir rapidamente por conta própria se o sindicato não concordar com sua posição”. No final, o vice-presidente lembrou aos funcionários que não é obrigatório votar a favor do sindicato, quando ocorrer a eleição.

As mensagens de Arends eram bloqueadas e não permitiam comentários de funcionários. A conversa só se tornou pública porque uma das funcionárias da Raven Software — Jessica Gonzalez — resolveu fazer uma captura da tela e postar o tal comunicado no Twitter.

34 funcionários já votaram a favor da sindicalização

Os funcionários de Quality Assurance da Raven Software já estão se movimentando para fundar um sindicato, conforme seus direitos como trabalhadores dos EUA. A sindicalização foi motivada por decisões da própria Activision Blizzard, que demitiu dezenas de pessoas do setor no ano passado, sem motivos aparentes.

Para resolver a situação de forma pacífica, a Activision Blizzard poderia ter reconhecido a sindicalização dos funcionários de maneira voluntária. A empresa teve até às 20h do dia 25 de janeiro para fazer isso, mas preferiu não enviar um posicionamento oficial ao grupo de trabalhadores responsáveis pelo processo de união.

Mesmo sem o reconhecimento oficial da Activision Blizzard, 34 funcionários da Raven Software registraram o pedido de sindicalização no National Labor Relations Board (NLRB), dos EUA. Agora, falta aguardar a decisão do órgão para saber o desfecho dessa história.

Com informações: Engadget.

Relacionados

Relacionados