O que são altcoins?

Essencialmente, uma altcoin é qualquer criptomoeda que não seja o bitcoin (BTC); esse tipo de ativo digital pode ter diversas finalidades e categorias

Bruno Ignacio
Por

No amplo universo das criptomoedas, o bitcoin (BTC) foi o primeiro ativo do tipo. Claro, ele também ocupa a primeira posição em valor de mercado e se estabeleceu como algo revolucionário ainda em 2009. No entanto, existem milhares moedas digitais das mais diversas categorias por aí. Consideradas “alternativas” ao principal criptoativo do mercado, elas são comumente chamadas de “altcoins” pela comunidade cripto.

"Altcoin" é um termo amplo que se refere a qualquer criptomoeda "alternativa" que não seja o bitcoin (BTC). Elas possuem múltiplas categorias e podem ser voltadas para investimentos, transações ou governança dentro de projetos descentralizados específicos em redes blockchain, por exemplo.
O que são altcoins? (Imagem: Vitor Pádua/ Tecnoblog)

Dados do CoinMarketCap de abril de 2022 mostram que existem mais de 17 mil criptomoedas no mercado, fora os tokens de nicho, NFTs e outros criptoativos. Todas essas moedas digitais poderiam ser chamadas de “altcoins”. No entanto, não se trata de uma categoria oficializada, mas de um termo popularizado conforme outras criptomoedas foram surgindo desde o lançamento do bitcoin.

Então, em poucas palavras, “altcoin” se refere a qualquer tipo de criptomoeda que não seja o bitcoin. Até mesmo o ether (ETH), a segunda moeda digital de maior valor de mercado segundo dados do CoinMarketCap, ainda é uma altcoin (e a mais popular entre elas). Quanto a sua origem, o termo é uma abreviação de “moedas alternativas”.

Entre elas, encontramos nomes como:

  • Ether (ETH)
  • Ripple (XRP)
  • Tether (USDT)
  • Cardano (ADA)
  • Polkadot (DOT)
  • Stellar (XLM)
  • USD Coin (USDC)
  • Dogecoin (DOGE)
  • Chainlink (LINK)
  • Uniswap (UNI)
  • Shiba Inu (SHIB)

Quais os tipos de altcoin?

Se você conhece um pouco sobre criptomoedas, sabe que os nomes listados acima pertencem a várias subcategorias diferentes. Cada uma delas compartilha características em comum, como propósito, origem e funcionamento. Mesmo assim, vale destacar que algumas moedas digitais podem se encaixar em mais de um tipo e que essa categorização está em constante evolução conforme mais ativos são criados e a tecnologia avança.

O meme que inspirou as criptomoedas dogecoin e shiba inu (Imagem: Reprodução)
O meme que inspirou as criptomoedas dogecoin e shiba inu (Imagem: Reprodução)

Não vou tratar de todas as categorias existentes, mas descreverei brevemente as principais para pincelar um pouco melhor como as altcoins podem ser diversas:

  • Stablecoins: são as criptomoedas com valor lastreado em outro ativo menos volátil, como a USDT e USDC, que são pareadas ao dólar americano. Na prática, elas são tipicamente voltadas para transações e para reserva de valor com maior estabilidade.
  • Memecoins: como o próprio nome já sugere, são criptoativos baseados em piadas e memes da internet. O dogecoin e shiba inu são talvez as mais populares da categoria. Geralmente trazem preços unitários muito baixos, enorme suprimento de moedas e alta volatilidade. São também motivo de muito engajamento nas comunidades que abraçam sua natureza cômica. Até mesmo famosos, como Elon Musk, entraram na brincadeira em 2021.
  • Tokens utilitários: novamente, o nome já é um tanto autoexplicativo. São criptomoedas tradicionalmente voltadas para algum tipo de funcionalidade prática dentro de projetos cripto. Nesse sentido, o ether pode ser encaixado aqui, já que é uma das moedas digitais mais usadas para transações e negociações em blockchain.
  • Tokens de governança: por mais que o nome da subcategoria também traga “tokens”, esses ativos tem um propósito muito diferente do que foi descrito acima. Basicamente, eles gerenciam os direitos de seus detentores, de acordo com a quantidade de moedas acumuladas, no universo cripto. São particularmente muito usados no mundo das finanças descentralizadas (DeFi).

Investimento em altcoins é um bom negócio?

Enquanto o bitcoin já se consolidou até mesmo no meio empresarial, as altcoins são vistas como alternativas mais baratas de investimento. No entanto, cada uma possui suas próprias características e nem todas são voltadas para esse propósito.

As memecoins, por exemplo, possuem um potencial explosivo de valorização, mas o contrário também se aplica. Logo, elas são ativos digitais extremamente voláteis e de alto risco. As stablecoins, por outro lado, servem como reserva de valor e são melhor aproveitadas para transações ao manter um valor estável.

Dessa forma, cabe a você decidir se prefere um risco maior ou menor. Além disso, saiba onde está colocando seu dinheiro. Estude a criptomoeda em questão para evitar cair em golpes e não sofrer com desvalorizações repentinas que poderiam ter sido previstas.

Com informações: CoinMarketCap

Bruno Ignacio

Ex-autor

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Relacionados

Relacionados