Meizu Pro 6 é um topo de linha que chega ao Brasil com design familiar (e preço também)

Smartphone chinês tem processador deca-core da MediaTek e acessórios de produtividade

Paulo Higa
Por

Sem muito alarde, os smartphones da Meizu começaram a chegar ao Brasil em 2015, por meio da representante local Vi, com preços nada atraentes e modelo antigo. Mas os brasileiros se apressaram e anunciaram nesta quinta-feira (2) que já estão trazendo o recém-lançado Meizu Pro 6, o último smartphone topo de linha da marca, que aposta no hardware potente para atrair consumidores.

meizu-pro-6

O comunicado à imprensa do Meizu Pro 6 dedica três parágrafos só para falar do hardware do aparelho e de mínimos detalhes técnicos, uma estratégia bem parecida com a da Xiaomi e outras fabricantes chinesas. Eis o que ele tem por dentro:

3d-press-meizu-pro-6

  • Processador: deca-core MediaTek Helio X25 (dois Cortex-A72 de 2,5 GHz, quatro Cortex-A53 de 2 GHz e outros quatro Cortex-A53 de 1,4 GHz);
  • Tela: Super AMOLED de 5,2 polegadas e resolução de 1920×1080 pixels (no site, eles fazem questão de ressaltar que o painel é fabricado pela Samsung);
  • RAM: 4 GB LPDDR3;
  • Armazenamento: 32 ou 64 GB (eMMC);
  • Câmera traseira: 21 MP, lente f/2,2 e foco por detecção de fase auxiliado a laser;
  • Câmera frontal: 5 MP e lente f/2,0;
  • Bateria: 2.560 mAh, com suporte a carregamento rápido.

Ele também possui leitor de impressões digitais, conexão USB-C e tela sensível à pressão (aqui chamada de 3D Press, não 3D Touch). O aparelho vendido no Brasil será acompanhado dos mesmos acessórios de utilidade questionável do MX4: o Vi Center, que funciona como bateria externa e teclado projetável; e o Vi Cast, uma espécie de Chromecast que espelha a tela do Meizu Pro 6 na TV.

meizu-pro-6-2

Infelizmente, não apenas o design é semelhante ao dos iPhones, mas também o preço: a Vi cobrará R$ 3.699 na versão de 32 GB e R$ 3.999 para quem quiser 64 GB de armazenamento interno. Assim como no original, não há entrada para cartão de memória. Os aparelhos serão vendidos a partir do segundo semestre no país, sem data exata de lançamento.

Na China, essas cópias são comercialmente interessantes por serem baratas: o Meizu Pro 6 custa R$ 1.363 e R$ 1.527 nos modelos de 32 GB e 64 GB, o que é menos da metade do que a Apple cobra pelo iPhone 6s no outro lado do mundo. Pena que, no Brasil, a principal vantagem, que é o preço, se perde — com esse valor, eles estão competindo diretamente com Galaxy S7 e iPhone 6s, e… né?