Início » Ciência » Chips com “neurônios” da IBM levarão inteligência artificial para dentro do seu smartphone

Chips com “neurônios” da IBM levarão inteligência artificial para dentro do seu smartphone

Emerson Alecrim Por

Chip - cérebro

Há pouco mais de um ano, a IBM apresentava o TrueNorth, um processador que chamou as atenções por ser inspirado no modo como o cérebro trabalha. Mas não pense que esse é um daqueles projetos que logo caem no esquecimento. Ao longo dos últimos meses, os trabalhos avançaram bastante. Os pesquisadores conseguiram até chegar perto da “capacidade de processamento” do cérebro de um rato.

Quando a gente precisa explicar para uma pessoa pouco habituada com tecnologia o funcionamento básico de um computador, é comum nos referirmos ao processador como o cérebro da máquina. A analogia não é incorreta, mas, tecnicamente, ela não faz muito sentido. A computação atual é baseada na Arquitetura de von Neumann, modelo que descreve processamento de dados armazenados em memória a partir de operações lineares. O cérebro não trabalha assim.

Uma unidade do TrueNorth

Uma unidade do TrueNorth

O TrueNorth é diferente da tecnologia atual porque as conexões entre seus transistores são feitas de um modo que lembra a comunicação dos neurônios: com a formação de sinapses.

Na atual fase, o chip é capaz de simular uma rede com um milhão de neurônios e 256 milhões de sinapses. Parece muita coisa, mas, dependendo da aplicação, não é. Porém, a coisa toda ficou mais interessante quando os pesquisadores da IBM montaram uma matriz com 48 unidades do TrueNorth. Isso fez o conjunto ter 48 milhões de neurônios digitais. É isso que deixou o sistema mais ou menos próximo da capacidade do cérebro de um rato — um daqueles bem pequenos, mas ainda um rato.

Os 48 chips trabalhando em conjunto

Os 48 chips trabalhando em conjunto

Sob liderança do cientista-chefe da IBM Dharmendra Modha, os pesquisadores do projeto criaram um software para o TrueNorth que faz reconhecimento de objetos e palavras em imagens. Essa não é uma tarefa fácil, portanto, é realmente fantástico que a tecnologia tenha chegado a esse ponto. Mas a iniciativa foi criada para ir muito mais além.

Essa arquitetura “neuro-sináptica” atua como se tivesse conjuntos próprios de memória e processamento, visto que sinapses e neurônios assumem essas funções. Isso faz o consumo de energia ser muito baixo (em torno de 70 miliwatts) e a execução de determinadas tarefas, mesmo complexas, ter mais desempenho, pois grupos de neurônios podem ser direcionados a atividades distintas.

A proposta do TrueNorth se mostra especialmente útil em sistemas de inteligência artificial. Os pesquisadores estão trabalhando para trazer avanços substanciais para redes neurais de aprendizagem profunda, um tipo que exige bastante poder de processamento.

TrueNorth

Sabe onde toda essa sofisticação pode parar? Dentro do seu smartphone. Google, Microsoft e Facebook são os exemplos mais emblemáticos de empresas que empregam redes neurais em seus serviços. O problema é que, para utilizá-los, precisamos de acesso constante à internet — a quase totalidade das aplicações roda nas nuvens. Com um processador como o TrueNorth, que consome pouca energia e oferece muita capacidade de processamento, mesmo as tarefas mais exigentes poderão ser executadas pelo próprio aparelho.

“A melhor maneira de prever o futuro é inventá-lo”

Estamos falando só do começo. A ideia abre espaço para chips bem pequenos que, por consumirem pouca energia, podem tornar smartwatches e outros wearables bem mais interessantes.

Mas convém controlar as expectativas. Quando pronta, uma arquitetura como essa exigirá mudanças radicais na forma como desenvolvemos software, logo, não veremos a tecnologia em ação tão cedo. Mas os pesquisadores estão confiantes. “A melhor maneira de prever o futuro é inventá-lo. Esse tem sido o meu mantra”, afirma Modha.

Com informações: Quartz, Wired

Comentários

Envie uma pergunta

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Enio Del Grossi Del Grossi
Então se um estímulo consegue abrir ou alargar a pinça do terminal do axônio, imediatamente é introduzido o devido neuro-transmissor. É certo que várias transmissões de dados se dá pelos dendritos, terminações menores do neurônio. O axônio é a terminação maior. Mas... Chega de complicação. Há essa altura, estou certo? Estou errado? Estou "viajando"? - Sei lá. - Meus agradecimentos aos leitores e ao autor do blog.
Enio Del Grossi Del Grossi
Todo e qualquer estímulo recebido vai para a memória definitiva. Mas o sistema reticular? O estímulo fraco atinge a periferia do sistema reticular. Não atinge o lugar certo. Então o estímulo não é considerado. O estímulo considerado é o que vem com força para ultrapassar a periferia do sistema reticular. Questão de mecânica!! - Na tomada de decisão entre A ou B, prevalece o estímulo mais forte. -/-/-/- Como um neurônio transporta uma informação? Digamos; o estímulo da cor verde. Esse estímulo tem força para abrir a pinça de determinado axônio de algum neurônio. Se o estímulo encontra um axônio mais consistente, não tem força para abrir a pinça do terminal. Se encontrar um axônio mais fraco? O axônio verga. Então cada estímulo com seu neurônio adequado. Por outro lado, cada neurônio só comporta o neuro-transmissor compatível a ele. Isso acaba sendo uma questão de Mecânica!!! A mecânica convencional não pode ser desprezada. - A inteligência artificial é uma cópia da inteligência humana. - Minha suposição está certa? Está errada? - Enfim, continuamos tentando...
Enio Del Grossi Del Grossi
Na tentativa de explicar o arquivamento de memória no cérebro humano, temos que observar que os eventos ocorrem em ordem cronológica. A coisa não é impressa numa chapa plana. Exemplo: quando se toma um cafezinho, antes põe-se café na xícara. Depois o ingere. Como esbocei no rascunho não tenho condições de explicar aqui. O gráfico que estou fazendo sobre o circuito neuro-cerebral considera a ordem dos eventos no tempo.
Enio Del Grossi Del Grossi
Tento decifrar o mecanismo de memória cerebral humana na recepção. Supõe-se a existência de neurônios receptores ou coisa que o valha. Suponho que moléculas negativadas deixam sulcos na recepção. Moléculas positivadas promovem saliências. São moléculas de neuro-transmissores. Assim suponho o arquivo de memória. Posso supor que uma saliência seja equivalente a 1 ou sim. A depressão deve significar zero ou negação. Enfim, cores, sons, aromas, sabores e sensações emocionais sejam determinadas por impactos ou golpes ou anti-golpes. O negativado seria impacto. O positivado, um contra-impacto. Então uma memória não duradoura envolveria impactos e contra-impactos provocados por feixes estreitos de neurônios. A duradoura por conjuntos maciços de neurônios e a área de recepção mais larga. Como justificar a não lembrança de fatos importantes da primeira infância? - Área de recepção estreita demais, uma vez que o cérebro ainda não é bem formado. - Sei que vivo à base de suposições. Se não é como penso, pode ser algo mais ou menos parecido. - Então se sabe que a inteligência artificial é cópia da inteligência humana ou animal.
Enio Del Grossi Del Grossi
No sistema neural natural cada neurotransmissor tem seu potencial elétrico definido. Cada tipo de neurotransmissor é constituído de moléculas orgânicas. Na inteligência artificial a matéria orgânica é substituída por algum outro elemento químico (qual deles não me recordo). Na formação das moléculas dos diferentes neurotransmissores ocorre "roubo" de elétrons. Sobram elétrons em um átomo e falta em outro. Uma molécula negativada manda um tipo de golpe (informação x). Uma molécula duplamente negativada golpeia informação y. Um tipo de golpe sugere a informação da cor verde. Um golpe diferente sugere o vermelho. Determinados golpes sugerem informações de alegria. Uns outros golpes elétricos nos dão informações de terror. Mas, se pararmos para refletir, veremos que todas as informações se processam através de golpes mecânicos.
Enio Del Grossi Del Grossi
Sempre suspeitei que qualquer informação (no cérebro) ocorre através de golpes elétricos. Conforme a natureza do golpe, um tipo de informação. Se analisarmos atentamente, um golpe elétrico ou eletrônico acaba sendo um golpe mecânico. Quando se fala em eletro-magnetismo, no que toca em atração e repulsão, pensamos em atração mágica. Entendo que existe trâmite mecânico na interação eletro-magnética. Os físicos já sabem que, na atração ou na repulsão, atua um bóson, uma partícula de interação. No eletro-magnetismo o bóson é o fóton. Mas, pararam por aí. Ninguém fala como o bóson entra na dança. - Estou quase concluindo um mapa do circuito cerebral. A tarefa, em certas ocasiões foi difícil. Em tal esquema cada golpe eletro-eletrônico significa um golpe mecânico. Faço isto porque gosto e não almejo apoio de alguém ou de qualquer organização. Os problemas que enfrento estão nos cursos à distância que faço. Normalmente tais cursos não são atualizados. Busco me atualizar através da Internet.
tiagoluz8
manooo, me passa um desse que tu fumou, deve ser do bom. Quase morri de falta de ar aqui com a falta de vírgulas desse seu texto.
Isaque Fraga
nunca tivemos tantos avanços da ciencia antes, desde de que começo o seculo 21 ja tivemos google, youtube, facebook, smart phones mega compuatadores avanços tanto na tecnologia quanto na ciencia e tantas outros avanços nas mais diversas areas que nunca antes tinham se expandido tanto quanto nesse seculo e se prepare skynet ao ataque kk e em 2018 uma empresa americana ainda ta planejando e ja começo a fazer um foguete pra mandar um casal de idosos a marte quando a orbita dos planetas tiveram alinhadas e mais proximas a terra em 521 dias eles vao chega a marte dar volta no planeta solta a capsula e volta flutuando pra casa vao dar umas voltas na terra pra perde a velocidade e pousa o loco e em 2020 outra empresa tbm americana esta construindo naves (cpsulas) com mantimentos etc para mandar casais que se candidatarem e mandar um video etc vao analisa tudo tanto qquanto mental e fisicamente os integrantes e manda pessoas pra uma viagem so de ida para marte para morar la e começar a povoar o planeta e a cada 2 anos uma capsula junto com um foguete lotado de suprimento deste higiene, água, comida, capsulas de oxigeno, robos, etc serão levados ao planeta para enfim e possivelmente se instale bases la para por exemplo observar outros planetas mais de perto etc bom enfim ta chegando o futuro :D
Isaque Fraga
kkkkkkkkkkkkk vão dizer que isso é coisa do diabo ou que é a skynet tentando domina o mundo kkkkk
Ricardo - Vaz Lobo
Fascinante!!!!!!!!!!
totoso8

_____ queria ver como ficaria a Cortana com um desses...😁

Raphael Ribeiro Silva
_____ queria ver como ficaria a Cortana com um desses...?
tiagoluz8
seria legal se essa tecnologia avançasse mais rápido que a Lei de Moore, pq se dobrar de capacidade a cada 2 anos vai demorar pra chegar num cérebro humano.
Trovalds
Já tá difícil convencer os desenvolvedores em migrar dos 32bits pros 64bits, quem dirá então mudar totalmente de paradigma.