Notícias Negócios

Netflix registra 1ª queda de assinantes em 10 anos e culpa divisão de contas

Crescimento da concorrência e compartilhamento de senhas entre usuários da Netflix são os maiores ofensores do trimestre; ações caem 25% no after-market

Ana Marques
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

A Netflix divulgou, nesta terça-feira (19), o relatório financeiro para o primeiro trimestre de 2022. O resultado vem abaixo do esperado e revela a perda de 200 mil assinantes no período — trata-se da primeira queda em usuários pagantes que o serviço registra em uma década. Segundo a empresa, os maiores ofensores foram o compartilhamento de senhas entre usuários que dividem contas e o aumento da concorrência.

Netflix
Netflix (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Depois de anos de glória, a Netflix está vendo seu crescimento em receita desacelerar “consideravelmente”, como explica a companhia na carta a investidores. A empresa registrou US$ 7,87 bilhões, mas a previsão de Wall Street era de US$ 7,93 bilhões. No fim das contas, foi um crescimento de 10%. Já o lucro líquido teve queda de 6,4% em relação ao mesmo período de 2021, resultando em US$ 1,6 bilhão.

Vale lembrar que, no último trimestre, já estava em vigor o aumento de planos do serviço em mercados importantes, como os Estados Unidos e o Canadá, mas cerca de 600 mil assinantes deixaram a plataforma devido à alta nos preços.

Taxa para compartilhamento de contas

Segundo a empresa, apesar de ter uma alta penetração em domicílios, boa parte das famílias que assistem a conteúdos da Netflix ainda compartilham contas estando em residências diferentes. A estimativa é de que mais de 100 milhões de lares adicionais usem a Netflix sem pagar. Esse cenário, junto à concorrência, estaria “criando ventos contrários ao crescimento da receita”.

Tudo isso acontece após um período forte para a categoria como um todo, que era impulsionada pelas medidas de isolamento social — quando as pessoas encontravam no streaming uma das únicas opções de entretenimento em meio à pandemia.

Não à toa, a Netflix começou a testar em março uma taxa extra para usuários que dividem suas senhas com outras pessoas. A medida gerou polêmica entre usuários, e até mesmo o Procon-SP entrou na história, pedindo explicações à empresa sobre como seriam os parâmetros usados para identificar o compartilhamento de contas.

Outra opção cogitada para melhorar os resultados financeiros é a adição de anúncios à plataforma. O CFO Spencer Neumann disse que a inclusão de propagandas não ocorrerá de imediato, mas que essa não é uma ideia descartada.

Netflix prevê perda de 2 milhões para o 2º trimestre

Os sinais de desaceleração já eram visíveis no início do ano, durante a apresentação dos resultados do último trimeste de 2021 — entretanto, na ocasião, a Netflix manteve o tom otimista, projetando 2,5 milhões de novos assinantes para o primeiro tri de 2022. Agora, o cenário é diferente: a empresa acredita que pode perder até 2 milhões de assinantes no segundo semestre.

Além dos motivos citados anteriormente, a guerra na Ucrânia também teve impacto no resultado apresentado hoje, e deve continuar afetando a plataforma nos próximos meses: a Netflix perdeu 700 mil assinantes ao suspender seus serviços na Rússia, como parte das sanções aplicadas ao país invasor.

Com o anúncio desta terça, as ações da Netflix caíram até 25% na Nasdaq (NY) após o fechamento do mercado. Outras empresas que prestam serviço de streaming também tiveram queda, incluindo Disney, Spotify e Roku, como reporta a CNBC.

Ana Marques

Editora-assistente

Ana Marques é jornalista e trabalha com tecnologia há 6 anos. Formada pela UFRJ, já passou pelo TechTudo (Globo) e pelo hub de conteúdo do Zoom, onde cobriu eventos nacionais e internacionais, analisando celulares, fones e outros eletrônicos. Em 2019, iniciou a coluna semanal "Vida Digital" no site da revista Seleções (Reader's Digest). Antes disso tudo, cursou Farmácia e fundou uma banda de rock.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque