Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança

Windows Recall foi revelado como uma grande inovação do Windows 11 com IA, mas tem brechas importantes no quesito segurança

Emerson Alecrim
Por
Computador com programa da Busca Rápida
Microsoft decide adiar Windows Recall após críticas sobre segurança fraca (foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

O Windows Recall foi apresentado pela Microsoft como uma grande inovação, mas tem se mostrado um verdadeiro fiasco no aspecto da segurança. É por isso que a companhia tomou uma decisão radical: ao contrário do que era previsto, os primeiros computadores Copilot+ serão lançados sem esse controverso recurso.

A promessa do Windows Recall

O Windows Recall é uma tecnologia que usa modelos de inteligência artificial para fazer capturas de tela de ações no Windows 11, criando um histórico organizado em uma linha do tempo. A proposta é permitir que o usuário recupere informações consultadas ou criadas anteriormente com buscas rápidas no sistema operacional.

A intenção inicial da Microsoft era lançar o Recall como um dos recursos mais notáveis dos notebooks categorizados como Copilot+. A principal característica dessas máquinas é atender aos requisitos mínimos de hardware para executar tarefas de inteligência artificial no Windows 11.

Marcas como Asus, Dell, Lenovo e Samsung, além da própria Microsoft com a linha Surface, lançarão notebooks Copilot+ a partir do dia 18 de junho.

Windows Recall virou polêmica

Os planos da Microsoft foram frustrados. Especialistas que analisaram o Windows Recall após o alvoroço inicial notaram que a ferramenta tem uma série de brechas de segurança.

Uma das análises mais chamativas, feita pelo especialista em segurança digital Kevin Beaumont, aponta que o Windows Recall faz registros utilizando um banco de dados baseado em texto simples. O banco de dados pode ser acessado até por usuários sem privilégios de administrador no sistema operacional.

Agentes maliciosos podem então desenvolver malwares ou até ataques direcionados com o intuito de acessar essas informações. É uma fragilidade surpreendente para um software feito por uma companhia com o porte da Microsoft.

Diante das críticas, a Microsoft decidiu lançar o Windows Recall como um recurso desativado por padrão no Windows 11. Outras medidas também foram anunciadas, como a condição de os snapshots só serem descriptografados e ficarem acessíveis quando o usuário se autenticar na ferramenta.

Mas nem isso vai valer mais.

Surface Laptop de 13,8 polegadas (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)
Surface Laptop de 13,8 polegadas (Foto: Thássius Veloso/Tecnoblog)

Microsoft adia o Windows Recall

Nesta semana, a Microsoft desistiu da ideia de oferecer o Windows Recall junto com os primeiros notebooks Copilot+. A ferramenta não estará disponível nem mesmo para ativação manual.

O Verge explica que a decisão foi anunciada depois de Brad Smith, presidente da Microsoft, prestar depoimento ao Comitê de Segurança Interna da Câmara dos Estados Unidos, na quinta-feira (13). A sessão foi realizada para tratar de problemas de segurança digital envolvendo a Microsoft.

Ao mesmo tempo, a Microsoft tem executado um programa chamado Secure Future Initiative (SFI), que visa melhorar a segurança de seus produtos e serviços, entre outros pilares. Essa iniciativa fez a companhia aumentar as exigências de segurança no login do serviço de e-mail Outlook, só para dar um exemplo.

Diante dessas circunstâncias, é de se presumir que o nível de imaturidade do Windows Recall no aspecto da segurança tenha feito a Microsoft reconhecer que essa ferramenta não está pronta para ser lançada.

A companhia não desistiu do Windows Recall, mas desenvolverá a ferramenta com mais cuidado. Esses esforços incluem submeter a novidade a testes por participantes do programa Windows Insider em um futuro próximo.

Por ora, a ferramenta segue sem previsão de lançamento oficial.

Relacionados