Quais são os tipos de inteligência artificial?

Baseado na capacidade e funcionalidade; saiba quais são os tipos de inteligência artificial e suas classificações

Leandro Kovacs
Por

A inteligência artificial é uma ciência, e como todos os exemplos tem suas subdivisões. Veja abaixo, quais são os tipos de inteligência artificial de acordo com suas capacidades e funcionalidades dentro do espectro de aproximação entre funcionamento das máquinas com o cérebro humano.

Quais são os tipos de inteligência artificial? (Imagem: Alex Knight/Pexels)
Quais são os tipos de inteligência artificial? (Imagem: Alex Knight/Pexels)

A inteligência artificial e seus tipos

Uma vez que a pesquisa de IA pretende fazer as máquinas “emularem” o funcionamento semelhante ao humano, o grau em que um sistema de IA pode replicar as capacidades humanas é usado como o critério para determinar os tipos existentes.

Dependendo de como uma máquina se compara aos humanos em termos de versatilidade e desempenho, a inteligência artificial pode ser classificada em um ou entre os vários tipos de IA.

Quanto maior for a capacidade de executar funções mais semelhantes às humanas com níveis equivalentes de proficiência será considerado como um tipo mais evoluído de inteligência artificial, enquanto aqueles com funcionalidade e desempenho limitados é considerado um tipo mais simples e menos evoluído.

Capacidade de IA

1. Máquinas reativas

São as formas mais antigas de sistemas de IA com capacidade limitada. Elas imitam a capacidade da mente humana de responder a diferentes tipos de estímulos. As máquinas não possuem funcionalidade baseada em memória.

Resumindo, significa que não podem usar experiências adquiridas anteriormente para informar suas ações presentes, ou seja, essas máquinas não têm a capacidade de “aprender”. Sua usabilidade se resume a responder automaticamente a um conjunto limitado ou combinação de entradas. Seu exemplo clássico é o Deep Blue da IBM que venceu Garry Kasparov em um duelo de xadrez.

O Deep Blue da IBM é um exemplo de máquina reativa (Imagem: IBM/Divulgação)
O Deep Blue da IBM é um exemplo de máquina reativa (Imagem: IBM/Divulgação)

2. Memória limitada

Máquinas com memória limitada são aquelas que, além de possuírem os recursos de máquinas puramente reativas, também são capazes de aprender com dados históricos para tomar decisões. Quase todos os aplicativos existentes que conhecemos se enquadram nesta categoria de inteligência artificial.

Todos os sistemas atuais, como aqueles que usam o deep learning, são treinados por grandes volumes de dados de treinamento que são armazenados em sua memória para formar um modelo de referência para resolver problemas futuros. De chatbots e assistentes virtuais a veículos autônomos, todos são acionados por IA de memória limitada.

A criação de memória para acesso posterior forma uma possibilidade de novas "sinapses" (Imagem: Pietro Jeng/Unsplash)
A criação de memória para acesso posterior forma uma possibilidade de novas “sinapses” (Imagem: Pietro Jeng/Unsplash)

3. Teoria da mente

Por enquanto, funciona como um conceito ou um trabalho em andamento. A inteligência artificial baseada na teoria da mente é o próximo nível de sistemas de IA em que os pesquisadores estão empenhados em inovar.

Uma teoria de nível mental será capaz de compreender melhor os seres com as quais está interagindo, discernindo suas necessidades, emoções, crenças e processos de pensamento.

Embora a inteligência emocional artificial já seja uma indústria em desenvolvimento e uma área de interesse para os principais pesquisadores de ciência da computação, atingir este nível também exigirá o desenvolvimento de outros ramos da IA.

Para entender verdadeiramente as necessidades humanas, as máquinas de IA terão que perceber os humanos como indivíduos cujas mentes podem ser moldadas por vários fatores, de fato “compreender” os humanos.

4. “Autoconsciente”

Se a teoria da mente é um conceito de trabalho em andamento, a IA autoconsciente é uma formulação hipotética. Este tipo de IA não só será capaz de compreender e evocar emoções naqueles com quem interage, mas também terá emoções, necessidades, crenças e, potencialmente, desejos próprios.

É o tipo de inteligência artificial que os pessimistas da tecnologia desconfiam. Embora o desenvolvimento da autoconsciência possa potencialmente impulsionar nosso progresso como civilização aos trancos e barrancos, também pode levar à catástrofe — o filme “Matrix” e o domínio das máquinas.

Uma vez autoconsciente, a IA seria capaz de ter ideias como autopreservação, que podem direta ou indiretamente significar o fim da humanidade, já que tal entidade poderia facilmente superar o intelecto de qualquer ser humano e traçar esquemas elaborados para domar ou escravizar a humanidade.

O pior cenário possível das IA autoconscientes foi exemplificado na série de filmes Matrix (Image: Warner Bros./Divulgação)
O pior cenário possível das IA autoconscientes foi exemplificado na série de filmes Matrix (Image: Warner Bros./Divulgação)

Classificações técnicas e funcionais

5. Inteligência artificial estreita (ANI)

Este tipo de inteligência artificial representa toda a IA existente, incluindo até a mais complicada e capaz que já foi criada. A ANI se refere a sistemas de IA que só podem realizar uma tarefa específica de forma autônoma, usando recursos semelhantes aos humanos.

Essas máquinas não podem fazer nada além do que foram programadas para fazer e, portanto, têm uma gama muito limitada ou estreita de competências. Mesmo a IA mais complexa que usa machine learning e deep learning para ensinar a si mesma se enquadra na ANI.

6. Inteligência geral artificial (AGI)

Inteligência artificial geral é a habilidade do agente de IA em aprender, perceber, compreender e funcionar completamente como um ser humano. Esses sistemas serão capazes de construir de forma independente várias competências e formar conexões e generalizações entre domínios, reduzindo enormemente o tempo necessário para o treinamento.

Isso tornará os sistemas de IA tão capazes quanto os humanos, ao replicar nossas capacidades multifuncionais.

7. Superinteligência artificial (ASI)

Até onde podemos imaginar, seria o limite do desenvolvimento da IA. O desenvolvimento da superinteligência artificial provavelmente marcará o auge da pesquisa em IA, já que o AGI se tornará de longe a forma de inteligência mais capaz do planeta.

A ASI, além de replicar a inteligência multifacetada dos seres humanos, será extremamente melhor em tudo o que faz por conta da memória esmagadoramente maior, processamento e análise de dados mais rápidos e capacidades de tomada de decisão.

O desenvolvimento de AGI e ASI levará a um cenário conhecido como singularidade. E embora o potencial de ter máquinas tão poderosas à nossa disposição pareça atraente, essas máquinas também podem ameaçar nossa existência ou, pelo menos, nosso modo de vida.

Essas são as 7 classificações pensadas para determinar o nível de uma inteligência artificial, se pensarmos em capacidade, estamos na metade e evoluindo, mas ao levarmos em conta a classificação técnica, ficamos no primeiro dos 3 estágios e levaremos algum tempo para (e se) chegarmos aos próximos.

Com informação: Javat point, Gov tech, Innoplexus, Forbes.