Início / Notícias / Internet /

Mapa mostra invasão russa na Ucrânia em tempo real usando posts do Twitter

Plataforma reúne informações publicadas no Twitter, TikTok e YouTube para mapear ações militares da Rússia dentro e ao redor da Ucrânia

Bruno Gall De Blasi

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O mundo encarou momentos de tensão nas últimas horas. Nesta quinta-feira (24), o exército da Rússia atacou a Ucrânia após o presidente Vladimir Putin ordenar uma ação militar no país do Leste Europeu. Enquanto isso, um mapa criado pelo Centre for Information Resilience (CIR) mostra as movimentações da tropa russa com base em informações disponíveis no TwitterTikTokYouTube e em outras plataformas.

Mapa do Centre for Information Resilience (CIR) mostra as ações do exército russo na Ucrânia (Imagem: UP9/Wikimedia Commons)
Mapa do Centre for Information Resilience (CIR) mostra as ações do exército russo na Ucrânia (Imagem: UP9/Wikimedia Commons)

O projeto visa distribuir informações confiáveis para formuladores de políticas e jornalistas sobre a situação dentro e ao redor da Ucrânia. “Muitas imagens estão sendo postadas online de movimentos militares russos ao longo da fronteira ucraniana”, informou o CIR no último dia 9 pelo Twitter. “Estamos trabalhando com a comunidade OSINT [sigla em inglês para Inteligência de Fontes Abertas] para documentar, verificar e mapear essas informações.”

O mapa coleta informações públicas disponíveis na internet, incluindo redes sociais. Em outra publicação no Twitter, a instituição informa que utiliza “técnicas simples de código aberto, como análise de imagens e geolocalização” para verificar as informações. Assim, o CIR consegue confirmar onde, quando e o que está sendo demonstrado no registro antes de levar os novos dados à plataforma.

“Como encontramos o local? Bem, o nome no tweet original é um ponto de partida, mas provar exatamente onde foi filmado é um pouco mais complicado”, explicaram. “Para isso, usamos o Google Maps e o Google Earth para combinar os recursos vistos na filmagem.”

Os dados são encaminhados para um mapa publicado no MapHub após a verificação das informações. Através da plataforma interativa, qualquer pessoa consegue verificar a movimentação de tropas, imagens de satélites e afins. Além disso, a base de dados reúne informações sobre as ações do exército russo de 1º de janeiro de 2022 até os dias atuais.

Você pode acessar o mapa pelo navegador: maphub.net.

Mapa Ucrânia-Rússia (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)
Mapa reúne informações disponíveis na internet sobre invasão na Ucrânia (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Como acompanhar a situação na Ucrânia pelo mapa?

As informações do mapa podem ser acessadas de duas formas. A primeira delas é através de um menu lateral na aba “Item”, onde é possível localizar as inserções por categorias. Por exemplo, ao expandir o agrupamento “Military Movements January 2022”, o usuário consegue ver todas as movimentações que aconteceram de 1º de janeiro até o dia 31 do mesmo mês.

A segunda opção é através dos indicadores fixados no próprio mapa. Ao abrir o site, a plataforma carrega diversos alfinetes coloridos, cada um em referência a um evento específico. Confira a legenda de cores dos ícones a seguir:

  • Marcadores verdes: movimento e acúmulo de ativos militares;
  • Marcadores azuis: imagens de satélite de forças e movimentos relacionados;
  • Marcadores amarelos: outras filmagens;
  • Marcadores laranja: imagens de bombardeio, bombardeio, explosão ou destruição.

Os indicadores também são interativos. Assim como nos registros do menu lateral, ao clicar em um marcador colorido, é possível ver todas as informações relacionadas ao acontecimento. Ou seja, é possível ver as coordenadas, a origem dos dados, a cidade, país, imagens, entre outros tipos de informações.

É o caso de um evento registrado em 1º de janeiro. Abaixo do título “01/01/2022 Russian military equipment moving in Belarus”, o usuário também encontra os links dos tweets que foram usados como fonte da informação. Em seguida, há uma breve descrição do acontecimento, o nível de violência e os registros de localização, como o país (Bielorrússia) e a cidade (Petrishki).

Mapa mostra detalhes de movimentações, imagens de satélites e afins do exército da Rússia dentro e nos arredores da Ucrânia (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)
Mapa mostra detalhes de movimentações, imagens de satélites e afins do exército da Rússia dentro e nos arredores da Ucrânia (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

Twitter baniu e restaurou perfis sobre ações militares

As informações disponíveis no mapa fazem parte de dados disponíveis abertamente na internet. Entre elas, estão publicações no Twitter que trazem relatos sobre ações militares do exército russo antes e durante a invasão à Ucrânia. A rede social, no entanto, baniu e depois restaurou algumas contas que compartilhavam ativamente essas informaçõessegundo o TechCrunch.

O caso foi informado por um pesquisador do Bellingcat nesta quarta-feira (23). “O melhor agregador de conteúdo gerado por usuário de Donbass nos últimos oito anos está sendo suspenso/bloqueado de sua conta”, disse Aric Toler. “Se alguém do Twitter estiver lendo isso, acene sua varinha mágica ou qualquer outra coisa para deixá-lo entrar novamente.”

Outros perfis também tiveram suas contas suspensas e depois reabilitadas em seguida. É o caso do analista de OSINT Oliver Alexander, que também compartilha informações de inteligência obtidas por fontes públicas:

“Estou de volta depois de ter sido bloqueado duas vezes em 24 horas. Primeira vez por um post desmascarando o ‘ataque frustrado de sabotagem/gás’ e a segunda vez por um post desmascarando o ‘ataque ucraniano à Rússia'”, relatou nesta quarta-feira (23). “O Twitter precisa fazer algo contra esses bloqueios.”

Em nota ao TechCrunch, o Twitter afirmou que está monitorando proativamente “as narrativas emergentes” que violam as suas políticas. Mas, neste caso, a rede social relata que tomou “medidas de fiscalização em várias contas erradas”. A companhia também disse que está “revisando rapidamente essas ações” e já restabeleceu “o acesso a várias contas afetadas”. 

Com informações: Boing Boing