YouTube quer acordo com gravadoras para usar músicas em treinamento de IA

YouTube já estaria negociando com grandes gravadoras, mas pode ter dificuldade para convencer artistas sobre licenciamento para IA

Emerson Alecrim
Por
• Atualizado há 3 semanas
YouTube
YouTube tenta acordo para gravadoras liberarem músicas para treinar IA (imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

A inteligência artificial (IA) generativa precisa ser treinada para produzir resultados. É por isso que o YouTube está tentando convencer gravadoras a licenciar músicas para esse fim. Apesar da resistência de muitos artistas à ideia, há boas chances de a plataforma ter sucesso nas negociações.

O YouTube já tem uma ferramenta do tipo. O Dream Track, como é chamado, surgiu em 2023 para gerar músicas a partir de prompts (instruções em texto) baseadas na voz e estilo de dez artistas, entre eles, Demi Lovato e John Legend.

Esse conteúdo pode então ser reaproveitado em Shorts, sem que o usuário tenha que se preocupar com direitos autorais. O problema é que poucos artistas toparam participar do projeto.

O Financial Times relata que o YouTube quer lançar um projeto de música por IA generativa mais avançado ainda em 2024. A iniciativa foi idealizada para envolver dezenas de artistas, segundo as fontes ouvidas pelo veículo. Daí as negociações com gravadoras.

Pagando bem…

Podemos imaginar as gravadoras se opondo à ideia, afinal, músicas geradas por IA podem fazer elas perderem contratos de licenciamento futuros com o YouTube. Mas são os artistas que mostram mais resistência. As gravadoras vem aceitando negociar.

Isso significa que, se os valores oferecidos pelo YouTube forem generosos, a plataforma terá boas chances de fechar acordos amplos de licenciamento com os selos.

A dinâmica básica seria esta: o YouTube fecha um contrato com a gravadora e esta tenta convencer artistas a aderirem ao projeto. Sony Music, Warner e Universal estariam entre as gravadoras em negociação com o serviço.

Assim como o Dream Track, o novo projeto deve beneficiar o YouTube Shorts, de modo a incentivar mais usuários a postarem vídeos curtos nessa plataforma. Com isso, o YouTube passaria a ter mais um recurso para competir com o TikTok e o Instagram.

YouTube Shorts (Imagem: Divulgação)
YouTube Shorts (imagem: divulgação/YouTube)

Difícil é convencer os artistas

A ideia de uma inteligência artificial criar músicas a partir de trabalhos já existentes não agrada a boa parte dos artistas. Prova disso vem de uma carta aberta publicada em abril em que mais de 200 deles pedem cautela com a IA. Um trecho diz:

Sem controle, a IA iniciará uma corrida rumo ao abismo que degradará o valor de nosso trabalho e não nos deixará sermos compensados de forma justa por ele.

Entre os artistas que assinam a carta estão Aerosmith, Jon Bon Jovi, Katy Perry e Sam Smith. Há representantes brasileiros ali, como Maneva e Lauana Prado.

Com informações: Ars Technica

Relacionados