Notícias Negócios

Apple queria cobrar comissão de anúncios vendidos pela Meta no Facebook

Empresas discutiram porque Apple considerava que pagamento para impulsionar posts no Facebook era uma transação no app, sujeita à taxação

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Uma das maiores brigas no mundo da tecnologia é a cobrança de comissão feita pela Apple dos aplicativos que usam sua loja. A situação, porém, não é nova. A fabricante do iPhone já quis ficar com 30% do valor que os usuários pagavam à Meta para fazer propagandas no Facebook.

Logotipo da Apple
Apple (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A informação veio à tona em uma reportagem do jornal The Wall Street Journal, e as discussões aconteceram entre 2016 e 2018. As vendas em questão eram de impulsionamento de posts — valor pago para que uma publicação apareça para mais usuários.

A Apple argumentava que as contratações feitas em seus aparelhos configuravam transações dentro do app, o que permitiria a ela ficar com uma parte deste dinheiro. A Meta, controladora do Facebook, dizia que eram anúncios, o que os isentava de cobrança. Aparentemente, o entendimento da Meta prevaleceu.

Outra tentativa de ganhar dinheiro usando o app do Facebook foi uma proposta para vender assinaturas para quem quisesse usar a rede social sem ver propaganda. A Apple também fica com uma porcentagem desse dinheiro. As duas empresas não chegaram a um acordo.

Dona do Tumblr também foi cobrada

Após a publicação da reportagem do WSJ, outra empresa revelou que a Apple quis ficar com uma fatia do dinheiro ganho com um serviço semelhante.

Matt Mullenweg, CEO da Automattic, dona do Tumblr, revelou no Twitter que a fabricante do iPhone não aprovou o Blaze, recurso da rede social para impulsionar publicações. A saída foi adicionar a ferramenta como uma compra dentro do app e pagar os 30% para a dona da App Store.

Apple prejudicou negócio de publicidade do Facebook

Uma ironia adicional nessa história é que, nos últimos anos, a Apple adotou uma série de políticas voltadas para a privacidade. Um dos grandes prejudicados nesta história foi justamente a Meta, dona do Facebook.

O iOS 14.5, liberado em 2021, pede consentimento explícito do usuário para compartilhar sua ID de anúncios com os desenvolvedores. A Meta estima ter perdido US$ 10 bilhões em receitas no ano passado por causa dessa ferramenta.

Com informações: The Verge.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque