Reino Unido estuda regular os serviços financeiros da Apple, Amazon, Google e Meta

Por ora, nenhuma mudança regulatória está sendo proposta; Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido aceita respostas até o dia 15 de janeiro de 2023

Yan Avelino
Por

Nesta terça-feira (25), a Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido (FCA) anunciou que vai analisar os potenciais benefícios e malefícios quanto à entrada de empresas como Apple, Google e Meta em setores de serviços financeiros. O órgão alega preocupações quanto à concorrência no país e à exploração de poder de mercado.

Apple Pay (Imagem: naipo.de/ Unsplash)
Apple Pay (Imagem: naipo.de/ Unsplash)

Segundo a FCA, a presença das gigantes de tecnologia no setor financeiro — desde a realização pagamentos, obtenção de crédito e contas-poupança digitais —, tem aumentado de forma constante. O receio da autoridade é o potencial de expansão e uma mudança descontrolada no mercado.

Ainda que a chegada delas nesse mercado traga benefícios ​​para os usuários e estimule a concorrência, a FCA teme que os riscos possam ser maiores no futuro. Dentre eles: a rápida conquista do setor e um possível abuso de poder, que pode, segundo a entidade, ser prejudicial à concorrência e aos consumidores.

Nos últimos anos, a entrada das Big Techs em serviços financeiros, no Reino Unido e em outros lugares, demonstrou seu potencial para romper mercados estabelecidos, impulsionar a inovação e reduzir custos para os consumidores. […]

Queremos ter certeza de que esses benefícios sejam totalmente realizados e, ao mesmo tempo, garantir bons resultados para o consumidor e para o mercado. Isso é vital quando consideramos o papel das grandes empresas de tecnologia no fornecimento de infraestrutura tecnológica chave, como serviços em nuvem.

Nada de mudanças… pelo menos por enquanto

Por ora, as empresas não devem temer, afinal nenhuma mudança regulatória está sendo proposta. Segundo a FCA, seu objetivo é estimular a discussão a fim de informar a abordagem do órgão como parte de um novo regime pró-competitivo do Reino Unido voltado para os mercados digitais.

Queremos ouvir opiniões sobre as áreas em que a entrada das Big Techs pode oferecer maiores benefícios para a concorrência e para os consumidores e as áreas onde há maior risco de danos significativos […]. Estamos procurando entender qual deve ser nossa abordagem […] no futuro como parte de nosso compromisso de moldar os mercados digitais.

Como pontapé para esse longo debate, o órgão publicou uma análise com foco nos possíveis impactos da entrada das gigantes na concorrência em, pelo menos, quatro setores do Reino Unido: pagamentos, recebimento de depósitos, crédito ao consumidor e seguros.

Escolhemos esses setores devido à importância para a vida financeira dos consumidores e ao potencial impacto da concorrência que a entrada e a expansão das grandes empresas de tecnologia podem ter sobre eles.

A Autoridade de Conduta Financeira do Reino Unido aceita respostas até o dia 15 de janeiro de 2023. Além disso, ela também realizará um evento com especialistas daqui a cerca de um mês, em 28 de novembro. Também serão oferecidos workshops nos dias 6 e 7 de dezembro.

Com informações: FCA, The Guardian e Financial Times

Relacionados

Relacionados