Apple quer “cortar” Samsung e Qualcomm de futuros iPhones e do Apple Watch

De telas a chips exclusivos, a casa da maçã quer desenvolver o máximo possível por si só para não mais depender de empresas terceiras

Ricardo Syozi
Por

Parece que a Apple está interessada em tomar o controle da produção de seus dispositivos. Reportes indicam que a maçã está planejando desenvolver seus próprios chips de Wi-Fi e Bluetooth. Além disso, a empresa teria decidido produzir suas próprias telas de microLED tanto para o Apple Watch quanto para futuros iPhones. Como resultado, a marca encerraria a parceria de anos com companhias como Samsung e LG.

Logotipo da Apple
Apple (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Após comprar a tecnologia de modem da Intel por cerca de US$ 1 bilhão em 2019, a Apple está a cada dia mais próxima de largar a Qualcomm em futuros iPhones. Pensando nisso, a empresa parece estar planejando usar seus próprios chips de Bluetooth e Wi-Fi em aparelhos a partir de 2025.

A ambição da companhia é a de parar de depender de terceiros para fornecerem parte dos componentes eletrônicos de seus gadgets. Vale lembrar que a marca tem uma parceria com a Broadcom por anos, usando peças desde o Mac ao smartphones mais atuais. O contrato mais recente é de 2020 e tem duração de três anos e meio.

Segundo o reporte do Bloomberg, a maçã quer criar um chip único que conteria capacidades de Wi-Fi, Bluetooth e modem.

Além disso, há informações de que a Apple tem planos de lançar seu primeiro modem 5G “ao fim de 2024 ou início de 2025”. Isso afetaria a receita da Qualcomm em relação à empresa americana.

iPhone
iPhone (Imagem: Vitor Pádua / Tecnoblog)

Tela do Apple Watch também será feita em casa

Nas mesmas informações divulgadas pelo Bloomberg, a maçã começará a usar displays desenvolvidos por ela mesma entre 2024 e 2025. Assim, a tecnologia que ela vem testando nos últimos anos deverá ser adicionada aos novos modelos do relógio inteligente. O Apple Watch 8 foi lançado em setembro de 2022, trazendo uma tela de retina com até 1.000 nits.

O reporte indica que a marca vai substituir a tela OLED dos gadgets atuais por uma microLED produzida “in-house”, a primeira do tipo feita exclusivamente pela companhia. Ela teria maior qualidade de brilho e cores mais vibrantes, além de ser melhor para ver de diferentes ângulos. Ademais, a novidade acabaria chegando para outros aparelhos, como o iPhone.

É importante destacar que caso isso realmente ocorra (ou quando ocorrer), fornecedoras como a Samsung e a LG seriam financeiramente afetadas, perdendo uma forte cliente. Contudo, as sul-coreanas já devem estar se preparando para o baque há um tempo, já que a Apple nunca escondeu seus interesses sobre o assunto.

Com informações: Flatpanels HD e ARS Technica.

Relacionados

Relacionados