Início / Notícias / Brasil /

Ponte aérea Rio-SP adota embarque facial biométrico de forma definitiva

Em testes desde o último ano, embarque facial biométrico dispensa o uso de documentos de identificação e cartão de embarque em aeroportos

Ana Marques

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

Viajantes que utilizam a ponte aérea Rio-SP pelos aeroportos de Congonhas e Santos Dumont poderão usar o embarque facial biométrico de forma definitiva ainda em 2022. A tecnologia estava em testes desde o último ano nestes aeroportos, e tem como objetivo tornar o processo de embarque 100% digital, prometendo maior praticidade e segurança.

Passageiro chegando a aeroporto (Imagem: Alexandr Podvalny/Pexels)

A modalidade de embarque via reconhecimento facial faz parte do projeto Embarque + Seguro do governo federal. Ela utiliza uma foto do passageiro ou tripulante tirada na hora para validar o embarque após o cruzamento de dados com as bases do governo.

Durante o período de testes, Marcelo Sampaio, secretário-executivo do Ministério da Infraestrutura (MInfra) afirmou que a medida irá “eliminar por completo a necessidade de se apresentar qualquer tipo de documentação”.

Segundo dados do MInfra, a fase beta do programa — de outubro de 2020 a janeiro dee 2022 — envolveu mais de 6,2 mil passageiros, em sete aeroportos do Brasil. Além disso, quase 200 profissionais (pilotos e comissários) avaliaram o embarque biométrico em Congonhas e no Santos Dumont nos últimos três meses.

De acordo com o Serpro, os dados coletados mediante autorização assinada pelo passageiro durante os testes seriam tratados apenas pelo governo federal, não sendo compartilhado com terceiros, e seriam excluídos após o período final do projeto-piloto.

Como vai funcionar o embarque facial em aeroportos?

Ao realizar o check-in, um atendente da companhia aérea poderá verificar o seu CPF e a foto para realizar a validação biométrica do passageiro. Depois dessa etapa, o viajante poderá acessar livremente a sala de embarque e o avião.

Serão dispostos pontos de controle biométricos nestes espaços para que os passageiros sejam identificados por meio de câmeras, sem a necessidade de apresentação de documentos de identificação e cartão de embarque.

Já funcionários de companhias aéreas terão sua identidade validada na Área Restrita de Segurança (ARS). Neste local, um equipamento irá coletar a biometria facial e validar os dados junto à base da CHT Digital.

Operação deve ser implementada até julho

A ponte Rio-SP é a mais movimentada do país, e a quinta do mundo em fluxo de voos. Para operar a tecnologia de embarque facial biométrico, a Infraero, que administra os aeroportos de Congonhas e o Santos Dumont, deverá adquirir os equipamentos necessários para instalar o sistema desenvolvido pelo Serpro.

De acordo com o cronograma divulgado pelo MInfra, ainda em fevereiro deve ocorrer a licitação para aquisião dos leitores biométricos. Já a implantação final está prevista para julho deste ano.