B3

Artigos de B3

Primeiro ETF de bitcoin no Brasil chega em 23 de junho

às 17h44 por

A empresa de investimentos em blockchain QR Capital anunciou nesta última quarta-feira (09) que o primeiro ETF (Exchange-traded fund) de bitcoin (BTC) do Brasil será lançado oficialmente no dia 23 de junho na B3, a bolsa de valores brasileira, sob o ticker QBTC11. O novo produto financeiro será o primeiro da América Latina com 100% de exposição à criptomoeda. Bitcoin se torna moeda oficial em El Salvador após aprovação no Congresso

Investir na Amazon, Apple, Google e outras empresas estrangeiras será mais fácil

às 13h23 por

Investir em empresas estrangeiras, como Amazon, Apple e Google, ficará mais fácil a partir de 1º de setembro de 2020. A Comissão de Valores Mobiliários (CVM) anunciou na terça-feira (11) uma mudança nas regras de aplicação em BDRs, ativos que até então só estavam disponíveis para os chamados investidores qualificados, aqueles com mais de R$ 1 milhão. Como investir em ações?

O que são fundos imobiliários?

às 12h45 por

Fundos imobiliários são um tipo de investimento destinado à aplicação em empreendimentos desse setor da economia. Isso inclui, além da aquisição de direitos reais sobre bens imóveis, o investimento em títulos relacionados ao mercado imobiliário, como letras de crédito imobiliário, letras hipotecárias, certificados de recebíveis imobiliários, entre outros previstos na regulamentação da CVM. O que é Tesouro Direto?

Tecnocast 116 – É hora de investir na bolsa?

às 21h22 por

No segundo episódio da série de Tecnoinvests com a Ativa Investimentos, falamos sobre como investir em ações. A taxa Selic está em seu menor patamar histórico, então a bolsa de valores se torna o caminho mais óbvio para quem deseja buscar uma rentabilidade mais alta. Mas como identificar boas empresas? Em quais funda

Toro é uma corretora para quem ainda não sabe investir em ações

às 12h31 por

A Toro apresentou nesta terça-feira (17) uma corretora de valores para atrair pessoas que querem investir em ações, mas ainda não sabem como fazer isso. A fintech, que recebeu investimentos de R$ 46 milhões, oferece uma interface simplificada para operar na bolsa e um modelo de negócios em que o cliente só paga se lucrar com a operação. Em vez de apresentar somente um home broker tradicional, com acesso a