Brasil terá satélite 100% produzido pela indústria nacional em 2022

EMBRAPII anuncia produção de nanossatélite 100% brasileiro, previsto para ser lançado em 2022; projeto busca desenvolver indústria espacial nacional

Bruno Ignacio
Por
• Atualizado há 2 anos
Nanossatélite da EMBRAPII vai desenvolver a indústria espacial nacional (Imagem: PIRO4D/ Pixabay)

A Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial (EMBRAPII), vinculada ao Ministério da Ciência, Tecnologia e Inovações, anunciou nesta semana que o Brasil terá um satélite 100% produzido pela indústria nacional. Segundo a organização social, a solução tecnológica vai trazer conhecimento para explorar o espaço e deverá estar pronta para ser lançada em órbita no início de 2022.

Em comunicado à imprensa, a EMBRAPII afirmou que a tecnologia será capaz de produzir informações que orientem políticas públicas em diversas áreas da sociedade e setores do mercado. Além disso, o projeto deverá ser um marco no avanço das indústrias de defesa e espacial brasileiras.

A produção do satélite nasceu da parceria entre a Empresa Brasileira de Pesquisa e Inovação Industrial, a Unidade EMBRAPII do Instituto Senai de Inovação (ISI) em Sistemas Embarcados e a empresa Visiona Tecnologia Espacial. O piloto do projeto servirá principalmente para “adquirir conhecimento para o desenvolvimento de satélites comerciais”, segundo a organização.

Projeto vai preencher lacunas da indústria espacial nacional

Trata-se de um nanossatélite que deverá desenvolver as principais lacunas tecnológicas da indústria espacial brasileira. Pesando apenas 10 kg e com dimensões de 30cm x 20cm x 10cm, mais ou menos do tamanho de uma caixa de sapato, o dispositivo validará tecnologias como sistemas de navegação, supervisão de bordo e rádio definido por software.

Uma vez lançado em órbita terrestre, previsto para acontecer em 2022, o pequeno satélite vai coletar dados e imagens que serão então transmitidos para uma estação de controle em terra. No longo prazo, a tecnologia deverá trazer ainda mais possibilidades de utilização.

A EMBRAPII exemplifica alguns potenciais usos do nanossatélite no futuro, principalmente em negócios ligados à conectividade, como Cidades Inteligentes. Outros exemplos são o monitoramento da agricultura e pecuária em locais afastados e a coleta de informações que contribuam na prevenção de tragédias naturais, como enchentes e deslizamentos de terras.

Receba mais notícias do Tecnoblog na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Bruno Ignacio

Bruno Ignacio

Ex-autor

Bruno Ignacio é jornalista formado pela Faculdade Cásper Líbero. Cobre tecnologia desde 2018 e se especializou na cobertura de criptomoedas e blockchain, após fazer um curso no MIT sobre o assunto. Passou pelo jornal japonês The Asahi Shimbun, onde cobriu política, economia e grandes eventos na América Latina. No Tecnoblog, foi autor entre 2021 e 2022. Já escreveu para o Portal do Bitcoin e nas horas vagas está maratonando Star Wars ou jogando Genshin Impact.

Canal Exclusivo

Relacionados