Testamos Jogos

Honkai: Star Rail é interessante, mas não espere a ação de Genshin Impact

Como a nova aposta da HoYoverse, desenvolvedora de Genshin Impact, Honkai: Star Rail é um lindo RPG estratégico de turnos e ideal para jogadores mobile

Bruno Ignacio
Por
Banner promocional de Honkai: Star Rail (Imagem: Divulgação/ HoYoverse)
Banner promocional de Honkai: Star Rail (Imagem: Divulgação/ HoYoverse)

Honkai: Star Rail é o mais novo título gacha da HoYoverse, empresa antigamente chamada miHoYo e a desenvolvedora do popular RPG online Genshin Impact. O Tecnoblog recebeu um convite para testar o jogo em sua segunda fase beta e teve a oportunidade de falar com um porta-voz do time de desenvolvimento do game. Serei breve: assim como eu, fãs de RPGs de turnos vão adorar Star Rail, mas o novo Honkai pode ser monótono demais para quem está acostumado com a ação de Genshin.

Todos os principais jogos da HoYoverse usam a mesma estratégia. Da história ao visual, os games são construídos com uma forte inspiração em animações japonesas, ou animes. Com Honkai: Star Rail não é diferente. Afinal, o slogan da desenvolvedora é “otakus tech salvam o mundo”.

Quando acessei o beta de Star Rail na versão para PC, minha primeira impressão foi a beleza futurista do jogo e o design de personagens. Já fui um jogador de Honkai Impact 3rd e ainda jogo Genshin Impact diariamente. Por isso, senti uma convergência visual muito interessante entre os dois títulos no novo game. Esse é uma característica que me agradou e me fez querer continuar jogando para conhecer mais personagens.

E, realmente, segui jogando… até demais. Logo percebi o primeiro fator desagradável de Star Rail. A introdução é relativamente longa e você não começa jogando com o personagem principal. Assim como em Genshin Impact, há um protagonista na história. Ele pode ser homem ou mulher, de acordo com a escolha do player. No entanto, você deve passar por vários diálogos e tutoriais usando personagens emprestados até conseguir controlar o protagonista.

Além disso, a história é particularmente confusa. Não se preocupe, não darei spoilers neste texto, mas confesso que entendi apenas um pequeno percentual do que estava acontecendo na primeira hora de gameplay. Por outro lado, essa confusão é também intrigante, o que me levou a querer continuar jogando para preencher as lacunas do enredo.

Honkai: Star Rail traz mais estratégia e menos ação

A gameplay é bem satisfatória. Se trata do primeiro RPG de turnos da HoYoverse, mas ele entrega os melhores elementos do gênero. Sou um grande fã da franquia Dragon Quest, dos jogos Pokémon, Digimon e de muitos outros JRPGs. Dito isso, a redução na ação e o acréscimo de mais estratégia na gameplay me agradam bastante.

Honkai: Star Rail aposta na gameplay estratégica e em turnos
Honkai: Star Rail aposta na gameplay estratégica e em turnos (Imagem: Screenshot / Tecnoblog)

Por outro lado, jogadores de Genshin Impact e de outros games de mundo aberto e de bastante ação podem achar Star Rail e sua mecânica de turnos monótona. A exploração também é bem limitada. Os mapas são fechados, não é possível pular, planar e nem nada do tipo. O jogador apenas anda e corre em busca de objetivos ou itens.

A batalha com um inimigo é iniciada com um golpe, uma das únicas ações que você pode fazer fora de uma luta. Cada personagem também pode usar uma habilidade fora de combate, que pode regenerar vida, atacar o inimigo à distância e gerar alguma fraqueza quando a luta iniciar, ativar um buff de status para todo o time e muito mais.

Há elementos que são fracos ou fortes contra outros e cada personagem possui três tipos de ataque: ataque básico, uma habilidade única e sua ultimate. Cada ação é ordenada conforme o atributo de velocidade do personagem, fazendo ele agir antes ou depois do inimigo, por exemplo.

Cada um deles possui um turno próprio. Suas habilidades únicas consomem determinada quantidade de energia, que é compartilhada para toda a equipe e regenerada conforme o round de batalha se encerra. No entanto, as skills ultimate podem ser usadas a qualquer momento, desde que estejam carregadas. Esse é um ponto-chave para a estratégia de luta em Honkai: Star Rail e o momento certo de usá-las podem garantir uma derrota ou vitória.

Além disso, as ultimates são especialmente empolgantes nas lutas. Cada personagem possui uma animação única (e muito bonita) ao ativar essa skill.

Ultimates em Honkai: Star Rail trazem animações únicas para cada personagem
Ultimates em Honkai: Star Rail trazem animações únicas para cada personagem (Imagem: Screenshot / Tecnoblog)

Fácil demais?

Claro, poucos jogos são realmente difíceis no início. Honestamente, não senti nenhuma grande dificuldade em três horas de gameplay. Porém, se formos comparar com seu famoso irmão Genshin Impact, Honkai: Star Rail é mais desafiador por exigir que você ao menos pense sobre cada ação dos seus personagens e planeje alguma estratégia.

No entanto, o jogo é fácil, especialmente quando você equipa bem seu time e possui nível o suficiente para enfrentar determinado inimigo. Claro, enfrentar um boss de nível 15 enquanto sua equipe está no nível 10 deixa as coisas mais complicadas, mas isso é algo comum em todos os RPGs que existem.

É possível formar times de até quatro personagens em Honkai: Star Rail
É possível formar times de até quatro personagens em Honkai: Star Rail (Imagem: Screenshot / Tecnoblog)

Inclusive, o sistema de equipamentos é relativamente simples e similar ao de Genshin Impact. Há as “Relics”, que são como armaduras e acessórios, há os “Light Cones”, que funcionam como cartas com atributos muito importantes para seu personagem. Na prática, é tudo muito customizável e você pode formar um time de até quatro personagens, pensando em estratégias para balancear atacantes, suportes e buffers, por exemplo.

Basicamente, basta equipar sabiamente seus personagens e montar um time balanceado e não terá conteúdo que você não consiga fazer.

Um gacha game não muito generoso

Vamos falar então de um dos elementos mais polêmicos do mundo gamer: o sistema de gacha. Assim como os outros títulos da HoYoverse, você consegue mais personagens na sorte. Se usam cristais especiais in-game para comprar chances em determinado banner. Assim, pode vir um personagem de raridade quatro ou cinco estrelas.

Banner do personagem Jing Yuan em Honkai: Star Rail
Banner do personagem Jing Yuan em Honkai: Star Rail (Imagem: Screenshot / Tecnoblog)

Naturalmente, os cinco estrelas são bem raros e difíceis de se conseguir, mas também possuem status mais fortes. No entanto, assim como ocorre em Genshin Impact, esses personagens não são nada necessários para completar qualquer conteúdo. Porém, a graça de um jogo gacha é buscar os personagens que mais te agradam e variar constantemente a gameplay e as possibilidades de times.

Genshin Impact é famoso por ser bem “mão de vaca” na aquisição dos itens necessários para comprar as chances de se conseguir um personagem. Honkai: Star Rail não é muito mais generoso. Ainda estamos falando do beta, mas não é tão fácil conseguir cristais o suficiente para dar um único “tiro” em um banner limitado. Nesse sentido, Honkai Impact 3rd ajuda muito mais o player a conseguir o personagem que quer sem obrigá-lo a colocar dinheiro real no game.

Honkai: Star Rail foi totalmente pensado para o mobile

Ainda que Star Rail esteja disponível para PC, Android e iOS, o game foi totalmente desenhado para plataformas mobile. Diferentemente de Genshin Impact, a interface e a falta de ação em tempo real são fatores que auxiliam bastante ao se jogar em uma tela menor e no touchscreen.

Sempre odiei jogar Genshin no celular justamente porque os controles são bem mais difíceis, especialmente quando uma luta exige reflexos rápidos e precisão. Bom, um RPG de turnos não tem esse problema. Testei o beta de Star Rail no Android e achei até mais confortável de se jogar do que no PC. Além disso, o gráfico é um pouco mais leve e exige menos do aparelho em comparação com Genshin Impact.

Interface de Honkai: Star Rail
Interface de Honkai: Star Rail no PC (Imagem: Screenshot / Tecnoblog)

Desenvolvedores comentam o que esperar de Star Rail

O Tecnoblog teve a oportunidade de conversar com um porta-voz da HoYoverse e dos desenvolvedores de Honkai: Star Rail. A empresa comentou que o novo jogo “é uma extensão do universo Honkai”. Porém, a companhia não espera que seus games compitam entre si. Por isso, o novo jogo conta com uma mecânica de turnos, se tornando o primeiro RPG do tipo desenvolvido pela HoYoverse.

Honkai: Star Rail é uma nova aposta nos jogos de estratégia baseados em turnos, se afastando de nossos títulos anteriores em termos de jogabilidade, visão de mundo, enredo e estilo… Cada jogador tem suas próprias preferências e gostos. Queremos oferecer uma maior variedade de jogabilidade e conteúdo, para que mais jogadores sejam capazes de encontrar algo adequado para si.”

Porta-voz da HoYoverse em entrevista ao Tecnoblog

A empresa acrescenta que, ao contrário da sensação de combate instantâneo de seus outros jogos, games de estratégia baseados em turnos “têm seu próprio charme”, pois a diversão vem da “emoção de planejar bem, pensar e derrotar seus inimigos”.

A HoYoverse disse também que quer que Star Rail seja amigável tanto para iniciantes no gênero quanto para jogadores mais experientes e que buscam algum desafio. Ainda que eu ainda não tenha encontrado algo realmente difícil dentro do game, quem sabe com mais horas de gameplay eu chegue lá.

Crossovers e versão para consoles?

Sendo um novo título do universo Honkai, Star Rail pode muito bem trazer crossovers com Genshin e Honkai Impact. No entanto, a HoYoverse afirmou estar focada em lançar o game completo no momento, e não revelou nenhum plano concreto para trazer histórias e personagens interligados com os outros jogos da desenvolvedora. Por fim, questionei sobre a chegada de Star Rail para consoles, algo muito desejado pelos jogadores.

Ainda que a empresa não tenha me confirmado com todas as palavras, o porta-voz me disse que “Honkai: Star Rail está sendo desenvolvido como um jogo multiplataforma, e esperamos que mais jogadores tenham a oportunidade de experimentá-lo. Informaremos as plataformas exatas em que o jogo estará disponível quando ele for lançado.”

Bruno Ignacio

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque