Inteligência artificial adivinha senha só de ouvir sons do teclado

Modelo é capaz de aprender barulho de cada tecla pelo Zoom ou usando um smartphone infectado; precisão do método chega a 95%

Giovanni Santa Rosa
Por
Teclado
IA é capaz de aprender barulho de cada tecla (Imagem: Lucas Santos/Unsplash)

Se você tem medo da inteligência artificial, prepare seu coração para esta notícia. Pesquisadores conseguiram criar um modelo que ouve o barulho das teclas e, a partir desses sons, consegue deduzir o que foi digitado, com precisão de 95%. Isso pode ser usado para descobrir senhas e outras informações.

O trabalho foi feito por especialistas de universidades britânicas. Em um artigo, eles detalham um ataque que seria possível com um modelo de inteligência artificial e um smartphone. Colocado próximo a um computador, o aparelho capturaria o som das teclas.

No teste feito com um MacBook Pro, o modelo foi capaz de adivinhar as teclas com 95% de precisão. O smartphone, porém, nem seria tão necessário. Uma chamada pelo Zoom poderia ser usada para capturar os sons, com 93% de precisão. Pelo Skype, o método atinge 91,6%.

Como funciona o modelo

O modelo de inteligência artificial precisa de treinamento para adivinhar o que é digitado.

Como fazer isso? Pode ser usando um malware, para cruzar o som das teclas com o conteúdo. Outro método seria ter acesso a uma reunião de Zoom ou Skype e registrar as mensagens enviadas, criando uma correlação entre elas e o som gravado.

Nos testes, os cientistas conseguiram coletar dados suficientes para o treinamento apertando 36 teclas, 25 vezes cada. Depois, eles transformaram os sons em formas de ondas e espectrogramas, isolando cada tecla.

Os espectrogramas foram usados para treinar um algoritmo classificador de imagens, o CoAtNet. Após alguns experimentos com os parâmetros, o modelo foi capaz de adivinhar o que estava sendo digitado com até 95% de precisão.

Como se proteger

O ataque só foi descrito neste artigo e ainda não foi encontrado fazendo vítimas por aí. Mesmo assim, fica a pergunta: se isso é possível, o que fazer para se proteger?

A principal recomendação é usar senhas com maiúsculas e minúsculas, alternando entre as duas aleatoriamente. Segundo o artigo, nenhum método foi capaz de identificar quando o usuário solta a tecla Shift.

Outras possibilidades são:

  • Adicionar sons artificiais de teclas durante chamadas, como forma de esconder o que está sendo realmente digitado.
  • Usar autenticação de dois fatores, para que atacantes não consigam acesso aos dados apenas com a senha.
  • Ativar proteções biométricas, que não dependem do teclado para funcionar.
  • Silenciar o microfone ao digitar alguma coisa durante reuniões por vídeo.

Por fim, uma recomendação não mencionada pelo artigo, mas que pode ajudar, é usar gerenciadores de senhas. Eles poupam o trabalho de digitar senhas. Assim, seu teclado não faz barulho, e invasores não teriam como adivinhar suas combinações.

Com informações: Digital Trends, Bleeping Computer, arXiv (PDF)

Receba mais sobre Zoom Meetings na sua caixa de entrada

* ao se inscrever você aceita a nossa política de privacidade
Newsletter
Giovanni Santa Rosa

Giovanni Santa Rosa

Repórter

Giovanni Santa Rosa é formado em jornalismo pela ECA-USP e cobre ciência e tecnologia desde 2012. Foi editor-assistente do Gizmodo Brasil e escreveu para o UOL Tilt e para o Jornal da USP. Cobriu o Snapdragon Tech Summit, em Maui (EUA), o Fórum Internacional de Software Livre, em Porto Alegre (RS), e a Campus Party, em São Paulo (SP). Atualmente, é autor no Tecnoblog.

Canal Exclusivo

Relacionados