Notícias Brasil

Apple, Amazon, Google e Microsoft usaram ouro ilegal do Brasil, diz reportagem

Chimet e Marsam, investigadas por compra de ouro extraído ilegalmente de terras indígenas, estão em listas de fornecedores de gigantes da tecnologia

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Apple, Amazon, Google e Microsoft podem ter usado ouro extraído ilegalmente de terras indígenas. Em documentos exigidos nos EUA, as quatro empresas listaram como fornecedoras as refinadoras Chimet e Marsam. Ambas são alvos de investigações por autoridades brasileiras. As informações são do site Repórter Brasil.

iPhone 13 Pro Max (Imagem: Ehimetalor Akhere Unuabona/Unsplash)
iPhone 13 Pro Max (Imagem: Ehimetalor Akhere Unuabona/Unsplash)

A Chimet é italiana, e é investigada pela Polícia Federal por receber ouro extraído de garimpos clandestinos da Terra Indígena Kayapó. A Marsam é brasileira, e sua fornecedora é acusada de provocar danos ambientais ao comprar ouro ilegal.

Exigências legais

Apple, Amazon, Google e Microsoft são obrigados a enviar à SEC (autoridade responsável por regular o mercado financeiro dos EUA) a lista de fornecedores de ouro, estanho, tungstênio e tântalo.

Esta é uma exigência de uma lei aprovada em 2010. A regra foi criada em resposta à guerra civil na República Democrática do Congo. A exploração mineral financia grupos armados no país.

Chimet e Marsam constam nos documentos enviados por Apple, Amazon, Google e Microsoft, entre centenas de companhias. A Repórter Brasil teve acesso aos documentos de 2020 e 2021, mas relatórios anteriores também incluíam as duas entre as fontes de ouro das big techs.

Certificação

As duas refinadoras são certificadas por organizações internacionais. A inglesa LBMA, que certificou a Chimet, disse estar ciente das investigações da Polícia Federal, mas acrescentou que seus auditores não encontraram falhas no fornecimento ou nas respostas às acusações.

A RMI, que certifica a Marsam, disse ter entrado em contato com a refinadora brasileira e pedido correções. Caso ela não apresente um plano de ação dentro do prazo estipulado, será removida da lista de conformidade, promete a associação.

Tanto LBMA quanto RMI não consideram o Brasil uma área de risco. Apesar disso, a extração ilegal de ouro na Amazônia está ligada ao desmatamento, à contaminação dos rios por mercúrio, ao crime organizado e a ataques contra indígenas.

Das quatro big techs mencionadas na reportagem, só a Apple respondeu aos pedidos da Repórter Brasil para comentar o assunto. A companhia diz que seus padrões de fornecimento “proíbem estritamente o uso de minerais extraídos ilegalmente”. Ela removeu a Marsam da lista de fornecedores, mas manteve a Chimet.

Com informações: Repórter Brasil.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque