Google cria ferramenta para mostrar onde haverá enchentes no Brasil

Sistema de Alerta de Inundações ajudará a conter impactos de desastres ambientais; serviço foi criado em parceria com o Serviço Geológico do Brasil

Bruno Gall De Blasi
Por

Google se uniu ao Serviço Geológico do Brasil (SGB/CPRM) para lançar um sistema de previsão de enchentes. Revelado nesta terça-feira (29), a solução utiliza recursos de inteligência artificial (IA) e machine learning (ML) para apurar onde haverá inundações. A ferramenta ajudará em ações para conter os impactos de desastres.

Logotipo do Google
Google (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

A tecnologia, que já está disponível na Índia, Colômbia e outros países, foi apresentada aos brasileiros no Fórum Understanding Risk, em Florianópolis (SC). O projeto pretende fornecer previsões para a população em risco, governos e ONGs. Dessa forma, será possível levar o alerta a quem poderá auxiliar ou precisa se resguardar do incidente.

“No Brasil, a novidade se junta às soluções do Google de alerta contra desastres ambientais, como os Alertas SOS e os Avisos Públicos”, anunciaram.

Como o Sistema de Alertas de Inundações funciona?

Com recursos de IA e ML, o Sistema de Alertas de Inundações trabalha com o processamento de diversas informações. É o caso de dados que apontam o nível de água dos rios, indicadores meteorológicos e imagens de satélite. Através disso, é possível desenvolver modelos automatizados de previsão e alertas em escala global.

O Serviço Geológico do Brasil, do Ministério de Minas e Energia, vai auxiliar nesta tarefa. Segundo o Google, a entidade opera Sistemas de Alerta Hidrológico em dezessete bacias hidrográficas do país. Todo esse aparato é utilizado para auxiliar na tomada de decisões para mitigar os impactos de eventos hidrológicos extremos.

A head de parcerias e impacto social do Google, Luisa Phebo, deu mais detalhes sobre a novidade. Segundo a executiva, o buscador vai exibir os alertas de inundação no topo. Esse aviso será habilitado se o usuário estiver nas redondezas da região afetada ou se fizer uma pesquisa sobre o local.

“No futuro, o objetivo é aumentar a área de cobertura e também emitir alertas via notificações de celular”, disse.

Google vai emitir alertas de inundação pelo buscador (Imagem: Reprodução)
Google vai emitir alertas de inundação pelo buscador (Imagem: Reprodução)

Sistema será liberado no Brasil em duas etapas

A implementação da novidade acontecerá em duas partes.

Primeiro, o serviço vai emitir alertas de inundações ribeirinhas em tempo real para mais de sessenta localidades. Depois, haverá a notificação com previsões de enchentes geradas pela equipe de hidrologia do Serviço Geológico do Brasil e pelo Google em áreas selecionadas do Brasil.

“Esses alertas estarão disponíveis na Pesquisa Google, no Mapas e na nova plataforma de informações sobre enchentes do Google – FloodHub“, explicaram. “Ao longo dos próximos meses, a cobertura dos alertas e previsões será expandida para outras regiões do país.”

Sistema pode ajudar nas próximas chuvas de verão

O Sistema de Alertas de Inundações chega em boa hora. Faltando menos de um mês para o início do verão, esta é a época mais preocupante em relação às chuvas, especialmente para quem vive próximo de encostas e de rios. É o caso das chuvas fortes em Petrópolis, na Região Serrana do Rio de Janeiro, que deixaram centenas de pessoas desabrigadas em fevereiro.

A Bahia encarou uma situação similar em dezembro de 2021. Após tempestades, cidades do sul do estado entraram em emergência devido aos alagamentos. Em reação, empresas e instituições se uniram para coletar doações às vítimas do cataclisma.

Mas estes não são casos isolados. Em um relatório, as Nações Unidas apontaram que, entre 2000 e 2019, mais de 70 milhões de pessoas foram afetadas por enchentes no Brasil. E é por isso que o sistema do Google se torna bem-vindo, pois ajudará a salvar muitas vidas.

Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Entrou para o Tecnoblog em 2020 e também escreveu para o TechTudo e iHelpBR.

Relacionados

Relacionados