Notícias Negócios

Amazon pode ficar sem trabalhadores para contratar nos EUA até 2024

Relatório interno da empresa vaza e revela que armazéns correm risco de não ter empregados suficientes para dar conta de entregas rápidas

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Com um volume enorme de vendas, armazéns gigantescos e prazos curtíssimos, a Amazon precisa de muita gente trabalhando para que tudo saia como o esperado. E isso pode se tornar um problema daqui a alguns anos. Em um relatório interno que vazou, a empresa diz que pode não ter quem contratar nos EUA em 2024.

Pacote da Amazon. (Imagem: Wicked Monday/Unsplash)
Pacote da Amazon (Imagem: Wicked Monday/Unsplash)

“Se continuarmos tocando os negócios como sempre, a Amazon esgotará a oferta de trabalho disponível na rede dos EUA em 2024”, diz a pesquisa obtida pelo Recode.

A Amazon calculou os trabalhadores disponíveis para cada um de seus armazéns. Para isso, tomou como base nível de salários na região e distância entre os domicílios e as instalações da empresa, entre outras características.

Ou seja: a empresa não está falando de toda a população adulta dos EUA, só a fração que poderia ser contratada por ela.

O documento foi feito em meados de 2021. Ele estimava que a força de trabalho disponível na área metropolitana de Phoenix, no estado do Arizona, estaria esgotada no fim de 2021.

No caso da região de Inland Empire, 100 km a leste de Los Angeles, na Califórnia, a situação aconteceria no fim de 2022.

Outras regiões de risco seriam Memphis, no Tennessee, e Wilmington, em Delaware.

Este mesmo modelo 94% preciso ao identificar regiões dos EUA onde a empresa tinha trabalhadores a menos do que o necessário para o Prime Day de junho de 2021.

Salários, automação, retenção: as saídas para a Amazon

O relatório não traz uma solução única para o problema. Em vez disso, várias medidas podem ajudar a mitigar a falta de trabalhadores. Cada uma delas, porém, tem seus desafios e obstáculos.

Subir os salários é um exemplo. Isso faria a empresa gastar mais com pessoal, obrigando-a a cortar gastos em outras áreas, o que pode desagradar acionistas.

Investir em automação diminui a necessidade de contratar, mas pode causar a ira dos críticos, preocupados com os empregos. A Amazon é a segunda maior contratante privada dos EUA.

Melhorar a retenção de empregados ajuda, mas seria necessário reduzir o rigor com o monitoramento de desempenho e produtividade. Essas políticas, porém, foram essenciais no sucesso da empresa até agora.

A Amazon, de um jeito ou de outro, vai ter que se mexer. Como comenta a Recode, a empresa valoriza a “obsessão dos consumidores” acima de tudo. Para isso, ela promete muito, como entregas rápidas. Só que não é possível cumprir essas promessas se não houver gente suficiente trabalhando.

Com informações: Recode.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque