Galaxy S23 deve ter versão especial do Snapdragon 8 Gen 2 feita pela Samsung

Snapdragon 8 Gen 2 do Galaxy S23 pode ser ainda mais rápido; os próximos celulares da Samsung serão apresentados no começo de 2023

Bruno Gall De Blasi
Por

Galaxy S23 será um dos celulares mais potentes da Samsung. Possivelmente, até mesmo da concorrência: a linha tende a trazer uma safra diferenciada do Snapdragon 8 Gen 2, com a promessa de oferecer ainda mais desempenho ao trio. A versão especial do chip ainda deve ser fabricado pela própria marca sul-coreana.

Possível Galaxy S23 (Imagem: Reprodução/OnLeaks/Digit)
Possível Galaxy S23 (Imagem: Reprodução/OnLeaks/Digit)

A aposta dá uma certa definição aos smartphones da marca sul-coreana. Afinal, há meses especula-se que a companhia não vai lançar uma variante da linha Galaxy S23 com processador Exynos. Ainda assim, a família não apareceu na lista “em breve” da Qualcomm.

Bem, a Samsung pode não ter aparecido na lista de celulares que serão lançados em breve com o Snapdragon 8 Gen 2. Mas isto não significa a linha Galaxy S22 ficará de fora. Pelo contrário, o trio não só terá o componente como pode ser lançado com uma edição especial.

Galaxy S23 pode ter versão melhorada do processador

A aposta parte de um tweet publicado pelo leaker RGcloudS no dia 16. Na publicação, ele afirmou que haverá duas variantes do chip, sendo a convencional identificada pelo modelo SM8550-AB, fabricada pela TSMC com o processo de N4P. Esta opção possui um núcleo Cortex X3 Prime com 3,2 GHz e está sendo destinada a todos os celulares do mercado.

Mas a Samsung produzirá o processador em suas instalações com o processo LPE de 4 nanômetros. O chip desenvolvido pela Samsung Foundry, por outro lado, seria reconhecido pelo código SM8550-AC. E é aí que começa toda a vantagem, pois o processador se encontraria apenas no interior do Galaxy S23.

RGcloudS aponta que o núcleo Cortex X3 será mais potente no chip que embarcará nos sucessores do Galaxy S22. Neste caso, o componente vai oferecer um clock de 3,32 GHz, levando uma certa vantagem aos smartphones. A GPU Adreno 740 também deve ganhar melhorias no desempenho, pois sua frequência subiria de 680 MHz para 719 MHz.

De resto, os dois teriam arranjo e recursos similares. Além do Cortex X3, usado para tarefas que precisam de bastante poder de fogo, os chips contariam com quatro núcleos intermediários de 2,8 GHz. A lista fica completa com os três Cortex-A510, com 2 GHz, para prover eficiência ao telefone em tarefas mais simples.

Snapdragon 8 Gen 2 “bombado” já deu as caras

Esta não é a única menção à melhoria até o momento. Também pelo Twitter, Ice Universe publicou os resultados de um teste do Geekbench feito em um Galaxy S23 Ultra europeu (SM-S918B). A análise comprova exatamente aquilo o que foi dito anteriormente: o celular possui um núcleo de 3,36 GHz.

O teste de benchmark revelou outros detalhes. É o caso da memória RAM de 8 GB e a presença do Android 13. Confira os resultados da análise do Geekbench 5:

  • Pontuação single core: 1.504;
  • Pontuação multi core: 4.580.

Afinal, que diferença faz tudo isso?

A frequência dos processadores ajuda a determinar a velocidade dos celulares. A grosso modo, pode-se dizer que quanto maior o número, mais rápido o dispositivo é. Ou seja, este pequeno incremento pode conferir alguma vantagem competitiva à Samsung que, por anos, vendeu seus celulares mais caros com chips próprios da linha Exynos.

Outros fatores, no entanto, precisam ser considerados nesta balança. Afinal, quanto maior o desempenho, mais o chip tende a consumir energia. Além disso, ao fazer um overclock, o equipamento ficará mais quente.

Como dizia o tio Ben, grandes poderes vêm com grandes responsabilidades. Portanto, antes mesmo de fazer o overclock, a Samsung precisa pensar em um jeito de resfriar o Galaxy S23 quando toda essa potência chegar ao pico. Caso contrário, o esforço será desperdiçado devido ao thermal throttling, uma proteção que reduz o clock do processador em casos de superaquecimento.

E esta é, para mim, uma das maiores dores de cabeça do meu Galaxy S21 FE. O celular tem um ótimo desempenho para quem busca um smartphone por volta de R$ 2,5 mil, mas o Exynos 2100 é bem esquentadinho. Eu não sou de jogar no smartphone, mas é só começar a usar a câmera com mais afinco que tudo começa ficar lento até a temperatura abaixar.

E essa não é a experiência aguardada em um celular que deve custar mais de R$ 5 mil no Brasil, como o Galaxy S22, correto?

Anatel já homologou as baterias dos celulares

Com ou sem processador melhorado, o Galaxy S23 já é quase realidade. Afinal, na semana passada, a Anatel homologou as baterias do trio, que devem ter até 5.000 mAh de capacidade típica, conforme foi revelado pelo Tecnoblog com exclusividade. Os telefones, no entanto, ainda não foram aprovados no Brasil.

Outras apostas giram em torno do Galaxy S23. É o caso da comunicação via satélite mais flexível do que o iPhone 14, o que ajudaria a entrar em contato com conhecidos em casos de emergência, por exemplo. A variante Ultra também pode ganhar uma câmera de 200 megapixels.

O trio deve ser anunciado pela Samsung no começo de 2023.

Com informações: Gizmochina (12 e 3) e SamMobile (1 e 2)

Relacionados

Relacionados