Xiaomi Redmi Note 12 5G e Poco X5 já podem ser lançados no Brasil

Celulares da Xiaomi são homologados pela Anatel; Redmi Note 12 e Poco X5 devem trazer fichas técnicas parecidas com câmera tripla

Bruno Gall De Blasi Everton Favretto
Por e

Anatel autorizou a venda de mais dois celulares da Xiaomi no Brasil. Na quinta-feira (19), a agência certificou o Redmi Note 12, que chegou às lojas da Índia recentemente com câmera tripla de 48 MP e bateria de 5.000 mAh. O Poco X5 5G, por sua vez, deve ser anunciado com as mesmas especificações, com exceção do processador.

Suposto Poco X5 aparece em público antes do lançamento (Imagem: Reprodução/GSMArena)
Suposto Poco X5 aparece em público antes do lançamento nas mãos de um jogador de críquete indiano (Imagem: Reprodução/GSMArena)

De acordo com os documentos acessados pelo Tecnoblog, a Anatel homologou, a pedido da DL Eletrônicos, um produto da Xiaomi identificado pelo seguinte modelo: “22111317G/22111317PG”.

O certificado de conformidade técnica ainda aponta que “os produtos 22111317G e 22111317PG serão comercializados com as marcas Redmi e Poco, respectivamente”.

Ou seja, estamos falando de dois celulares quase iguais, que tendem a seguir a estratégia da Xiaomi dos últimos anos: relançar produtos em outras marcas, como a Redmi ou Poco, para expandir a sua presença no mercado global.

Segundo o Gizmochina, os códigos aparecem nos certificados da agência malaia SIRIM mencionando os seguintes nomes comerciais:

  • 22111317G: Redmi Note 12 5G (global);
  • 22111317PG: Poco X5 5G.

Os arquivos ainda citam uma única unidade fabril localizada na China.

Redmi Note 12 5G global (Imagem: Divulgação/Xiaomi)
Redmi Note 12 5G global (Imagem: Divulgação/Xiaomi)

Poco X5 poderá ser quase igual ao Redmi Note 12

Falemos primeiro do Redmi Note 12 5G, modelo anunciado aos indianos e fora da China no último dia 5.

O celular intermediário possui especificações intermediárias, lideradas pelo processador Snapdragon 4 Gen 1, além da RAM de até 6 GB e o armazenamento de 128 GB. A bateria de 5.000 mAh com recarga de 33 watts é outro trunfo do lançamento recente.

O smartphone da marca chinesa ainda traz câmera tripla de 48 megapixels e tela AMOLED de 6,67 polegadas com resolução Full HD+ e taxa de atualização de 120 Hz. Na Índia, o smartphone alcançou as gôndolas com preços a partir de 17.999 rúpias, cerca de R$ 1.200 em conversão direta.

Certificado de homologação do Redmi Note 12 5G e Poco X5 (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)
Certificado de homologação do Redmi Note 12 5G e Poco X5 (Imagem: Reprodução/Tecnoblog)

O Poco X5 ainda não foi introduzido oficialmente. Mas espera-se que o modelo seja similar ao Redmi Note 12 global, mas com algumas pequenas diferenças.

Conforme observado pelo GSMArena, o modelo tende a chegar às lojas com o Snapdragon 695 5G em vez do Snapdragon 4 Gen 1. As demais especificações devem permanecer iguais.

O smartphone ainda deve trazer uma pequena mudança no visual para incluir um “POCO” gigante na parte de trás. É o que sugere uma foto do jogador de críquete, Hardik Pandya, que apareceu em uma foto com o suposto celular.

Só nos resta uma dúvida: qual modelo virá ao Brasil? Pois a certificação é destinada às duas variantes.

Por enquanto, precisamos aguardar. Afinal, apesar da homologação da Anatel, ainda não há previsão de data e lançamento do(s) celular(es) no Brasil.

Bruno Gall De Blasi

Bruno Gall De Blasi é jornalista e cobre tecnologia desde 2016. Sua paixão pelo assunto começou ainda na infância, quando descobriu "acidentalmente" que "FORMAT C:" apagava tudo. Antes de seguir carreira em comunicação, fez Ensino Médio Técnico em Mecatrônica com o sonho de virar engenheiro. Entrou para o Tecnoblog em 2020 e também escreveu para o TechTudo e iHelpBR.

Everton Favretto

Assistente de Conteúdo

Everton Favretto é bacharel em Tecnologias Digitais pela UCS e caça homologações da Anatel para o Tecnoblog. Gosta de telefones (velhos e novos) e está sempre pronto para falar de aviões. Consegue identificar um modelo de 737 olhando para a fotografia dele e tem um Raspberry Pi Zero W na sacada só para rastrear as aeronaves por ADS-B.

Relacionados

Relacionados