Início » Brasil » Canon fecha fábrica brasileira de câmeras na Zona Franca de Manaus

Canon fecha fábrica brasileira de câmeras na Zona Franca de Manaus

Após 10 anos de funcionamento, fábrica da Canon em Manaus fecha por "dificuldade de visualização de estratégia a longo prazo"

Pedro KnothPor

A Canon decidiu encerrar a linha de produção de sua fábrica na Zona Franca de Manaus. A fabricante de câmeras e acessórios de fotografia confirmou o fechamento nesta quarta-feira (2), em nota ao Tecnoblog. A empresa afirmou ainda que não deve encerrar suas operações no Brasil, continuando a vender câmeras e outros produtos no país.

Fabrica da Cannon em Manaus

Fabrica da Cannon na Zona Franca de Manaus (Imagem: Reprodução/Google Street View)

Canon fecha fábrica após quase 10 anos de atividades

“Informamos que o fechamento da fábrica [em Manaus] não afetará nenhum serviço ou estratégias de venda da multinacional. É uma decisão tomada pela Canon Japão que respondia pela fábrica”, diz um trecho da nota enviada ao Tecnoblog.

Em 2012, a multinacional japonesa inaugurou sua fábrica na Zona Franca de Manaus como uma nova e decisiva etapa para aumentar as vendas de câmeras e acessórios em mercados emergentes – o Brasil era o quarto maior mercado da Canon no mundo, atrás de EUA, China e Japão. Foi algo inédito: a primeira linha de produção da empresa fora da Ásia.

A abertura da fábrica custou à Canon 110 milhões de ienes (na época, o equivalente à R$ 2,78 milhões). A unidade tinha 1,8 mil metros quadrados e inaugurou com 60 funcionários. A empresa ainda precisou abrir uma filial para dar apoio ao lançamento no Brasil: a Canon Indústria de Manaus Ltda., com capital de giro de 210 milhões de ienes (cerca de R$ 5,32 milhões).

Canon Japão vê “dificuldade em estratégia a longo prazo”

Quase 9 anos depois, a Canon Japão decidiu fechar a fábrica em meio às dificuldades provocadas pela pandemia de COVID-19. A empresa afirmou ao Tecnoblog que o momento “dificulta a visualização de uma estratégia a longo prazo”.

Contudo, a fabricante japonesa disse que não deve encerrar completamente atividades no Brasil e reafirmou compromisso com o consumidor brasileiro. “Sendo assim, a Canon continua em plena atividade no Brasil, oferecendo seus produtos fotográficos, de impressão e imagem por sua loja virtual ou por sua equipe de campo. Além disso, nada altera nas áreas de atendimento ao cliente, garantia dos produtos e assistência técnica da Canon do Brasil” diz a empresa em nota.

Canon não revela se preço de produtos deve aumentar

A Canon afirma que o modelo de negócio no Brasil não deve sofrer alterações e que programa lançamentos  de novas linhas no país. Apesar das novidades, agora que a fábrica em Manaus fechou, é de se esperar que a importação cause o aumento do preço dos dispositivos — a empresa não confirmou se haverá alta no custo dos produtos.

Os modelos T7 e T7+ da câmera digital Canon EOS Rebel eram fabricados no Brasil e provavelmente devem sofrer alterações no preço. Outras linhas de dispositivos, como a Canon EOS R5, R6, RP e R já eram importados.

A Canon teve um modesto aumento em vendas líquidas no primeiro trimestre de 2021 em comparação anual com 2020. A companhia atribui o crescimento global de 7,7%  ao aumento na demanda por materiais de maior qualidade para o home-office, como impressoras à laser. Em agosto do ano passado, a empresa sofreu um ataque e teve 10 TB de dados sequestrados em um ataque de ransomware que tirou do ar seu site americano.

Com informações: Andrei Lanhi – Back to Basics

Comentários da Comunidade

Participe da discussão
24 usuários participando

Os mais notáveis

Comentários com a maior pontuação

Josué Junior (@Josue.Jr)

O último que sair apaga a luz. Tá complicado enxergar alguma luz no fim do túnel

Emanuel Schott (@Emanuel_Schott)

Com celulares com câmeras excelentes, como o S21 Ultra ou o iPhone 12 Pro, cada vez menos essas câmeras serão necessárias.

Conheço fotógrafos que usam apenas o celular e não dá pra notar diferença entre ele e uma DSLR.

Rafael Machado de Souza (@rafael.mds)

Certo que o mercado de câmeras está virando algo de nicho, mas a desindustrialização do país e essa moeda desvalorizada só vão afugentar os investidores.

Matheus Motta (@Matheus_Motta)

Quem trabalha com fotografia só tá se fu… ultimamente no Brasil

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Questão de nicho. Por melhor que um smartphone seja, nunca substituirá uma câmera dedicada. E aí tem pra todos os bolsos.

O que da para argumentar é que os smartphones evoluíram em fotografia computacional, justamente para superar limitações físicas. E esses resultados sim são melhores que câmeras profissionais na mão de amadores.

Felipe Silva (@Felipe_Silva)

Cada vez se torna mais de nicho o segmento de câmeras fotográficas, então nem me espanta essa decisão de fechar a fabrica, nos próximos anos devem sobrar pouquíssimas fabricas para atender o mundo inteiro, afinal uma câmera topo de linha de hoje em dia não vai fica desatualizada tão cedo, não tem muito mais onde revolucionar nesse segmento, são somente pequenas melhorias incrementais.

wesley soares (@wesley_soares)

Tá embaçado mesmo, se nem na zona franca que tem incentivo fiscal as empresas estão dando conta, imagina no resto do país…

🤷‍♀️ (@xavier)

Em fotos pra redes sociais, de fato não dá pra notar, mas o mercado de imagens não se resume a isso, e qualquer coisa que não seja web, a qualidade de um smartphone não se compara a uma DSLR

🤷‍♀️ (@xavier)

Quem trabalha com imagem nota a diferença apenas olhando rapidamente. Pra um leigo é a mesma coisa, mas te digo com 100% de certeza, igual não é.

Uma câmera dedicada não vai morrer tão cedo por causa de uma simples questão física: lentes. Lentes grande-angulares supre apenas uma parcela da necessidade e todas as teleobjetivas de celulares (ou melhor, a tentativa de ser uma), produz resultados pífios.

Não se engane, tem muito “fotógrafo de iPhone” que vez ou outra ainda corre para uma câmera dedicada por causa da limitação física do dispositivo mesmo. Já vi muitos vendendo curso de “fotografia com o celular”, mas metade das fotos promocionais não eram com um celular.

🤷‍♀️ (@xavier)

Desculpa, mas a sua visão deste mercado é extremamente simplista. Algumas pessoas conseguem utilizar um celular ao invés de uma câmera tradicional? Com certeza, mas há muitos outros cenários onde ainda não é possível fazer essa troca.

Como fotógrafos de esporte vão usar um celular pra pegar uma ação do outro lado de um campo?
Como um fotógrafo de casamento vai mandar todo mundo ficar parado pro “modo noturno” capturar a foto no meio da cerimônia?
Como alguém especializado em retratos vai conseguir um bokeh (aquele desfocado) de forma satisfatória em 100% das vezes (e não torcer pro software fazer o trabalho corretamente).

Essa mudança pode acontecer um dia? Pode, mas não é tão imediata igual você pensa que é.

Gabriel Arruda (@gdarruda)

Fora que “fotógrafo” é completamente genérico: uma coisa é um fotógrafo de rua usar smartphone, outra é de natureza/esportes que usam lentes de 600M. E, para foto de estúdio, não há motivos para abrir mão de sensor e lentes melhores.

🤷‍♀️ (@xavier)

Exatamente.
No estúdio você não quer o software do celular intrometendo na imagem, com a possibilidade de alterar cores que necessitam ser precisas. Mas se não deixar o software trabalhar, o alcance dinâmico da foto é muito menor, o que por si só já não produz o mesmo resultado.

Douglas Knevitz (@Douglas_Knevitz)

Me lembrou a keynote da Asus para o zen8, tinham várias fotos de banco de imagens, para fins ilustrativos. Se a pessoa não repara, não lê a nota de rodapé. Podiam ter usado apenas os clipes e imagens feitas pelo próprio aparelho.

Renato Sacramento (@Renato_Sacramento)

Amigo, eu não sei que fotógrafo é esse que só usa smartphones. Mas, fotógrafos de verdade jamais cairiam nessa esparrela. Eu mesmo tenho fotos de viagem onde, parte são feitas com DSLR e parte com smartphone top. E o resultado é surpreendentemente diferente. E olha que estava usando uma lente relativamente simples (35mm - 1.8g) e uma Nikon de entrada,com sensor cropado.

Não posso dizer que smartphones nunca conseguirão o resultado de uma DSLR, pois isso seria outra esparrela. Mas, atualmente, nada supera um equipamento dedicado.

Eu (@Keaton)

oh my god dude…
Saiu Nikon, Saiu Sony e agora saiu Canon. Ou seja, agora simplesmente fodeu de vez…

A maioria das pessoas não consegue diferenciar uma foto bem tirada com uma point-n-shoot de 2001 de uma amadora com uma DSLR de 2021. Eu te garanto que o pessoal que usa DSLR mid/high end e/ou trabalha com edição de foto consegue…

Exibir mais comentários