Apple pode adotar escaneamento de íris em headset VR para facilitar autenticações

Segundo alguns rumores, dispositivo pode chegar ao mercado já em 2023; analistas especulam que preço do gadget pode chegar até US$ 3 mil

Yan Avelino
Por

O headset de VR da Apple está em desenvolvimento há alguns anos e, segundo rumores, ele pode chegar ao mercado já em 2023. Para fomentar ainda mais essa máquina de burburinhos, o The Information revelou, nesta semana, que o dispositivo poderá escanear a íris dos usuários para facilitar autenticações.

Conceito de Headset VR da Apple
Conceito de Headset VR da Apple (Imagem: Reprodução/Yan Iogan via 9To5Mac)

Esse rumor não chega a ser novidade. No ano passado, o analista Ming-Chi Kuo apostou suas fichas dizendo que a chinesa Primax forneceria módulos de câmeras capazes de rastrear o movimentos dos olhos — e eles, claro, suportariam o escaneamento de íris.

As informações divulgadas pelo The Information partiram de duas fontes internas envolvidas no projeto. Segundo elas, o sistema funcionaria de forma “semelhante” ao Face ID, usando as câmeras do headset para escanear a íris de um usuário e realizar pagamentos ou autenticar logins, eliminando o uso de senhas.

Usando esse sistema de biometria, o gadget deverá ser capaz, por exemplo, de detectar quem estiver usando apenas por escanear os olhos. Assim, de forma automática, ele entrará na conta do usuário que corresponder ao padrão registrado.

Ainda de acordo com a reportagem, os scanners usarão as mesmas câmeras internas que acompanharão o movimento ocular dos usuários. O The Information diz também que elas ajustarão automaticamente a qualidade gráfica do que estiver sendo visto, diminuindo a qualidade das áreas periféricas da visão.

Outro rumor do headset diz respeito às câmeras. Segundo as fontes, a Apple posicionará algumas voltadas para baixo a fim de capturar o movimento das pernas dos usuários — algo que a Meta ainda está tentando fazer.

Headset da Apple poderá custar até US$ 3 mil

Entre tantas especulações, o dispositivo de VR da gigante de Cupertino deve receber vindouro sistema realityOS e, inicialmente, pode se direcionar para um público bastante específico.

Ele deve contar com telas internas de altíssima resolução, bem como um único painel externo. Na parte de dentro, o headset deverá conter pelo menos 12 câmeras e poderá ser equipado com algum chip ARM da Apple.

De acordo com alguns rumores, o gadget pode chegar ao mercado já em 2023 e seu preço pode assustar: há quem aposte que ele poderá custar entre US$ 2 mil e US$ 3 mil.

Um de seus concorrentes, o Meta Quest Pro, foi anunciado nesta terça-feira (11). O headset da dona do Facebook conta com o chip Snapdragon XR2 e sua lente permite que o usuário enxergue o ambiente ao seu redor.

A companhia apresentou também os planos de transformar esse tipo de dispositivo como únicos monitores dos usuários. Voltado para o mercado high-end, o gadget custa US$ 1.500.

Com informações: The Information

Relacionados

Relacionados