Notícias Inteligência Artificial

DeepMind leva inteligência artificial para jogar futebol

Corpos virtuais aprendem a jogar futebol usando dados de motion capture de humanos; mesmo sem formar craques, treinamento vai ser útil para robôs de verdade

Giovanni Santa Rosa
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Inteligências artificiais já provaram ser muito boas em jogos de tabuleiro, como xadrez e Go. E esportes que usam o corpo todo? A DeepMind está tentando ensinar um algoritmo a jogar futebol. A tarefa, como você pode imaginar, não é nada fácil, mas vai ser útil para robôs no futuro.

Futebol
Futebol (Imagem: Jannes Glas / Unsplash)

O trabalho da DeepMind — que é uma subsidiária da Alphabet, assim como o Google — envolveu criar modelos de jogadores humanoides com 56 pontos de articulação e restrições de movimento.

A escolinha virtual

O primeiro passo foi ensiná-los o básico do movimento humano: ficar de pé, andar e correr. Pode parecer simples para a gente, mas para um monte de código que era sedentário até então, isso tudo é novidade.

Usando dados de motion capture, os humanoides começaram a limitar seus movimentos que, até então, eram aleatórios e improdutivos. O treinamento envolveu também uma população enorme destas inteligências, que eram recompensadas ao fazer os movimentos certos.

A segunda fase foi imitar jogadas individuais, como conduzir a bola e chutar. Isso foi feito também por aprendizagem e recompensa. Os melhores movimentos eram consolidados, e as melhores inteligências passavam a ensinar as demais.

A terceira e última fase envolvia jogadas em grupo, como passar a bola e bloquear o adversário. O ponto era antever consequências das suas próprias jogadas. Mais uma vez, foi usada a aprendizagem com recompensa, mas, dessa vez, nas partidas em si. Cada vez que um time fazia um gol, todos os jogadores daquela equipe eram recompensados.

Alguma coisa parecida com futebol

O futebol praticado pelas inteligências artificiais é bem simplificado. É um jogo entre duplas, sem goleiro, sem faltas, com bloqueios invisíveis para a bola não sair pelas linhas laterais e de fundo. E claro, nada de impedimento ou VAR.

O jogo também é feio. As inteligências mal param em pé e estão toda hora se trombando enquanto disputam a bola. Mesmo assim, os humanoides conseguiram aprender algumas coisas interessantes.

No vídeo divulgado pela DeepMind com melhores momentos das partidas, um jogador dá um drible seco com a parte de fora do pé e se livra dos dois adversários.

YouTube video

Em outro lance, a inteligência artificial percebe que está prestes a perder a bola e deixa de tentar dominá-la, se concentrando em bloquear o adversário enquanto seu companheiro de time chega.

Também tem movimentações sem bola para ficar com sobras de divididas, lançamentos altos para encobrir a defesa e passes em profundidade para armar contra-ataques.

O objetivo, porém, não é criar um Messi ou um Cristiano Ronaldo artificial para o próximo jogo da EA ou da Konami.

Craques no mundo real

Segundo Nicolas Heess, pesquisador científico da DeepMind e um dos co-autores do estudo, a meta é aproveitar as habilidades de baixa complexidade que os agentes aprenderam e usá-las em robôs físicos, para que eles se mexam de maneiras mais seguras e naturais no mundo real.

Além disso, todo o trabalho de treinamento não-estruturado de aprendizagem por reforçamento poderia danificar as máquinas ou desperdiçar energia. Então, é melhor levar as inteligências delas para a escolinha de futebol antes de instalar em um monte de metal e plástico.

Com informações: TheNextWeb, Wired.

Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque