Chaos é um malware que causa caos ao infectar Windows, Linux e roteadores

Malware Chaos pode atacar Windows, Linux e até roteadores para executar ataques DDoS ou minerar criptomoedas

Emerson Alecrim
Por

Normalmente, um malware é desenvolvido para atacar um único sistema operacional. Mas o Chaos é diferente. A ameaça é multiplataforma, pois pode infectar máquinas Windows e Linux para iniciar ataques DDoS ou minerar criptomoeda. Na verdade, ela ataca até roteadores. Como o nome sugere, estamos diante de uma praga “caótica”.

Chaos infecta Windows e Linux (imagem ilustrativa: Elchinator/Pixabay)
Chaos infecta Windows e Linux (imagem ilustrativa: Elchinator/Pixabay)

O nome Chaos foi dado pela Black Lotus, divisão de pesquisa da empresa de segurança digital Lumen. Não é só porque o malware toca o terror. A palavra “chaos” aparece em vários arquivos e funções que compõem a praga.

Mas a pergunta que fica no ar é: como esse invasor consegue atacar tantos equipamentos?

O modus operandi do Chaos

Para começar, o Chaos foi desenvolvido em linguagem Go e é compatível com várias arquiteturas. x86, AMD64, Mips e ARMv8 estão entre elas. E, como você já sabe, o malware pode atacar sistemas Windows e Linux.

Além disso, a praga se baseia em duas estratégias para se propagar. Uma consiste em explorar falhas não corrigidas em softwares. A outra, em acessar sistemas via SSH por meio de chaves roubadas ou descobertas via força bruta.

Tem mais. Depois de contaminar um dispositivo, o Chaos tenta infectar outros equipamentos que estiverem conectados à mesma rede.

Essa combinação de fatores permite que a ameaça comprometa não só PCs, mas também roteadores e servidores. A praga foi encontrada até em máquinas que rodam o FreeBSD.

Instaurando o caos

O objetivo do Chaos é montar uma botnet, isto é, uma rede de dispositivos “escravizados” para executar tarefas específicas. De acordo com a Black Lotus, o malware cria uma espécie de shell reverso para permitir que seus criadores se conectem à máquina afetada a qualquer momento para enviar ordens.

A partir daí, a botnet formada pelo Chaos pode ser usada para efetuar ataques DDoS (negação de serviço) ou minerar criptomoeda. Outra ações também podem ser executadas, mas essas são as principais.

Chaos ataca a partir de falhas (imagem ilustrativa: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Chaos ataca a partir de falhas (imagem ilustrativa: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Se funciona? Desde abril, quando a ação do malware foi identificada pela primeira vez, a Black Lotus detectou centenas de endereços IPs associados a dispositivos contaminados.

Os pesquisadores da empresa também descobriram que a botnet tem várias organizações entre seus alvos. Ataques DDoS executados com o Chaos foram identificados contra companhias de jogos, mídia e serviços financeiros, por exemplo. Até uma corretora de criptomoedas chegou a ser atacada.

A maioria dos dispositivos contaminados está baseada na Europa, explica a Black Lotus. Mas máquinas comprometidas foram identificadas em quase todo o mundo. Esse aspecto deixa claro que a atuação do Chaos não deve ser menosprezada.

Não está claro se existe um grupo conhecido por trás do malware. Sabe-se, porém, que a sua infraestrutura de comando está baseada na China.

Sucessor do malware Kaiji?

O Chaos tem um poder de estrago enorme, mas não por mérito próprio. A Black Lotus encontrou indícios de que a praga utiliza recursos de outro malware, o Kaiji. Este último foi descoberto em 2020, alvejava servidores com Linux e infectava essas máquinas com força bruta em SSH.

Como sempre, o melhor remédio é a prevenção. Cuidados triviais são um bom começo, como usar senhas fortes, manter o sistema operacional atualizado e instalar os firmwares mais recentes de roteadores.

Relacionados

Relacionados