Início » Gadgets » Kindle Oasis (2019): experiência de leitura excelente e... cara

Kindle Oasis (2019): experiência de leitura excelente e... cara

Novo Oasis é de longe o melhor Kindle da linha, mas preço inicial de R$ 1.149 judia do bolso

Emerson Alecrim Por
17 semanas atrás

Em junho de 2019, o Amazon Kindle Oasis chegou à terceira geração sem perder a proposta que carrega desde a primeira: ser um e-reader premium para quem gosta muito de ler e, bom, tem dinheiro de sobra. Isso porque os preços oficiais do dispositivo vão de R$ 1.149 a R$ 1.299 no Brasil.

São preços altos para um gadget que só tem uma missão: permitir que você leia ebooks e afins com praticidade. Em troca de valores tão altos, o Kindle Oasis 2019 entrega design ergonômico, tela de 7 polegadas com controle de brilho e temperatura, proteção contra água (certificação IPX8) e 8 GB ou 32 GB de armazenamento.

Vale a pena? A bateria dura bastante? O dispositivo muda muito em relação ao Kindle Oasis de segunda geração? A tela é tudo isso mesmo? É o que você vai descobrir a partir de agora.

Em vídeo

Kindle Oasis 2019: o mesmo design da versão 2017 (e isso é bom)

Se você colocar o novo Kindle Oasis ao lado do Kindle Oasis 2017, vai ter dificuldades para saber qual é qual: o design praticamente não mudou de uma geração para a outra.

Nesse quesito, a Amazon deve ter colocado em prática a regra de não mexer em time que está ganhando: se por um lado não há novidades no visual, por outro, o e-reader continua sendo um dispositivo incrivelmente ergonômico.

A tampa traseira tem um acabamento fosco de alumínio que, além de proporcionar robustez, evita que o dispositivo escape facilmente dos dedos. Mas o ingrediente principal é a assimetria: o Kindle Oasis é fininho, mas tem um lado mais espesso justamente para facilitar o encaixe na mão.

Note que a parte mais alta tem uma curvatura para fora que ajuda no posicionamento dos dedos

Note que a parte mais alta tem uma curvatura para fora que ajuda no posicionamento dos dedos

Assim como nas gerações anteriores, você pode usar o Kindle Oasis 2019 com qualquer uma das mãos. A experiência é a mesma para ambas: se você virar o dispositivo para trocá-lo de mão, a orientação da tela mudará automaticamente — e de maneira rápida.

Para quem está conhecendo o Kindle Oasis agora, saiba desde já que aqueles dois botões ao lado da tela têm como função principal avançar ou voltar páginas durante as leituras.

Kindle Oasis 2019

Também dá para fazer isso com toques nas telas, mesmo assim, faz sentido que esses botões estejam ali: graças a eles, é possível mudar de página rapidamente mesmo que você esteja segurando o e-reader com apenas uma mão. Isso porque eles estão localizados justamente na região em que o polegar é apoiado.

Na parte inferior (ou superior, dependendo de como você segura o Kindle) está o botão de liga / desliga. O outro extremo abriga a porta micro-USB. Aqui está uma característica que poderia ter mudado: até por conta do preço, seria legal o novo Kindle Oasis ter vindo com USB-C.

 Apesar de ser um dispositivo premium, o Kindle Oasis 2019 ainda traz micro-USB

Apesar de ser um dispositivo premium, o Kindle Oasis 2019 ainda traz micro-USB

Não há nada de errado com a porta micro-USB. Ela funciona como tem que funcionar. Mas como a indústria tem substituído esse padrão pelo USB-C, acredito que a Amazon deveria ter seguido pelo mesmo caminho por uma questão de coerência.

Tela: agora com ajuste de temperatura

A ergonômica do Kindle Oasis é um ponto fortíssimo, mas a tela e-ink do modelo acaba sendo a sua característica mais notável. Ela conta com 7 polegadas de tamanho contra as 6 polegadas do Kindle básico e do Paperwhite. É uma diferença pequena, mas que pode melhorar a experiência de leitura de livros com parágrafos muito longos, por exemplo.

Já a definição é de 300 pixels por polegada (ppi). Junte essa característica à proteção antirreflexo da tela e fica parecendo que você está olhando para uma folha em papel. Apesar disso, a intenção aqui é tornar a leitura mais confortável e prática, não necessariamente imitar livros de papel. O Kindle Oasis faz bonito nesse quesito: a densidade da tela é ótima para leitura até com fontes muito pequenas.

Até aqui, a tela do novo Kindle Oasis não difere em nada do display da geração anterior. Mas há diferenças, sim. Começa pelos LEDs para retroiluminação: agora há 25 deles contra 12 LEDs do modelo antecessor. Não preciso nem dizer que a iluminação é muito bem distribuída pelo painel.

Kindle Oasis 2019

Com temperatura fria

Depois vem a característica que a Amazon mais destaca no Kindle Oasis 2019: o ajuste de temperatura de luz, que deixa a tela com tons de âmbar. Trata-se de uma proposta similar à que existe em smartphones, por exemplo: tons mais quentes ("amarelados") tendem a proporcionar mais conforto visual.

Faz diferença? Depende do perfil de uso de cada pessoa, mas costuma fazer, sim. O ideal é que você use temperaturas mais quentes à noite, especialmente antes de dormir, pois tons frios (branco ou levemente azulados) tendem a te deixar mais desperto ou incomodar mais os olhos caso você esteja em um ambiente pouco iluminado, razão pela qual eles são ideais apenas para leituras diurnas.

Kindle Oasis 2019

Com tom quente

É claro que é preciso haver equilíbrio entre brilho e temperatura. O brilho tem até 24 níveis de ajuste manual, embora você também possa habilitar a opção de ajuste automático que, aliás, funciona bem.

Também há 24 níveis de temperatura. Convém testar vários níveis até encontrar aquele que mais te agrada. Se ambos os parâmetros estiverem em níveis muito altos, a tela assumirá um tom alaranjado tão excessivo que chega a ficar bizarro.

Kindle Oasis 2019

Na programação da temperatura, você também pode configurar esse parâmetro para ser ativado automaticamente de acordo com o nascer e o pôr do sol, ou definir um horário para a intensidade da sua preferência entrar em ação (por exemplo, das 18:00 às 7:00).

O software é bom, mas continua centrado no ecossistema da Amazon

Soa como uma conclusão do Capitão Óbvio, mas eu explico: o software do Kindle Oasis continua prático e intuitivo, mas ainda não é tão versátil com conteúdo que vem de fora de Amazon. Isso vale principalmente para PDFs, provavelmente, o formato externo que os usuários mais gostariam que o Kindle exibisse bem.

Sim, PDFs são compatíveis com toda a linha, mas como esse tipo de arquivo frequentemente é formatado em tamanho A4, lê-los na compacta tela do Kindle nem sempre é uma tarefa trivial. Em relação às gerações anteriores, o Kindle Oasis não teve avanços nesse sentido.

Você pode usar ferramentas de conversão (como a conversão via e-mail da própria Amazon) ou de ajustes para tentar otimizar o PDF para Kindle, mesmo assim, a experiência nem sempre é das melhores. Outra opção seria aplicar zoom. Seria: o zoom funciona, mas é relativamente lento, especialmente em PDFs pesados ou com muitos elementos gráficos.

Para PDF, o Kindle Oasis continua sendo só um quebra-galho

Para PDF, o Kindle Oasis continua sendo só um quebra-galho

Tirando isso, o Kindle Oasis continua oferecendo uma interface organizada e cheia de recursos, com os principais estando acessíveis a partir da barra superior. Se você tem outro modelo de Kindle, a experiência é praticamente a mesma aqui: a Amazon padronizou a interface para ela funcionar do mesmo jeito em todas os sabores da linha. Há apenas diferenças sutis inerentes às características de cada modelo.

Armazenamento e bateria

Um detalhe interessante é que a Amazon resolveu trazer ao Brasil o Kindle Oasis nas versões com 8 GB e 32 GB. Esta última existe por conta da compatibilidade do e-reader com o Audible, serviço que disponibiliza centenas de milhares de audiolivros, além de versões em áudio de jornais, revistas e programas de TV.

A contrapartida é que o Audible não está disponível no Brasil. Uma saída então é usar o serviço com uma conta na Amazon dos Estados Unidos — por lá, também é possível encontrar o novo Oasis em versão 4G, que segue sem previsão de lançamento por aqui.

Kindle Oasis 2019 ao lado de um Kindle Paperwhite de segunda geração

Kindle Oasis 2019 ao lado de um Kindle Paperwhite de segunda geração

Com relação à bateria, a Amazon diz que o novo Kindle Oasis mantém a autonomia de até seis semanas levando em conta os seguintes critérios: 30 minutos de leitura diária, brilho no nível 13 e conexão sem fio desativada.

Não sei se chega a tudo isso, mas acumulei cerca de 10 horas de leitura durante os testes com o Oasis, a maior parte do tempo (umas sete horas) com brilho variando entre os níveis 10 e 13. Considerando esse tempo de uso e o fato de que testei o e-reader por uma semana, o resultado não foi ruim: a carga da bateria caiu de 100% para 76%.

Modo escuro no Oasis (na verdade, é a função de inversão de preto e branco nas configurações de acessibilidade)

Modo escuro no Oasis (na verdade, é a função de inversão de preto e branco nas configurações de acessibilidade)

Vale destacar que, se você deixar o Kindle Oasis em stand-by por mais de uma hora, ela desativará as conexões para poupar energia. Consequentemente, o dispositivo demorará alguns segundos para carregar o conteúdo quando for ligado novamente. Excluindo esse detalhe, o Oasis é bem rápido no carregamento de livros e na atualização das páginas.

Kindle Oasis 2019: vale a pena?

Do ponto de vista técnico, vale. É indiscutível que o Oasis é o melhor e-reader da linha Kindle e, embora a versão 2019 traga poucas mudanças em relação à versão anterior, o controle de temperatura da luz da tela é uma característica muito bem-vinda.

Kindle Oasis 2019

Agora, se levarmos em conta o fator custo-benefício, a história muda. O Kindle Oasis de 8 GB sai por R$ 1.149; a versão de 32 GB, por R$ 1.299 (valores oficiais). São montantes altos para um leitor de livros digitais, por isso, a escolha deve ser bem pensada. Eis alguns cenários que podem te ajudar com isso:

Tenho um Kindle Oasis de primeira ou segunda geração. Se ele funciona bem, não há razão para troca, a não ser que você queira o benefício do controle de temperatura e consiga vender a sua unidade por um bom preço.

Tenho um Kindle básico ou Paperwhite. Eu tenho um Paperwhite de segunda geração (a unidade que aparece na foto mais acima) e vou ficar com ele. Na minha opinião, o Kindle Oasis só vale a pena para quem lê muito, coisa de um ou mais livros por semana (eu leio um por mês e olhe lá). Mesmo para quem tem esse perfil, um Paperwhite dá conta do recado.

Procuro o meu primeiro Kindle. Você lê livros assiduamente e tem grana para isso? Se a resposta for sim para as duas perguntas, o novo Kindle Oasis pode ser interessante para você. Do contrário, um modelo mais barato não vai te deixar na mão.

Eu quero proteção contra água. Bom, o Oasis tem proteção contra água (até 60 minutos em profundidade de até 2 m em água doce), mas o Paperwhite mais recente também. Se esse for o único critério, o Paperwhite é mais negócio.

Vale lembrar que o Kindle básico 2019 traz retroiluminação LED e custa R$ 349. Já o Kindle Paperwhite custa a partir de R$ 499. Esses são os valores oficiais. Não é raro a Amazon disponibilizá-los com descontos significativos.

Nota de transparência: os links acima têm código de afiliado. Clicando neles, os preços não mudam, mas o veículo pode ganhar uma comissão da Amazon.

Especificações técnicas

  • Tela: E-Ink de 7 polegadas com 300 ppi e 25 LEDs
  • Armazenamento: 8 GB ou 32 GB
  • Bateria: autonomia de até seis semanas
  • Conectividade: Wi-Fi 802.11b/g/n, Bluetooth (para o serviço Audible), USB 2.0 (micro-USB)
  • Formatos suportados: Kindle 8 (AZW3), Kindle (AZW), TXT, PDF, MOBI não protegido, PRC nativo, HTML, DOC, DOCX, JPEG, GIF, PNG, BMP via conversão, AAX (Audible Audio Format)
  • Peso: 188 g
  • Dimensões: 159 x 141 x 3,4-8,4 mm
  • Cores: grafite
  • Outros: ajuste automático de luminosidade, ajuste de temperatura da tela, proteção IPX8