Notícias Telecomunicações

TIM vê salto de 34% em linhas móveis, mas lucro líquido cai 54%

Chegada de clientes da Oi Móvel, que gastam menos, e pressões da inflação aumentam custos da TIM e impactam lucro da empresa

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

A TIM Brasil divulgou seus resultados financeiros para o segundo trimestre de 2022. O lucro líquido teve uma queda de 54,1%, passando de R$ 681 milhões no período abril a junho de 2021 para R$ 313 milhões no mesmo intervalo de 2022. O resultado foi marcado pela chegada dos clientes da Oi Móvel e por forte alta nos custos operacionais.

Celular com logo da TIM
TIM Celular (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Sobre esse último aspecto, a empresa destaca o impacto dos índices inflacionários e da compra da Oi Móvel. O reajuste dos salários e benefícios dos funcionários e o aumento na participação nos resultados representaram uma alta de 13,5% nos gastos com pessoal, na comparação ano a ano.

Os custos e despesas operacionais normalizados tiveram alta de 25% em relação ao segundo trimestre de 2021, passando de R$ 2,306 bilhões para R$ 2,882 bilhões.

A TIM diz que o recuo nos lucros era esperado, pelas despesas relacionadas à acomodação dos ativos móveis da Oi.

A companhia destaca o crescimento do Ebitda — lucro antes de juros, impostos, depreciação e amortização, que reflete as atividades operacionais da empresa. Essa métrica teve um crescimento de 18,3%.

TIM – Resultados financeiros do 2º trimestre de 2022

Confira os principais indicadores do balanço da TIM Brasil do segundo trimestre de 2022 e a comparação com o mesmo período do ano anterior:

Indicador2º trimestre 20222º trimestre 2021Diferença
Receita líquidaR$ 5,368 bilhõesR$ 4,407 bilhões+21,8%
Lucro líquido normalizadoR$ 313 milhõesR$ 681 milhões-54,1%
Custo normalizado de operaçãoR$ 2,882 bilhõesR$ 2,306 bilhões+25%
Capex normalizado (investimentos)R$ 1,05 bilhãoR$ 906 milhões+15,9%
Total de linhas móveis (clientes)68,695 milhões51,341 milhões+33,8%

Clientes da Oi Móvel gastam menos

A chegada dos clientes da Oi Móvel foi responsável por um salto enorme na base móvel de clientes da TIM. No segundo trimestre de 2021, eram 51,341 milhões; agora, são 68,695 milhões, um crescimento de 33,8%.

Isso provocou um forte aumento nas receitas líquidas: elas tiveram um aumento de 21,8%, saindo de R$ 4,407 bilhões no segundo semestre de 2021 para R$ 5,368 bilhões no segundo semestre de 2022.

No serviço móvel, essa alta foi de 23%, passando de R$ 3,983 bilhões para R$ 4,899 bilhões.

Basta olhar esses números para verificar que o aumento no número de clientes não foi acompanhado pelo crescimento da receita. Por isso, a empresa também destaca o crescimento de alguns números desconsiderando a aquisição e seus efeitos.

Sem os clientes da antiga concorrente, o crescimento na receita do serviço móvel seria de 12,6% em comparação com o ano anterior. A TIM diz que esta é a maior alta nos últimos 10 anos.

Os efeitos dos clientes da Oi Móvel nas contas da TIM também são bastante evidentes ao analisar a receita média por usuário (ARPU) do serviço móvel. No comunicado, a empresa diz que a chegada dos acessos dos novos consumidores diluiu a métrica tanto no pós-pago quanto no pré-pago.

Nos indicadores operacionais, a ARPU no serviço móvel ficou praticamente estável, com R$ 25,80 mensais.

Deixando de lado o efeito dos clientes da Oi, o crescimento do ARPU no móvel foi de 10,7% em relação ao mesmo trimestre de 2021. O valor fica em R$ 28,50 mensais.

Ou seja: os consumidores da Oi gastam, em média, menos que os que já estavam na TIM.

TIM Live cresce em clientes e receita

Os serviços fixos da TIM representam uma parte pequena dos negócios da empresa. A receita deles foi de R$ 303 milhões no segundo trimestre de 2022, 7,1% a mais que no mesmo período do ano anterior. Destes, R$ 197 milhões correspondem ao TIM Live, uma alta de 10%.

O TIM Live também cresceu em número de clientes. Agora, são 479 milhões, 4,9% a mais que no segundo trimestre de 2021. Já a base de clientes de telefonia fixa teve uma queda de 8,6%, passando de 837 milhões para 764 milhões.

C6 Bank e health tech

A TIM também destacou que possui uma participação indireta acumulada de 5,16% no capital do C6 Bank. A operadora e o banco têm uma parceria desde 2020, com descontos nos serviços de telefonia e internet para quem é correntista do banco. Quando algumas metas são batidas, a TIM recebe bônus de subscrição do C6 Bank.

Nos planos para o segundo semestre de 2022, a TIM diz estar negociando com um parceiro de healthtech para sua plataforma de clientes.

Com informações: TIM Brasil.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque