Pix bate recorde de 73 milhões de transações pouco antes do Dia das Mães

Em 6 de maio, Pix registrou os maiores números até hoje tanto em quantidade de transações quanto em valores liquidados em apenas um dia

Murilo Tunholi
Por

A popularidade do Pix continua crescente no Brasil. Na última sexta-feira, 6 de maio, o Banco Central registrou mais um recorde de transações pelo sistema: foram mais de 73 milhões de movimentações financeiras realizadas pouco antes do Dia das Mães. Além disso, os valores liquidados nessa data ultrapassaram a marca histórica de R$ 42,1 bilhões.

Logotipo do Pix no celular
Pix (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Em números exatos, foram realizadas 73.267.156 transações via Pix em um único dia. Essa é a maior quantidade de movimentações registrada pelo Banco Central desde a estreia do sistema, em 16 de novembro de 2020. O recorde anterior de Pix liquidados em 24 horas era de 62.659.802 — alcançado no dia 5 de maio de 2022.

Além de registrar a maior quantidade de transações até hoje, o Pix também alcançou sua maior marca de valores movimentados em um dia. Foram cerca de R$ 42.151.140.000 liquidados no dia 6 de maio. Antes, a maior quantia era de R$ 39.690.580.000, registrada em 2 de maio de 2022.

Em relação aos recordes diários anteriores, o Pix cresceu 14,5% no número de transações e 5,8% nos valores liquidados. Esses picos de movimentações financeiras aconteceram pouco antes do Dia das Mães, uma das datas mais importantes para o comércio brasileiro, comemorada no segundo domingo de maio.

Pix tem mais de 438 milhões de chaves cadastradas

O Pix tem se tornado cada vez mais comum na vida dos brasileiros. Segundo dados divulgados pelo Banco Central, as transferências instantâneas superaram os cartões de crédito e débito, no último trimestre de 2021. Enquanto isso, a preferência por pagamentos via boleto estão caindo bem rápido.

A quantidade de chaves Pix ativas cresce de forma contínua desde novembro de 2020. No final de abril deste ano, havia 438.476.845 de chaves cadastradas no sistema do Banco Central, segundo dados oficiais do órgão. No Brasil, as chaves mais populares são as aleatórias, seguidas do CPF, número do celular, e-mail e CNPJ.

Todos os dados presentes neste texto são fornecidos pelo Sistema de Pagamentos Instantâneos (SPI) e estão disponíveis no site do Banco Central.

Relacionados

Relacionados