O que é marketing de influência?

#Publi…Instagram e outras redes sociais são os novos canais de comunicação para marcas que apostam em marketing de influência

Janaína Dantas
Por


As redes sociais vieram para mudar muitas coisas, inclusive a forma de fazer propaganda. Se antes, por exemplo, as pessoas eram impactadas vendo um outdoor na rua, agora elas se inspiram (e compram) depois de assistir um Stories no Instragram. Foi observando o poder desses canais de comunicação — junto aos criadores de conteúdo — que as marcas começaram a trabalhar com marketing de influência. Continue comigo para conhecer melhor essa estratégia de mercado.

O que é marketing de influência? (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)
O que é marketing de influência? (Imagem: Vitor Pádua/Tecnoblog)

Marketing de influência é o nome da estratégia utilizada por marcas para conquistar e se conectar com clientes por meio de criadores de conteúdo engajados em suas redes sociais. Ou seja, a empresa contrata influenciadores para divulgarem seus produtos ou serviços para suas bases de seguidores. O resultado disso são as famosas #publis que vemos por aí.

Por saber que os usuários têm mais confiança e uma conexão mais forte com influencers, as marcas podem utilizar essa estratégia para:

  • Aumentar as vendas;
  • Construir uma identidade;
  • Mudar a opinião pública (às vezes, depois de se posicionar de forma equivocada).

Apesar de parecer simples, as empresas precisam pensar em vários detalhes para que a estratégia dê certo e não seja só mais uma divulgação publicitária. 

Isso quer dizer que é preciso analisar o perfil do influenciador digital para saber se ele (e seus seguidores) tem a ver com a marca, qual o melhor canal a ser divulgado (Youtube, Instagram, Twitter…), qual a mensagem que deve ser transmitida e outros fatores que vou explicar abaixo.

Modelos de marketing de influência

A relação entre marca e influenciador pode ser paga ou não — e isso deve ser pensado logo no começo da estratégia. Veja mais abaixo:

  • Mídia paga (paid media): nesse modelo, de fato a empresa contrata o criador de conteúdo para falar sobre seu produto ou serviço. É comum também que as duas partes alinhem a mensagem e os materiais só sejam divulgados depois da aprovação por parte da contratante;
  • Mídia conquistada (earned media): aqui, o criador de conteúdo pode, por exemplo, ser convidado para um evento da empresa e fazer Stories lá; ganhar produtos e divulgar em suas redes sociais, mas não será remunerado por isso. Ou seja, a relação entre marca e influenciador é mais orgânica.
Galeria de fotos no celular. (Imagem: Melyna Valle/Unsplash)
Em mídia paga, normalmente o conteúdo produzido pelo criador de conteúdo é enviado para aprovação antes de ser postado. (Imagem: Melyna Valle/Unsplash)

Tipos de criadores de conteúdo

Outro ponto que deve ser definido logo no início é sobre o tipo (ou tipos) de influenciadores a marca irá trabalhar.

Há um tempo, as empresas davam prioridade só para quem tinha muitos seguidores, pois acreditavam que as ações de marketing só seriam efetivas se divulgadas por pessoas com grande visibilidade nas redes sociais. Acontece que nem sempre um número alto traz um bom engajamento, por isso o mercado de influência criou categorias para trabalhar melhor cada perfil.

De acordo com a Influency.me, plataforma para influenciadores digitais, existem 5 classificações:

  • Nanoinfluenciador: com até 10 mil seguidores;
  • Microinfluenciador: de 10 a 15 mil;
  • Intermediário: de 50 a 500 mil;
  • Macroinfluenciador: 500 mil a 1 milhão;
  • Megainfluenciador: acima de 1 milhão de seguidores.

Às vezes, um nanoinfluenciador pode engajar mais pessoas que um megainfluenciador, por exemplo. Por isso, é importante olhar outros números e entender exatamente o que se espera da parceria. Dependendo da campanha e do seu objetivo, é possível, inclusive, fechar o mesmo trabalho com alguém que tem 2 mil seguidores e com outra pessoa com 1 milhão.

Por que apostar em criadores de conteúdo

Além de aumentar a visibilidade e a confiança da marca, como já disse acima, o marketing de influência traz outros benefícios para uma empresa. Veja: 

  • Tráfego de alta qualidade;
  • Vendas diretas por meio de links de influenciadores e códigos de desconto;
  • Feedbacks diretos (e sinceros) do influenciador e seguidores sobre seus produtos e marca;
  • Em um recall de campanha, é bem provável que mais pessoas lembrem-se da sua marca.

Desvantagens do marketing de influência

Em relação aos desafios dessa estratégia, muitos profissionais apontam dois pontos: 

  • É difícil e demorado encontrar os influenciadores que tenham o perfil da marca;
  • Estratégia cara;
  • Métricas difíceis de serem acompanhadas.

De fato, há diversos desafios na implementação do marketing de influência. No entanto, quando executada da maneira certa, a estratégia pode trazer muito mais bônus do que ônus.

Além disso, existem diversas plataformas que já trabalham para facilitar a vida de empresas e criadores de conteúdo. Com a tecnologia como aliada, ficará cada vez mais fácil trabalhar com essa estratégia e colher seus frutos.

Com informações: Make Influence

Janaína Dantas

Analista de conteúdo

Janaína Dantas é jornalista formada pela Fapcom e fala sobre tecnologia desde 2019. Antes de ser analista de conteúdo no Tecnoblog, escreveu no Startupi e cobriu eventos sobre startups, inovação e empreendedorismo. Já atuou na área de comunicação de uma ONG e hoje faz trabalhos voluntários para democratizar o acesso à informação.

Relacionados

Relacionados