Apple explica por que iPhone 15 Pro será o único a receber IA

Empresa nega "esquema" para vender iPhones novos e diz que recursos ficariam lentos em iPhones mais antigos. Macs e iPads com M1 também vão receber IA.

Giovanni Santa Rosa
Por
• Atualizado há 3 semanas
Aplicativos no iPhone 15 Pro Max (imagem: Thássius Veloso/Tecnoblog)
iPhone 15 Pro e Pro Max (foto) serão os únicos da linha atual a receber IA da Apple (imagem: Thássius Veloso / Tecnoblog)
Resumo
  • A Apple decidiu incluir a Apple Intelligence apenas nos iPhones 15 Pro e Pro Max devido à necessidade de chips A17 Pro para executar as tarefas de IA com rapidez.
  • Executivos explicaram que modelos mais antigos não teriam desempenho satisfatório.
  • A Apple negou que a exclusividade da IA nos modelos mais caros seja um esquema para vender mais iPhones novos.
  • A Apple Intelligence também será disponibilizada para todos os Macs com chip M1 ou superior, iPads Pro a partir de 2021, e iPads Air a partir de 2022.

A Apple finalmente deu motivos para a decisão de colocar a Apple Intelligence apenas no iPhone 15 Pro e Pro Max, deixando de fora todos os outros iPhones. Segundo a empresa, chips menos potentes que o A17 Pro (presente somente nestes modelos) não conseguiriam executar as tarefas com velocidade satisfatória. Isso tornaria as ferramentas de IA inúteis para o usuário.

A resposta foi dada em uma entrevista na WWDC 2024, com John Giannandrea (chefe de IA), Greg Joswiak (chefe de marketing) e Craig Federighi (chefe de software). Respondendo a uma questão de John Gruber, do blog Daring Fireball, Giannandrea deu sua explicação para a Apple Intelligence estar presente apenas no iPhone mais avançado.

Craig Federighi diante de uma tela que diz "IA para o resto de nós", durante a WWDC 2024
Apple Intelligence é a “IA para o resto de nós” (Imagem: Reprodução / Apple)

“Estes modelos, quando você olha para o tempo de execução, isso é chamado de inferência, e a inferência dos modelos de linguagem grandes é incrivelmente custosa, do ponto de vista computacional. Então, é uma combinação da largura de banda do aparelho, o tamanho do Apple Neural Engine, a capacidade do aparelho para que estes modelos sejam rápidos o suficiente para serem úteis. Você poderia, teoricamente, rodá-los em um aparelho muito velho, mas eles ficariam lentos demais, então não seriam úteis.”

Federighi também defendeu a decisão, dizendo que a empresa sempre tenta levar novos recursos para os aparelhos mais antigos possíveis. No entanto, ele argumenta que rodar modelos deste tipo no iPhone é “extraordinário”, já que eles exigem muito do hardware.

Processamento local ou na nuvem?

A decisão da Apple contrasta com a da Samsung, que liberou o Galaxy AI para smartphones de topo de linha lançados a partir de 2022.

Uma possível explicação pode estar na decisão de rodar no aparelho ou na nuvem os recursos de IA. Tanto Galaxy AI quanto Apple Intelligence dividem as tarefas, mas a Apple ainda não explicou como é feita esta divisão. Já a Samsung tem uma tabela explicando o que pode ser usado sem internet e o que depende de conexão para funcionar.

Apple nega “esquema” para vender iPhones novos

Uma das reações à decisão de só liberar a IA para os modelos mais novos e caros, muita gente pensou se isso não era um esquema para vender novos iPhones. Questionado por Gruber, Joswiak rechaçou a ideia. “Se fosse isso, nós seríamos espertos e colocaríamos [a Apple Intelligence] apenas nos Macs e iPads mais recentes também.”

No caso de tablets e computadores, todos os que tiverem chip M1 ou superior receberão a Apple Intelligence. Isso significa que a ferramenta estará presente em:

Com informações: MacRumors

Relacionados