Arquivo Ciência

Material feito de carbinos promete mais resistência que o grafeno e o diamante

Emerson Alecrim
Por

As melhores ofertas,
sem rabo preso

Nos últimos meses, temos ouvido falar bastante do grafeno, um material extremamente resistente com propriedades assombrosas que promete revolucionar as indústrias de chips, baterias, telas e várias outras. Para você ter uma ideia, é mais resistente que o diamante, por exemplo. Só que há um novo material na área com grande potencial para roubar o espaço ainda não conquistado do grafeno: um tipo de formação de carbono chamado “carbino” (“carbyne”, se você preferir o termo em inglês).

Os carbinos em si, na verdade, são conhecidos há algum tempo. Estamos falando aqui de uma pesquisa mais aprofundada feita pela Universidade de Rice, nos Estados Unidos, a respeito deste tipo material (que também recebe o nome de Carbono Acetilênico Linear) que revelou o seu potencial.

As características mais notável dos carbinos é a sua extrema rigidez e a sua resistência, tida pelos pesquisadores como quase duas vezes maior que a do grafeno, que é considerado um dos materiais mais resistentes do mundo, como indicado no primeiro parágrafo.

Com base nestas propriedades, é possível construir também cadeias de carbinos em um formato torcido que lembra hélices de DNA e que possibilita a adição de outros tipos de moléculas, resultando na criação de um material diferente. No estudo, os pesquisadores combinaram carbinos com moléculas de cálcio e obtiveram uma espécie de esponja tão flexível quanto resistente capaz de armazenar hidrogênio.

Ilustração de torsão em carbino

Ilustração de torsão com carbinos

Com tantas possibilidades, a expectativa é a de que os carbinos possam ser direcionados às mesmas aplicações do grafeno, se não mais. Ou seja: semicondutores mais poderosos, baterias com maior capacidade de armazenamento, telas flexíveis, scanners médicos, entre vários outros.

Isso não quer dizer que o grafeno está condenado à morte antes mesmo de se tornar útil. Tal como este, os carbinos precisam de muita pesquisa para serem efetivamente aproveitados. Um dos desafios a serem encarados, por exemplo, consiste em torná-los mais estáveis, ou seja, menos suscetível a explosões (pois é).

Por ora, a única coisa que podemos dar como certa é que, no que depender de materiais como estes, nosso futuro tecnológico será deveras interessante.

Com informações: ExtremeTech

Emerson Alecrim

Autor / repórter

Emerson Alecrim cobre tecnologia desde 2001 e entrou para o Tecnoblog em 2013, se especializando na cobertura de temas como hardware, sistemas operacionais, negócios e transportes. Formado em ciência da computação, seguiu carreira em comunicação, sempre mantendo a tecnologia como base. Participa do Tecnocast, já passou pelo TechTudo e mantém um site chamado InfoWester.

Mais Populares

Responde

Relacionados

Em destaque