TB Responde Ciência

Usar um transformador gasta mais energia?

Pretende adquirir equipamentos 220 V, mas só tem instalação para 110 V (ou vice-versa)? Descubra se um transformador é a opção para você

Ricardo Syozi
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Precisar variar entre 110 V e 220 V é algo que pode preocupar muitas pessoas. Ninguém quer desembolsar mais dinheiro devido ao uso excessivo, mas também temos dúvidas quanto à potência de equipamentos e gadgets. Para respirar fundo e não se desesperar ao receber uma conta de luz, é válido saber se usar um transformador gasta mais energia no seu dia a dia.

transformador gasta mais energia
O transformador pode ser bastante útil (Imagem: Vítor Pádua / Tecnoblog)

1. Gasta mais ou não gasta?

Infelizmente, usar um transformador gasta mais energia do que o padrão, afetando de uma forma ou de outra a conta de luz do local.

Quem afirma isso para o Tecnoblog é Daniel Ribeiro Gomes – doutor e professor no curso de Engenharia Elétrica do Instituto Mauá de Tecnologia (IMT). No geral, durante o processo de transformação de tensão, uma quantidade maior de watts acabará sendo consumida.

“Por outro lado, isso depende do aparelho, já que o acréscimo pode ser bem pequeno. Um micro-ondas, por exemplo, não faria uma diferença grande no fim do mês, ao contrário de uma geladeira”, conclui o professor.

2. Transformador consome energia sozinho?

Sim. O professor Gomes avisa que mesmo se deixarmos o equipamento desligado, mas ainda conectado à tomada, haverá um consumo constante de cerca de 2%. Tudo depende de sua potência, quanto maior for, mais irá absorver.

Sendo assim, ele sugere que “não é uma boa ideia deixá-lo conectado à energia se não estiver usando. Isso porque ele vai esquentar através de sua bobina primária, consumir eletricidade e poderá, em casos mais extremos, danificar”.

Transformador de energia para uso caseiro (Imagem: Reprodução / Amazon)
Transformador de energia para uso caseiro (Imagem: Reprodução / Amazon)

3. Afinal, como funciona o transformador?

Sem usar uma linguagem mais técnica, Gomes aponta que o objeto envolve fenômenos tanto elétricos quanto magnéticos. Ele pode ser “abaixador”, que diminui uma voltagem, ou um “elevador”, que a aumenta. Isso envolve sempre uma tensão de entrada e outra de saída, algo que o mestre ressalta:

Essa relação se dá no projeto de bobinas, a primária e a secundária, fios enrolados em um núcleo ferromagnético. Isso fundamenta o que muitos chamam de ‘comunhão de fluxo’ ou ‘fluxo mútuo’, algo que amarra magneticamente as bobinas e realiza a transformação de energia.

4. Como saber qual usar

Inicialmente, é preciso conhecer exatamente as tensões necessárias em seu local. Seja 110 V ou 220 V. Em seguida, a potência do transformador é importante para saber quanto de energia será gasta e se os equipamentos usados aceitarão bem a mudança.

Gomes recomenda que “o ideal é adquirir um aparelho que ofereça energia ‘de folga’, porque no comércio brasileiro há muitos fabricantes que usam materiais de baixa qualidade para otimizar o lucro. Falando nisso, é válido procurar por marcas conhecidas e consolidadas, pois elas têm opções de garantia”

5. Quais os cuidados a tomar

Para falar dos cuidados, Marcelo da Silva, eletricista profissional há mais de 20 anos na região da Mooca, em São Paulo, passou ao Tecnoblog duas dicas valiosas:

Nunca compre um transformador de energia de segunda mão. Isso porque é difícil saber quanto tempo o item tem de uso e seu estado físico apenas olhando para ele. Prestar atenção na manutenção e no estado também é relevante, pois com o passar dos anos, o envelhecimento do isolamento do núcleo pode criar um aquecimento em demasia, resultando em curtos-circuitos e decomposição do óleo.

Pode parecer banal, mas o profissional destaca que “sempre é preciso verificar a entrada e saída do equipamento, pois essa é a principal causa de acidentes e incêndios quando se trata de transformador de energia”.

Sempre é bom tomar cuidados extras quando o assunto é eletricidade (Imagem: Unsplash / Troy Bridges)
Sempre é bom tomar cuidados extras quando o assunto é eletricidade (Imagem: Unsplash / Troy Bridges)

6. Em quais equipamentos não é recomendado usar?

“No geral, a maioria dos eletrônicos de consumo como micro-ondas, furadeiras, aparelhos de TV, etc. não trazem resistência na hora de usar um desses objetos. O motivo disso é que hoje em dia, muitos já vêm com a opção bivolt direto da caixa”

Por outro lado, o eletricista ressalta que:

É preciso ler muito atentamente o manual de cada item. Em casos como um ar-condicionado, por exemplo, o ideal é não usar um transformador de energia. Há riscos de choques, curtos-circuitos e danos no aparelho. No caso de geladeiras, a maioria aceita facilmente um transformador, mas se a pessoa ficar com dúvidas, é uma boa ideia consultar um profissional para instalações e explicações sobre os cuidados.

7. Usar equipamentos de 220 V é mais econômico?

Por fim, Silva afirma que essa percepção é equivocada por muitas pessoas. “O gasto é determinado pela potência do aparelho. Por exemplo, se o seu chuveiro informa um consumo de 5.000 watts, então ele fará isso independentemente da voltagem escolhida em sua casa, seja 110 V ou 220 V. Por isso, é importante ler a embalagem de cada objeto”.

Não podemos esquecer que, independentemente da tensão, usar esses equipamentos com o transformador acabará aumentando a conta de luz, como afirmado pelo professor Daniel Ribeiro Gomes.

Há muitos questionamentos se um transformador gasta mais energia, contudo, sempre é válido tentar responder o máximo possível. Você ainda tem alguma dúvida sobre o assunto?

Esse conteúdo foi útil?

Ricardo Syozi

Repórter

Ricardo Syozi é jornalista apaixonado por tecnologia e especializado em games atuais e retrôs. Já escreveu para veículos como Nintendo World, WarpZone, MSN Jogos, Editora Europa e VGDB. Possui ampla experiência na cobertura de eventos, entrevistas, análises e produção de conteúdos no geral. Entrou para o Tecnoblog em 2021.