Raspberry Pi Foundation irrita comunidade ao contratar ex-policial espião

Ex-policial é especializado em objetos que escondem equipamentos de espionagem; contratação pela Raspberry Pi vem sendo questionada

Emerson Alecrim
Por

Na última quinta-feira (8), a Raspberry Pi Foundation anunciou o seu mais novo funcionário: Toby Roberts. Era para ser uma mera apresentação. Porém, em questão de horas, a contratação passou a ser alvo de numerosas críticas. Tudo porque o contratado é um ex-policial especializado em espionagem.

Raspberry Pi (Imagem: Jainath Ponnala/Unsplash)
Raspberry Pi (imagem: Jainath Ponnala/Unsplash)

O anúncio contém uma rápida entrevista com Roberts. Nela, ele explica que lidava com o crime organizado e ameaças terroristas na região leste do Reino Unido. Mas o que atraiu a atenção da Raspberry Pi foi a capacidade dele de construir objetos para esconder equipamentos de gravação de vídeo ou áudio.

Para construir os objetos, o ex-policial usava principalmente impressoras 3D. Ele chegou a projetar o seu próprio equipamento do tipo. Mas, para muitos de seus trabalhos, Roberts também utilizou os vários modelos do Raspberry Pi.

Comunidade vê contratação com desconfiança

Foram tantos os trabalhos com unidades do Raspberry Pi que Toby Roberts se tornou um grande conhecedor dessas plaquinhas. Mas, logo após o anúncio de sua contratação, participantes da comunidade começaram a expressar preocupação com a notícia.

O cientista da computação Joe Bowser é um deles. Ele usa as placas em vários projetos. Um exemplo que se encaixa ironicamente nesta história é um dispositivo que identifica aparelhos de espionagem telefônica.

Os membros da comunidade que se queixam da contratação acreditam que a Raspberry Pi Foundation não deve trabalhar com especialistas em vigilância.

Um dos dispositivos de Toby Roberts (imagens: divulgação/Raspberry Pi)
Um dos dispositivos de Toby Roberts (imagens: divulgação/Raspberry Pi)

De modo geral, eles não temem que Roberts possa inserir mecanismos de espionagem em unidades do Raspberry Pi. A preocupação é a de que o ex-policial popularize o uso das placas em projetos para espionar pessoas. Bowser deu uma declaração que ilustra bem esse pensamento:

A companhia [Raspberry Pi] claramente não sabe como seus produtos são usados no mundo. Muitas pessoas que os usam são antiautoritárias, antivigilância e não gostam da brutalidade policial. E elas estão ativamente construindo ferramentas usando o Raspberry Pi e afins contra essas coisas.

Reação da Raspberry Pi também é questionada

A contratação de Toby Roberts vem sendo discutida nas redes sociais e em plataformas como YCombinator Hacker News. Mas as reações da Raspberry Pi não foram amigáveis, pelo menos em alguns casos.

Um dos críticos conta ter sido bloqueado pela Raspberry Pi justamente após relatar que a organização vem bloqueando usuários que criticam a contratação.

Toby Roberts (imagens: divulgação/Raspberry Pi)
Toby Roberts (imagens: divulgação/Raspberry Pi)

Em um servidor do Mastodon, uma conta questionou uma resposta irônica dada pela Raspberry Pi e recebeu da organização a orientação de deixar de seguir o perfil. E esses são só dois exemplos. Há outros relatos sobre bloqueios e respostas pouco simpáticas por parte da Raspberry Pi.

As reações da comunidade contra a chegada de Toby Roberts são exageradas? Existe essa possibilidade. De todo modo, parece ter faltado jogo de cintura à Raspberry Pi para lidar com a situação.

Talvez os ânimos se acalmem se a organização explicar qual será o papel de Roberts. Por incrível que pareça, o anúncio da contratação menciona as habilidades do ex-policial, mas não conta o que ele fará por lá.

Com informações: Buzzfeed, MUO.

Relacionados

Relacionados