TB Responde Aplicativos e Software

Antivírus para Linux: 5 opções para uso doméstico e empresarial

O Linux é bastante seguro, mas pode precisar de antivírus sob determinadas circunstâncias; confira cinco opções

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

De modo geral, distribuições Linux são bastante seguras. Apesar disso, o risco de contaminação por malwares sempre existe. É por isso que muitos adeptos da plataforma fazem questão de ter um antivírus no sistema. Se é o seu caso, mas você não sabe qual instalar, não se preocupe. A lista a seguir mostra cinco opções de antivírus para Linux.

Tux no Ubuntu Linux (imagem ilustrativa: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Tux no Ubuntu Linux (imagem ilustrativa: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Peraí, Linux precisa de antivírus?

Por ter uma estrutura de segurança baseada em permissões, contar com uma arquitetura modular e ser permanentemente atualizado, o Linux é bastante seguro. Por esse motivo, a maioria de seus usuários dispensa a instalação de antivírus no sistema operacional.

Mas nenhum sistema pode garantir 100% de segurança. É por isso que algumas pessoas e organizações recorrem a antivírus no Linux, não necessariamente como um cuidado obrigatório, mas como uma camada adicional de segurança.

É por isso que, a seguir, selecionamos cinco soluções de antivírus, além de um “bônus”. Note que há opções para uso doméstico e corporativo.

ClamAV

Comecemos por uma opção clássica e gratuita. O ClamAV (Clam AntiVirus) é um antivírus lançado em 2007. Mantida pela Cisco, essa solução tem versões para Linux, sistemas BSD, Windows e macOS. Apesar disso, o antivírus é mais conhecido entre usuários de distribuições Linux.

Há boas razões para isso. A primeira é que o ClamAV tem código-fonte aberto. A segunda: é possível usá-lo tanto via interface gráfica (instalada à parte) quanto por linha de comando.

Terceira razão: o antivírus costuma ser bastante eficiente na detecção de malwares presentes em arquivos que acabaram de ser baixados. Há até quem o use, no Linux, para analisar arquivos suspeitos direcionados ao Windows.

As orientações para instalação no Ubuntu, Debian e outras distribuições estão no site oficial do ClamAV.

ClamAV com interface ClamTk (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
ClamAV com interface ClamTk (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Comodo Antivirus

O Comodo Antivirus é outra opção gratuita para Linux, embora não tenha código-fonte aberto. A característica mais marcante dessa opção é a sua capacidade de fazer análise comportamental com base nas nuvens.

Em outras palavras, a ferramenta pode barrar arquivos potencialmente maliciosos ao identificar atividades suspeitas. Esse recurso é útil para isolar vírus e outros malwares novos, que ainda não aparecem no banco de dados do antivírus.

Há versões para Ubuntu, Debian, Mint e outras distribuições na página do Comodo Antivirus.

Bitdefender GravityZone Business Security

Sim, grandes empresas de antivírus, a exemplo da Bitdefender, também têm soluções para Linux. Mas, normalmente, essas companhias priorizam opções para servidores ou ambientes corporativos. É o caso do GravityZone Business Security.

Esse é uma pacote de segurança que, além de combater vírus, pode proteger servidores ou computadores de uso empresarial de ransomwares, acesso não autorizado, ataque de redes e muito mais.

O Bitdefender GravityZone Business Security é pago e segue um modelo de assinatura anual. O valor da licença depende do número de máquinas protegidas.

REVE Antivirus

Eis uma opção interessante para computadores com hardware modesto. O REVE Antivirus costuma fazer varreduras em unidades de armazenamento internas e externas (como HDs externos e pendrives) sem deixar a máquina sobrecarregada.

Os seus demais recursos incluem firewall integrado, proteção contra cópia de dados não autorizada e eliminação de arquivos duplicados.

Note, porém, que o REVE Antivirus também é uma ferramenta paga.

Site do REVE Antivirus (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)
Site do REVE Antivirus (imagem: Emerson Alecrim/Tecnoblog)

Kaspersky Endpoint Security

A palavra endpoint indica um dispositivo que é conectado a uma rede corporativa. Com base nisso, fica claro que o Kaspersky Endpoint Security também é uma solução de segurança focada em organizações.

Uma rápida busca no Google mostra que essa opção é direcionada principalmente a computadores com Windows. Mas a Kaspersky explica que mais de 100 mil arquivos maliciosos (entre vírus e outros malwares) para Linux já foram registrados em seu banco de dados. É por isso que também há uma versão para essa plataforma.

O Kaspersky Endpoint Security para Linux é um software pago, mas não de modo isolado. A ferramenta faz parte de várias soluções de segurança da empresa, como o Kaspersky Total Security for Business.

Chkrootkit (dica extra)

O Chkrootkit não é exatamente um antivírus, mas merece menção honrosa por aqui. Motivo: trata-se de uma ferramenta capaz de detectar mais de 70 tipos de rootkits. Estamos falando de um tipo de malware que pode dar ao invasor amplo controle sobre o computador e que é de difícil remoção.

Gratuito e com código-fonte aberto, o Chkrootkit pode ser baixado no site oficial.

Esse conteúdo foi útil?

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque