Início / Notícias / Negócios /

Amazon: vendas do e-commerce desapontam, mas computação continua em alta

Balanço do primeiro trimestre de 2022 traz prejuízo, números do varejo abaixo do esperado e AWS como única divisão que dá lucro

Giovanni Santa Rosa

Por

Notícia
Achados do TB Achados do TB

As melhores ofertas,
sem rabo preso 💰

A Amazon divulgou seus resultados financeiros nesta quinta-feira (28) e desapontou os investidores. As receitas totais e os lucros por ação ficaram abaixo do esperado por analistas de mercado. Apesar do prejuízo da companhia, o setor de computação, representado pela divisão Amazon Web Services, teve forte crescimento.

Embalagem da Amazon (imagem: divulgação/Amazon)
Embalagem da Amazon (imagem: divulgação/Amazon)

A Amazon teve receita de US$ 116,4 bilhões no trimestre encerrado em 31 de março de 2022. O número ficou levemente abaixo das estimativas do mercado, que eram de US$ 116,43 bilhões, segundo a Bloomberg.

Prejuízo em tudo, menos na AWS

A Amazon teve resultado negativo no período, o primeiro em quatro anos. O prejuízo por ação foi de US$ 7,56, enquanto a expectativa era de lucro de US$ 8,40. Ao todo, as perdas foram de US$ 3,8 bilhões.

A situação seria pior não fosse pelo bom resultado da AWS, que fornece computação na nuvem para muitas empresas.

A divisão teve US$ 18,4 bilhões de receita, um pouco acima das projeções de mercado, que eram de US$ 18,3 bilhões, segundo a Visible Alpha. Mais do que isso, ela teve um crescimento de 37% em relação ao mesmo período do ano passado.

A Amazon diz que os números positivos da AWS vieram de novos contratos dos setores de telecomunicações, esportes, tecnologia, saúde e indústria aeroespacial. A divisão foi a única a reportar lucro operacional no trimestre.

Isso não chega a ser uma novidade: os negócios da companhia em computação na nuvem têm margens de lucro muito maiores que o e-commerce. No ano fiscal de 2021, a AWS respondeu por somente 12,5% das despesas, mas teve um peso de 63,3% no lucro.

Guerra e inflação preocupam Amazon

O setor de varejo não teve apenas resultados abaixo do esperado — seu crescimento também foi desapontante. A variação foi de 7%, contra 44% no ano anterior. É a pior taxa em mais de duas décadas.

Na conferência com investidores, o CEO Andy Jassy apontou a pandemia e a guerra na Ucrânia como fontes de crescimento e também de desafios. O executivo também mencionou as pressões na cadeia de suplementos e a alta da inflação como obstáculos para a Amazon.

Com informações: Yahoo!, CNBC, Investopedia.