No desespero, Twitter oferece assinatura Blue por um ano com desconto

Mudança de preço condiz com a necessidade de trazer mais assinantes para a plataforma; condições financeiras não estão boas para o passarinho

Ricardo Syozi
Por

Para quem ainda almeja o selo azul de verificado e outros mimos, o Twitter está oferecendo um desconto em sua assinatura anual nos EUA. Para ter 12 meses do serviço, o usuário pode pagar US$ 84, garantindo 12% a menos do que se pagasse os US$ 8 mensais no decorrer do ano. Uma das razões do novo preço pode ser o momento atual da companhia, com o vencimento do primeiro grande pagamento de juros ao fim de janeiro.

Twitter (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
Twitter (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Se um usuário quisesse pagar apenas a mensalidade padrão do Twitter Blue, isso lhe custaria US$ 96 ao longo dos 12 meses. Com o novo desconto, o valor diminui US$ 12, custando US$ 84. Porém, isso é para a versão web da rede social. Para quem utiliza a plataforma no iOS, o preço mensal é de US$ 11 e não há a alternativa anual.

Ao fazer parte do grupo pagante, a pessoa recebe o selo de verificado, temas, ícones customizáveis, upload de vídeos mais longos, entre outros recursos. Oficialmente, a opção não está disponível no Brasil, mas no app do iOS, há o custo de R$ 59,90 que seria usado para a assinatura.

Twitter Blue
Twitter Blue (Imagem: Reprodução / Internet)

A conta está chegando para Elon Musk

Como resultado do corte na opção de assinatura anual do Twitter Blue, é possível pensar que mais pessoas fariam parte dessa roda. E olha que a rede social parece estar precisando bastante de novos adeptos pagantes.

O Financial Times relatou na quarta-feira (18), que a empresa está em apuros. Segundo informações de fontes anônimas, a receita de ano a ano do Twitter caiu 40%, deixando a marca de Elon Musk em desespero. Isso porque o primeiro dos juros massivos do CEO com a companhia tem o vencimento marcado para o fim de janeiro, mas o que acontece se ele não tiver o dinheiro para arcar com as dívidas?

Assim, a conta simplesmente não fecha. Há sinais de que o chefão pode declarar a falência da plataforma, o que poderia fechá-la de vez.

Elon Musk (Imagem: Steve Jurvetson/Flickr)
Elon Musk (Imagem: Steve Jurvetson/Flickr)

Falta de dinheiro é o principal problema

Há relatos de que o Twitter está com sérios problemas financeiros. Parece que a empresa não conseguiu pagar o aluguel de alguns de seus escritórios, por exemplo. Por causa disso, alguns proprietários de prédios em São Francisco e Singapura entraram com processos contra a companhia, ameaçando com despejos.

Já na véspera de Natal de 2022, a rede social fechou um data center em Sacramento, na Califórnia. Ela também anunciou planos de diminuir consideravelmente os recursos de um servidor em Atlanta. Como consequência, quedas da plataforma ocorreram na Austrália e Nova Zelândia em janeiro.

Por fim, funcionários considerados “menos relevantes” foram desligados em locais como Londres e São Francisco. A situação ficou tão ruim que há informações de que profissionais precisavam levar seus próprios itens como papel higiênico ao escritório.

Ou o Twitter se ajeita de alguma maneira, ou veremos o fim de uma era logo mais.

Com informações: The Verge e Platformer.

Relacionados

Relacionados