BeFake quer ser o oposto do BeReal usando IA (mas deve flopar igual)

Aplicativo copia funcionalidade de publicar uma imagem capturando fotos com as câmeras traseiras e frontal, mas você pode editar imagens com IA

Felipe Freitas
Por
BeFake é um BeReal para quem não quer ser muito realista (Imagem: Reprodução/BeFake)
BeFake é um BeReal para quem não quer ser muito realista (Imagem: Reprodução/BeFake)

A empresa Alias Technologies criou um aplicativo que une o conceito do BeReal (lembra?) a imagens criadas por inteligência artificial. Assim como o app francês, o BeFake é uma rede social na qual o usuário publica imagens que usam a câmera de selfie e a câmera traseira. Todavia, como indica seu nome, a proposta é que a foto não seja nada realista e que os usuários editem imagens usando prompts de IA.

Para quem se esqueceu do BeReal, a proposta do aplicativo é (ou era) que as pessoas postassem fotos mais realistas, sem filtros e em hora determinada. Você recebe uma notificação e tem um tempo para publicar. O usuário só podia ver o seu feed se tivesse postado uma imagem.

O conceito fez sucesso entre os gen z, millenials e quem estava cansado das “falsidades” de Instagram — só que ele foi flopando com o tempo e a concorrência (TikTok) até mesmo cancelou sua resposta. A Meta não apresentou novidades do Candid, “o seu BeReal”, mas provavelmente a companhia está focando no Threads.

BeFake quer surfar em temas populares: IA e “imagens engraçadas”

BeFake permite que você modifique sua selfie e a foto tirada pela câmera traseira (Imagem: Divulgação/BeFake)
BeFake permite que você modifique sua selfie e a foto tirada pela câmera traseira (Imagem: Divulgação/BeFake)

Pelo vídeo de divulgação do BeFake, o foco da empresa parece ser a mesma Gen Z que encheu o BeReal. No entanto, o novo aplicativo une dois assuntos de sucesso: IA (um dos principais temas desde o lançamento do ChatGPT) e “imagens engraçadas”.

Sempre que um aplicativo que edita nossas fotos para deixá-las engraçadas ou “fantasiosas” aparece, as pessoas usam por um tempo, publicam no Instagram, se cansam e ele cai no esquecimento. Foi assim com o ToonMe, Lensa e mais recentemente o Remini — que ficou famoso por criar “fotos de filhos imaginários”.

As imagens de divulgação mostram — e prometem — imagens bem criativas e com diversas possibilidades. Você pode pedir que a sua foto tenha um tema nórdico, parecido com God of War (2018), ou escolher algum dos filtros prontos. Tive que usar o “prometem” lá em cima porque o BeFake não está disponível para o Brasil, por isso não foi possível testá-lo. A empresa por trás dele já levantou US$ 3 milhões em investimentos.

E olhando que a empresa divulgou, eu já tenho meu veredito: se chegar no Brasil, teremos umas semanas cheias de imagens do BeFake no Instagram. Na sequência, ele será esquecido — assim como o BeReal, Lensa, ToonMe e Remini.

Com informações: TechCrunch

Felipe Freitas

Felipe Freitas

Repórter

Jornalista graduado pela UFSC, interessado em tecnologia e suas aplicações para um mundo melhor — ou mais prático. Tem certeza que o futuro é elétrico e dobrável. Iniciou no jornalismo aos 16 anos, cobrindo MMA para o MMA Brasil. Passou pelo Adrenaline/Mundo Conectado.

Relacionados

Relacionados