Início / TB Responde / Finanças /

O que é investimento-anjo e qual a diferença para capital semente?

O foco são startups em estágio inicial; entenda como funciona o investimento-anjo e qual sua diferença para o capital semente

Por

Um dos grandes desafios de uma startup, principalmente em estágio inicial, é o capital. Por isso, desde o começo os empreendedores buscam por pessoas que acreditam no seu negócio e que possam apoiá-lo. É nesse momento que entra o investimento-anjo — muitas vezes confundido com o capital semente. Se você quer saber o que é e como funciona esse tipo de aporte, continue aqui comigo.

O que é investimento-anjo. (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Dá para falar que o investimento-anjo é o primeiro aporte de uma startup. Antes disso, o capital injetado nesse tipo de negócio vem do próprio fundador, familiares e amigos próximos — prática conhecida também como bootstrapping.

Como estamos falando de uma empresa que está começando a dar seus primeiros passos, pode ser que o investimento-anjo venha antes mesmo de uma base de clientes. Às vezes, o que se tem é um modelo de negócio muito bem estruturado ou algum produto ainda em teste.

Isso quer dizer que o investidor que decide apostar nessa empresa pode se dar muito bem ou muito mal. Vamos pensar em um jogo da mega-sena: as chances de acertar são poucas, mas, se acerta, o retorno financeiro é altíssimo. Imagina, por exemplo, investir em uma startup que alguns anos depois ganha o título de unicórnio, ou seja, passa a valer, pelo menos, 1 bilhão de dólares — como a Apple, Google e Gympass — o risco é alto, mas a recompensa também.

Como investidores-anjo normalmente são empresários ou empreendedores com uma vasta experiência na área em que atuam, além do próprio capital, eles podem contribuir também com mentoria e networking. Assim, além de participação societária minoritária no negócio, o investidor-anjo também pode ajudar o empreendedor nas tomadas de decisões ocupando o papel de conselheiro.

Aperto de mãos entre parceiros. (Imagem: Cytonn Photography)

Como deu para perceber, o investimento-anjo é muito importante para o empreendedor que está começando. No entanto, é importante lembrar aqui que esse tipo de financiamento não garante o sucesso de um negócio. Por isso, é legal também que o fundador da startup procure um investidor-anjo que esteja de acordo com seus propósitos e objetivos para um “casamento perfeito”.

Aqui no Brasil, existem muitas organizações que podem ajudar neste sentido auxiliando ambas as partes.

É o caso da Anjos do Brasil, Gávea Angels e o Fundo Anjo (criado pelo Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social e gerido pela Domo Invest). Essas redes atuam na avaliação de startups, conexão entre investidores-anjo e empreendedores e até mesmo em capacitações para ajudar todos os atores do ecossistema.

Com essas organizações, é possível investir em grupo (de até 30 pessoas) e, assim, diminuir os riscos desse tipo de financiamento. Nestes casos, é nomeado um investidor-líder que vai coordenar toda a operação de investimento. É ele que ficará na linha de frente com a startup e, em troca, pode ter um percentual adicional no negócio.

Mas é claro que você também pode buscar novas ideias e negócios com sua própria rede de conexões e iniciar uma negociação diretamente com o empreendedor. Só lembre de avaliar bem antes de investir.

Diferença entre investimento-anjo e semente

Agora que você já sabe o que é investimento-anjo está na hora de entender o que é capital semente (também conhecido como seed capital) e qual a diferença entre eles.

Assim como o anjo, ele também é indicado para empresas em estágio inicial que precisam de dinheiro para acelerarem seus negócios. O capital aportado pode ser usado tanto para ajudar no desenvolvimento do produto ou serviço como na expansão de sua operação, contratação de time, entre outras demandas que ajudem a empresa a se estabilizar no mercado.

Esse tipo de financiamento costuma ser realizado por fundos de investimento que reúnem recursos de diversos investidores e “apostam” em mais de uma empresa — isso aumenta as chances de sucesso e retorno do investimento.

A principal diferença entre o investimento-anjo e o seed capital está no valor: neste segundo tipo de financiamento, o aporte pode chegar até R$ 5 milhões. Diferente do primeiro que não costuma passar de R$ 1 milhão. Por isso, falamos que o capital semente é o segundo nível na escala de investimento em startups.

Aqui no Brasil, um dos principais fundos criados para esse propósito é o Criatec. Ele foi criado em 2007 pelo BNDES a fim de apoiar empresas emergentes e estimular o investimento em capital de risco.

Com informações: British Business Bank e Abstartups