Notícias Internet

Facebook muda feed para reduzir a distribuição de conteúdo político

Meta faz testes para diminuir a aparição de publicações sobre política no feed do Facebook; alteração já foi implementada no Brasil

Bruno Gall De Blasi
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Meta vem adotando algumas mudanças para reduzir a distribuição de conteúdo político no Facebook desde o ano passado. Agora, novos passos foram dados, depois que a companhia anunciou mais uma alteração no algoritmo do feed de notícias. A novidade, implementada após uma bateria de testes, irá afetar usuários do Brasil. 

Facebook: feed é alterado para reduzir a distribuição de conteúdo político (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)
Facebook: feed é alterado para reduzir a distribuição de conteúdo político (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A medida faz parte de uma ação iniciada em fevereiro de 2021. Naquela época, o CEO Mark Zuckerberg, ressaltou que “as pessoas não querem que conteúdo político prevaleça em seus feeds de notícias”, conforme informado em um comunicado à imprensa. Assim, a companhia passou a aplicar esforços para atender aos pedidos. 

“Nosso primeiro passo será reduzir temporariamente a distribuição de conteúdo político no feed de notícias para uma pequena porcentagem de pessoas no Canadá, Brasil e Indonésia nesta semana, e nos Estados Unidos nas próximas semanas”, afirmaram na época. A medida tinha como objetivo avaliar as diferentes maneiras para classificar o conteúdo político no feed das pessoas. 

De lá para cá, várias medidas foram implementadas. Até que, em 24 de maio de 2022, a rede social revelou um novo experimento: reduzir o peso de comentários e compartilhamentos para distribuição de conteúdo político no ranqueamento do algoritmo. A este respeito, os usuários que testaram a intervenção disseram que “viram menos conteúdos em seus feeds que não consideravam valiosos”.

Os testes foram expandidos globalmente. Mas, no Brasil, esta mudança já se tornou realidade a todos: nesta quinta-feira (7), a controladora da plataforma afirmou que passará a dar “menos ênfase a comentários e compartilhamentos para determinar a distribuição de conteúdo político no Facebook no país”. A medida já está em ação. 

A Meta não entrou em muitos detalhes. Mas, ao Poder360, a companhia informou que outros valores serão analisados na hora de distribuir um conteúdo político: “quem postou o conteúdo e quando; se você já interagiu com aquela pessoa, página ou grupo no passado; e se o post é uma foto, vídeo ou link, entre muitos outros”.

"As pessoas não querem que conteúdo político prevaleça em seus feeds de notícias", diz Meta (Imagem: Joshua Hoehne/Unsplash)
“As pessoas não querem que conteúdo político prevaleça em seus feeds de notícias”, diz Meta (Imagem: Joshua Hoehne/Unsplash)

Meta reduziu a distribuição de conteúdo político no feed

A ação é fruto de um esforço para reduzir a quantidade de conteúdos políticos. Mas note que o foco está ligado à diminuição da distribuição, e não à proibição. Não à toa, a própria Meta disse no ano passado que não está removendo essas informações.

“Nosso objetivo é preservar a capacidade das pessoas de encontrar e interagir com conteúdo político no Facebook, respeitando o interesse de cada uma delas sobre o que desejam ver no topo de seu Feed de Notícias”, afirmaram em fevereiro de 2021.

E toda essa preocupação tem uma explicação por trás. Segundo a controladora com base em suas análises nos Estados Unidos, “o conteúdo político representa apenas 6% do que as pessoas veem no Facebook”. Mas, ainda que a proporção seja pequena e o feed seja personalizado, a rede social sabe que “mesmo uma pequena porcentagem de conteúdo político pode impactar a experiência de alguém de forma geral”.

Facebook realiza testes para reduzir conteúdo político desde fevereiro de 2021 (Imagem: Brett Jordan/Unsplash)
Facebook realiza testes para reduzir conteúdo político desde fevereiro de 2021 (Imagem: Brett Jordan/Unsplash)

Testes do Facebook alcançaram novos ares desde 2021

Após o anúncio, a Meta atualizou a publicação com novas informações sobre o processo. Em 21 de agosto de 2021, por exemplo, a empresa afirmou que viu resultados positivos durante o primeiro experimento anunciado em fevereiro. E, por isso, decidiram expandi-lo a outros países: Costa Rica, Espanha, Irlanda e Suécia.

“Também identificamos que alguns sinais de engagamento podem indicar melhor quais posts as pessoas consideram mais valiosos que os outros”, afirmaram na época. “Com base nesse feedback, estamos gradualmente expandindo alguns testes para colocar menos ênfase em sinais como qual a probabilidade de alguém comentar ou compartilhar um conteúdo político.”

Na ocasião, a rede social afirmou que deu mais ênfase em “novos sinais sobre qual a probabilidade de as pessoas fornecerem feedback negativo a posts sobre tópicos políticos e eventos da atualidade quando definimos o ranking desses tipos de conteúdo no feed”. A empresa ainda ressaltou que ” essas mudanças irão afetar conteúdos sobre assuntos públicos mais amplamente e que publishers podem ver um impacto em seu tráfego”.

O experimento continuou a ser expandido a outros países em 13 de outubro. Depois, em 9 de dezembro, os testes no ranking de conteúdo político foram levados ao Facebook Watch. Até que, em 24 de maio, a rede social passou a verificar os impactos ao reduzir o peso de comentários e compartilhamentos para distribuição de conteúdo político, alteração que foi implementada no Brasil nesta quinta-feira (7).

Com informações: Meta (Newsroom)

Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Entrou para o Tecnoblog em 2020 e também escreveu para o TechTudo e iHelpBR.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque