Meio Bit » Hardware e periféricos » O rei dos comilões: Sony Xperia X reserva 12 GB de espaço para o SO

O rei dos comilões: Sony Xperia X reserva 12 GB de espaço para o SO

Sony bate recorde da Samsung com o Xperia X, o smartphone cujo sistema operacional devora DOZE dos 32 GB de memória interna do aparelho

4 anos atrás

magali

Você se lembra quando a Samsung era a grande comilona do espaço em Androids, graças a suas customizações pesadas via TouchWiz? Para refrescar sua memória, quando o Galaxy S4 foi lançado em 2013 o aparelho de 16 GB só liberava metade do espaço interno para o usuário, o restante era devorado pelo sistema.

Na época foi um fuzuê danado, a Samsung recomendou aos usuários que utilizassem cartões micro-SD (yay, vamos gastar mais dinheiro!) para só depois se lembrar que apps não podiam ser instalados na mídia externa, prometendo assim uma solução; o problema é que ela foi uma bela gambiarra e para piorar, seus lançamentos posteriores não corrigiram essa situação. Mesmo hoje 8 GB são comprometidos no Galaxy S7 e o S7 Edge, embora eles comecem com modelos de 32 GB. Ao menos é melhor do que a pataquada S6/S6 Edge, que não possuíam entrada para cartões de memória.

Só que a Samsung pode agora respirar aliviada, já que ela foi destronada por esse carinha aqui:

xperia-x

Este é o Xperia X, o modelo mid-high da nova linha de smartphones da Sony apresentada durante a MWC 2016. Este aparelho de meio-termo possui uma série de atrativos como um bom SoC, 3 GB de RAM, câmeras decentes e um acabamento de primeira, mantendo a tradição da companhia japonesa em sempre oferecer os Androids mais elegantes (ainda hoje acho o Xperia Z2 mais bonito do qualquer iPhone).

Infelizmente a Sony cometeu um erro, e bem grande: ela não soube otimizar seu sistema operacional. Não que isso seja novidade, modelos da Sony já comiam quase que o mesmo tanto de memória que os aparelhos da Samsung (o SO do Xperia M4 Aqua ocupava 6 GB, e ele foi vendido por aqui em uma versão de 8 GB…), mas desta vez eles se superaram. O Xperia X, cuja versão mais modesta possui 32 GB de espaço interno já sai da caixa com 12 GB comprometidos, e apenas 20 GB liberados para o usuário.

De novo: o sistema operacional de um dispositivo mobile ocupa o mesmo espaço do Windows 10 64 bits. A título de comparação, o OS X 10.11 El Capitan só reserva 7,9 GB de meu Mac Mini.

O que tenho notado é um inchaço geral do espaço do Android conforme aparelhos com memórias mais generosas tem sido lançados. Parece que a otimização de espaço, que deveria ser prioridade mesmo hoje (cada GB economizado faz diferença) já que não estamos mais na época de unidades internas medidas em megabytes perdeu importância, e os fabricantes atocham os aparelhos de apps inúteis e customizações desnecessárias, isso quando o próprio código não é otimizado.

O Moto Maxx é um bom exemplo, que após as atualizações para o Android 6.0 Marshmallow reservou 10,74 GB para o SO; por sorte ele possui generosos 64 GB de memória, mas e se não fosse o caso?

Ao menos a Sony permite que o usuário utilize cartões micro-SD de até 200 GB no Xperia X, mas isso é transferir uma responsabilidade sua para o consumidor. A empresa deveria se esforçar em otimizar a versão customizada de seu Android e oferecer aparelhos com memória disponível decente, o suficiente para que seus consumidores carreguem sua biblioteca completa no bolso se assim desejarem, ao invés de morrer em alguns bons tostões a fim de adicionar mais memória e tentar contornar um problema que não foi causado por eles, mas serão quem irá pagar o pato.

Fonte: Sony.

relacionados


Comentários