Como funciona o Delivery do Bem? [Entrega sem Taxas]

Criado na pandemia do novo coronavírus, o Delivery do Bem reúne restaurantes de todo o Brasil; saiba como funciona a plataforma

Karla Soares
Por

A pandemia da COVID-19 obrigou pequenos e médios negócios em todo o Brasil a usar novas estratégias para não ficarem parados durante o período de isolamento social. Foi nesse contexto desafiador que a startup Zygo Tecnologia, de Florianópolis (SC), criou o Delivery do Bem, que funciona como uma central na web com restaurantes e estabelecimentos como açaíterias, cafeterias, lojas de produtos naturais e cervejarias.

Atualmente uma plataforma que reúne restaurantes de 19 estados e Distrito Federal. O diferencial em relação aos aplicativos tradicionais de delivery é a ausência de cobrança de taxas para o empreendedor, que podem chegar até 30% sobre o valor do pedido.

Free Deliver / Erik Mclean / Unsplash

Inspiração chinesa

Um dos fundadores da Zygo, Paulo Hashimoto, conta que a inspiração para a criação do serviço veio dos restaurantes chineses, que sobreviveram à crise do novo coronavírus migrando totalmente as suas operações para o sistema de delivery.

“Diante desse cenário, resolvemos parar tudo o que estávamos fazendo e orientar toda a nossa empresa para criar um sistema de delivery completo em sete dias. Com o prazo cumprido, começamos a implementar a ideia junto com outros empreendedores e empresas que se uniram na iniciativa de ajudar quem precisa”, explica Hashimoto.

Como funciona o Delivery do Bem / Karla Soares / Reprodução

Antes de liderar a criação do Delivery do Bem, a Zygo já trabalhava com o Bonuz, um programa de fidelidade para restaurantes de todo o país. Além do diferencial da taxa (inexistente), os restaurantes ficam responsáveis pela logística de entrega com entregadores próprios ou com a contratação de serviços especializados em delivery.

Como funciona o Delivery do Bem / Karla Soares / Reprodução

Ao optar pelo serviço, o cliente pode utilizar a função cashback, sistema em que parte do valor de um produto ou serviço volta para o cliente. Está disponível no pagamento com a carteira digital da Ame, empresa responsável pela devolução dos valores.

No caso do Delivery do Bem, o cashback é de 10% em lojas selecionadas, pagando online com a Ame. Para utilizar, o cliente e o estabelecimento devem ter contas na Ame.

Como funciona o Delivery do Bem [Restaurante]

Para fazer parte do Delivery do Bem o empreendedor ou lojista deve entrar no site deliverydobem.com.br e fazer o seu cadastro. Nesse momento, é hora de informar dados do estabelecimento como nome, endereço, cardápio, área de entrega e etc.

Desde março (2020), a plataforma conta com restaurantes e outros estabelecimentos alimentícios como opções de entrega aos clientes. Verifique o que há na sua cidade.

Como funciona o Delivery do Bem / Karla Soares / Reprodução

Plataforma não tem suporte

O ponto positivo de todo esse processo é que ele é gratuito e foi desenvolvido para facilitar o uso do lojista. O negativo é que, por não ter custos, não oferece suporte.

“Não temos suporte para o Delivery do Bem, justamente por ele ser gratuito, então a plataforma foi feita de forma super simples para que todos pudessem acessar e já começar a usar”, complementa Hashimoto.

Economia de R$ 300 mil em taxas

Você deve estar se perguntando: de onde vem o dinheiro? O fundador conta que o projeto foi financiado com capital próprio da Zygo, que capta recursos como doações.

Pacote de Entrega / Yu Hosoi / Unsplash

“Em muito pouco tempo, passamos a marca de 1 mil lojas operando e a economia desses negócios com taxas (que seriam pagas a outros apps) já passa dos R$ 300 mil. Estamos crescendo bem e conseguindo ajudar os negócios e esses são os planos para o pós-pandemia, seguir ajudando da melhor forma os negócios locais”, avalia.

Karla Soares

Ex-redatora

Karla Soares é jornalista formada na Universidade da Amazônia e pós-graduada na Faculdade de Comunicação Social Cásper Líbero. Analista de Comunicação com experiência em produção de conteúdo institucional, foi redatora no Tecnoblog, atuando na editoria TB Responde, com ênfase na produção de textos sobre economia, aplicativos e pautas ligadas aos serviços públicos.

Relacionados

Relacionados