Facebook Gaming quer ser Twitch, mas está repleto de pirataria e spam

Canais estranhos e táticas bizarras foram explorados no Facebook Gaming, deixando a plataforma em segundo lugar para lives de jogos

Felipe Vinha
Por

Uma extensa reportagem do Engadget discute como Facebook Gaming tem crescido nos últimos meses, mas sem ter um conteúdo autêntico ou até seguro. Na verdade, a plataforma de vídeos está repleta de vídeos que fingem ser streamings ao vivo, além de pirataria e spam, como também aponta o texto.

Facebook Gaming passa por problemas de conteúdo (Imagem: Reprodução)

A reportagem aponta que o serviço Streamlabs publicou um relatório onde aponta o Facebook Gaming como um grande competidor da Twitch, ficando em segundo lugar como serviço de lives, ultrapassando o YouTube Gaming. Cerca de 617 milhões de horas mensais teriam sido vistas na plataforma azul, o que levantou dúvida em muita gente.

O relatório do Streamlabs contém inconsistências, como o fato de alguns dos principais streamers do Facebook, como o jogador de futebol Neymar Jr., não aparecerem no ranking dos mais vistos do mesmo serviço. Uma breve observação e investigação indica que a maioria, ou uma grande parte, das páginas do Facebook Gaming está publicando vídeos pré-gravados, em vez de lives, além de conteúdo de origem duvidosa.

Investigação em andamento

Engadget resolveu fazer um teste e usar a ferramenta CrowdTangle, do próprio Facebook, para analisar a situação. Das 10 maiores transmissões, nove usavam táticas bizarras para manter audiência e atrair público. Algumas delas inseriam cenas de filmes no meio dos jogos, o que configura pirataria, de maneira aleatória.

O site verificou também que o maior criador de games da plataforma era uma página chamada AU. Um vídeo, publicado no início de fevereiro, chegou a ter 112 milhões de visualizações, com 22 minutos de duração. Chamado de “Cars vs Giant Crater”, o vídeo deveria ser uma transmissão de um simulador de veículos, mas seus primeiros 11 minutos usavam cenas de um filme chinês chamado Cook Up a Storm. Após os 11 minutos iniciais o clipe mudava automaticamente para o jogo.

Cars vs Giant Crater, do canal AU (Imagem: Reprodução/Engadget)

Assim, quem entrava na transmissão de início veria o filme. Mesmo que não se interesse por game a pessoa poderia continuar assistindo sem nenhum problema e entender o filme. Quando mudou para o jogo, ela já teria contribuído bastante para a visualização do canal, mesmo que saísse da página depois disso.

O grande problema é que essa não parece ser uma tática incomum ou exclusiva da página AU. Variações do mesmo clipe apareceram em outros canais, até mesmo com mais durações em horas, replicando a estratégia e ganhando ainda mais tempo de visualização. Curiosamente acontece sempre com filmes fora do circuito hollywoodiano, o que provavelmente torna a detecção de direitos autorais mais difícil para as plataformas e robôs.

O Engadget lembra ainda que publicar conteúdo geral com a tag de “game” no Facebook Gaming é contra as regras da plataforma, mas isso não parece estar sendo muito bem monitorado.

Isso sem falar em spam de conteúdo e páginas que cobram para liberar vídeos genéricos e estranhos. A página GGWP BROO cobra US$ 2 por mês de inscrição, supostamente liberando acesso a transmissão de jogos adultos, o que também vai contra as regras da plataforma. O que o usuário consegue, ao assinar, é a visualização de vídeos de TikTok de garotas dançando e o acesso a um grupo privado para troca de conteúdo.

O que o Facebook vai fazer?

De acordo com o Engadget, um porta-voz da Meta, empresa “mãe” do Facebook, disse que a companhia está trabalhando em melhores ferramentas, para detectar de forma mais adequada conteúdos que violem os termos de uso.

O representante disse ainda que o monitoramento é feito com um misto de análise humana e automática, mas que isso deve ser melhorado para também incrementar a experiência de quem usa o Facebook Gaming.

Com informações: Engadget.

Felipe Vinha

Ex-autor

Felipe Vinha é jornalista com formação técnica em Informática. Já cobriu grandes eventos relacionados a jogos, como a E3, BlizzCon e finais mundiais de League of Legends. Em 2021, ganhou o Prêmio Microinfluenciadores Digitais na categoria entretenimento. Foi autor no Tecnoblog entre 2020 e 2022, escrevendo principalmente sobre games e entretenimento. Passou pelos principais veículos do ramo, e também é apresentador especializado em cultura pop.

Relacionados

Relacionados