Início / Notícias / Finanças /

Pix bate novo recorde e chega a quase 60 milhões de transações em um dia

Além de número histórico de transferências, Pix supera cartões de débito e crédito e se torna o método de pagamento mais usado

Giovanni Santa Rosa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

O Pix não para de crescer, e dois marcos recentes mostram como as transferências instantâneas caíram no gosto do brasileiro. O recorde de transações em um mesmo dia foi batido mais uma vez nesta quarta-feira (6), com quase 60 milhões de transações registradas. Além disso, ele ultrapassou os cartões de débito e crédito no quarto trimestre de 2021, de acordo com dados do Banco Central.

Logotipo do Pix
Pix (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Na última quarta-feira (6), o Pix chegou bem perto de quebrar a barreira de 60 milhões de transações em um único dia. Foram 59.981.242 transferências liquidadas em 24 horas.

O número supera o recorde anterior, que não era tão antigo assim. Em 1º de abril de 2022, foram 57.877.688 transferências realizadas.

O novo recorde, no entanto, não foi suficiente para bater o maior volume financeiro movimentado em um único dia.

Em 20 de dezembro de 2021, o Pix foi responsável pelo total de R$ 36,8 bilhões em transferências. No dia 6 de abril de 2022, foram R$ 32,9 bilhões.

Pix supera cartões de crédito e débito

Outro dado importante para entender a dimensão do Pix é a fatia que ele conquistou nas modalidades de pagamento.

Nos dados do quarto trimestre de 2021 do Banco Central, as transferências instantâneas estão em primeiro lugar, representando 20,61% das transações.

Isso o coloca acima de cartões de débito e crédito. Os cartões de débito ficaram em segundo lugar, com 20,38%. Já os cartões de crédito estão em terceiro, com 19,73%.

O Pix teve um crescimento bem rápido. No terceiro trimestre, ele correspondia a 17,15% das transações.

Nesse mesmo período, cartões de débito e crédito tiveram quedas discretas. No trimestre anterior, eles respondiam por, respectivamente, 20,87% e 19,76%, números quase idênticos aos do último trimestre.

Quem parece estar cedendo muito espaço para o Pix é o boleto. Ele caiu de 13,42% para 11,81%.

Outras formas de pagamento também reduziram sua participação no total: débito direto, saques, TED, transferências intrabancárias, DOC e cheques tiveram percentuais menores.

Além do Pix, a única modalidade a crescer foi o cartão pré-pago, que saiu de 9,47% para 10,17%.

Com informações: Banco Central do Brasil, Poder360.