Notícias Computador

Apple M2 supera AMD Ryzen 7 em games, mas CPU fica abaixo das expectativas

Segundo testes recentes, o M2, nova geração de chips da Apple, supera concorrentes na GPU, mas não surpreende no desempenho da CPU

Bruno Ignacio
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Anunciado há cerca um mês, o novo chip M2 da Apple promete um ótimo desempenho gráfico. Desde seu lançamento oficial, o processador já passou por uma série de testes e benchmarking. Em comparação como o Ryzen 7 6800U, um dos principais concorrentes, o chip M2 surpreendeu na performance em jogos. Mas há um porém: o desempenho da CPU ficou abaixo das expectativas.

Novo chip Apple M2 (Imagem: Divulgação/ Apple)

Os testes de desempenho mais recentes foram realizados pelo canal do YouTube HardwareUnboxed. Em poucas palavras, o novo Apple M2 surpreende na performance gráfica, superando o Ryzen 7 6800U, mas apresentou resultados medianos no benchmarking de CPU.

M2 surpreende no desempenho em jogos

A comparação foi realizada ao rodar o game Shadow of the Tomb Raider, consideravelmente pesado. Em uma máquina Apple, o chip M2 apresentou uma performance acima do esperado. Na geração anterior, o Apple M1 só conseguia rodar o jogo nas configurações baixas, enquanto o novo processador não teve problemas em lidar com as definições gráficas mais altas.

Colocado contra o AMD Ryzen 7 6800U com o RDNA 2 iGPU, o Apple M2 superou em até 10% a performance média durante a sessão de gameplay. Ambos os chips rodaram Shadow of the Tomb Raider nas mesmas configurações gráficas. O M2 teve uma média de 28 quadros por segundo (fps) a uma resolução de 1200p, enquanto o Ryzen 7 da AMD atingiu o máximo de 25 fps.

Já nas configurações médias e baixas, o M2 seguiu na frente, com uma média de 33 fps versus 30 fps registrados no teste do Ryzen 7. A comparação também demonstrou que o processador da Apple faz tudo isso gastando cerca de 48% menos energia que seu concorrente.

Shadow of the Tomb Raider (Imagem: Divulgação/Eidos Montréal/Square Enix)
Shadow of the Tomb Raider (Imagem: Divulgação/Eidos Montréal/Square Enix)

Durante o evento WWDC de 2022 da Apple, o CEO da empresa, Tim Cook, afirmou que o novo chip M2 representa uma “nova era” para jogos nos MacBooks. Nessa estratégia, jogos populares que já foram lançados há alguns anos para Windows, como No Man’s Sky e Resident Evil Village, devem chegar ao Mac ainda neste ano.

Com a performance gráfica do M2, a Apple espera realmente se posicionar no mercado de games, mas isso ainda é algo incerto. Afinal, mesmo com o desempenho para jogos surpreendendo nos testes, a disponibilidade de títulos disponíveis para MacOS ainda é muito restrita.

Performance da CPU fica abaixo das expectativas

Para além do desempenho gráfico, que supera concorrentes como o Ryzen 7, o chip Apple M2 não entrega tanta potência quanto o esperado no processamento. Em todos os outros benchmarks de CPU, o M2 foi superado pelo Alder Lake da Intel e pelos chips da série 6000 da Ryzen.

Por exemplo, o Intel i7 e o i9 de 12ª geração superaram o M2 nos testes multi-thread do Cinebench. O Ryzen 7 6800U também teve um desempenho melhor e até consumiu menos energia do que o M2.

O novo chip da Apple teve um desempenho melhor que o Ryzen 7 em testes de núcleo único, mas os Alder Lake da Intel foram os mais rápidos. Segundo a Apple, o M2 tem um aumento de 25% no poder de processamento em relação ao M1, com um aumento de 18% no desempenho multi-core. Esses testes, no entanto, questionam as alegações da Apple.

Parte do problema pode estar relacionado ao fato da Apple ainda usar o mesmo processador de 5 nm do chip M1. Esperava-se que o M2 fosse um novo chip de 3 nm, mas dificuldades de fornecimento e bloqueios na China interromperam a produção. De qualquer maneira, o M2 ainda oferece um excelente desempenho em jogos, apesar de ser um pouco mais lento no processamento. Mas será que vale o preço?

Com informações: Digital Trends

Bruno Ignacio

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque